Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

Recordar Paul Samuelson

"Nasci economista a 2 de Janeiro de 1932." Neste dia, com apenas 16 anos, Paul Samuelson era admitido na Universidade de Chicago, onde daria início a uma carreira académica longa - oito décadas - e excepcional.

Primeiro americano a receber o Prémio Nobel da Economia, na sua segunda edição, Samuelson manteve durante toda a vida as qualidades que o Comité do Nobel viu nele, em 1970: "Mais do que qualquer outro economista contemporâneo, Samuelson contribuiu para aumentar o nível analítico da ciência económica. Pura e simplesmente reescreveu partes consideráveis da história da disciplina."

Nascido em 1915 numa família judaica abastada, Paul despertou para os problemas económicos depois de o seu pai ter perdido parte significativa do património familiar nos anos pós-I Guerra Mundial. Ainda no liceu, começa a estudar o mercado accionista. A tal ponto que, no boom bolsista dos anos 20, é ele quem faz a lista de investimentos do seu professor de Álgebra.

Paul não perde tempo e vai estudar para Chicago, a alma mater do pensamento económico conservador. É lá que se forma em Economia e conhece Milton Friedman, dando início a um dos mais titânicos combates intelectuais do século XX. Mesmo discordando de quase tudo, Samuelson e Friedman mantêm--se amigos. Já a relação com Chicago azedou: "Percebi as diferenças entre o que era ensinado dentro das salas de aula e o que ouvia nas ruas", confessou Samuelson. Desapontado com a academia e inspirado por Alvin Hansen, um distinto keynesiano, Paul muda-se para Harvard em 1935 e mais tarde, em 1940, estabelece-se definitivamente no MIT. A sua tese de doutoramento - "Fundações da Análise Económica" - descodificou toda a estrutura matemática por trás da economia e revoluciona a disciplina. "Foi um economista de grande formação matemática e toda a sua obra está ligada ao tratamento matemático de modelos. Rompe com a tradição literária da economia e volta à tradição empírica da disciplina de uma maneira muito matematizada", assinala Nuno Crato, Presidente da Associação Portuguesa de Matemática. Notavelmente versátil - "tinha a agilidade de um Nijinsky e a endurance de um corredor de corta-mato", como escreve o "The New York Times" -, Samuelson remodela o pensamento académico: "A matemática já era usada pelos cientistas sociais, mas Samuelson trouxe a disciplina para o mainstream, mostrando como chegar a sólidos modelos teóricos a partir de simples assunções matemáticas."

A prova está no livro a que Samuelson chamava "o meu bebé." "Economia" apresentou a economia e John Maynard Keynes a milhões em todo o mundo em 19 edições e 4 milhões de cópias vendidas em 40 línguas. "Nenhum estudante poderia voltar a ficar sossegado com as profecias económicas do século XIX, de que os mercados cuidariam do desemprego sem necessidade de intervenção governamental" lê-se no "Times". Em 2008, quando a maior crise económica desde a Grande Depressão rebentou - oitenta anos depois do nascimento do pensamento keynesiano - não se voltaram a repetir os mesmos erros. As lições de Samuelson mostraram às elites políticas e tecnocráticas mundiais a saída para a crise: aumento da despesa do Estado, corte de impostos e taxas de juro bem perto de zero.

Samuelson ensinou Ben Bernanke e uma mão cheia de futuros Nobel. Mas o aluno mais famoso foi John F. Kennedy. Depois de ter sido eleito em 1960, o presidente democrata pediu 40 minutos com o professor. Antes, um almoço a bordo de um iate que desiludiu o economista: "Esperava uma refeição sumptuosa mas comemos salsichas com feijão". Recordado como homem divertido e articulado, Samuelson morreu economista, ontem, em casa, com 94 anos.

 

Fonte: Jornal i

 

Ricardo Miguel Vinagre

publicado por alcacovas às 20:14
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog