Terça-feira, 26 de Maio de 2009

A CULPA É DOS LOBOS OU DOS CORDEIROS?

  

Nas nossas conversas ou nos nossos media quando discutimos política, com empenho e até exaltação, há sempre alguém que dita desanimadamente que a culpa não é dos governantes, mas sim nossa porque eles mais não são do que o (mau) fruto de fracos pais. Isto é, temos os governantes que merecemos.

E, perante tão nefasta e arrasadora sentença, calamo-nos vencidos, sem resposta para tão forte e evidente realidade.

Mas há, sempre e felizmente, alguém que não desiste.

Mas afinal porque é que somos tão maus que só geramos maus governantes?

Claro que, diz alguém, a culpa é dos nossos governantes que vão formatando o cidadão e formatando uma fraca sociedade.

Como é que saímos desta ratoeira mortal?

Escolhendo (por sorte das probabilidades) alguns governantes excepcionais capazes de romper este nó?

Mas esta esperança de que algum milagre ou bafejo da sorte nos inverta o ciclo vicioso é apenas isso mesmo: uma esperança. E há alguns séculos que os portugueses se aguentam à espera do tal milagre.

Pensando bem julgo que temos tido um grande deficit de milagres e poucos Homens capazes de fazerem “milagres”.

Pensem bem, se o D. Afonso Henriques ficasse á espera que por algum favor da Providência, se tornaria rei de um qualquer pedaço do território dos seus vizinhos, mouros, aragoneses ou leoneses, Portugal não existiria.

E, durante uns largos anos, fomos fazendo coisas notáveis.

Hoje vamos vivendo razoavelmente, mas estamos encalhados. A Europa vai dando um puxão, que ajuda, mas não chega.

Lendo e ouvindo alguns dos poucos bons pensadores que ainda por cá vão vivendo, tudo parece convergir para uma questão básica: a “formação” dos portugueses: os valores morais e cívicos, os sentimentos de pertença e de participação, a capacidade de apreender, de raciocinar e, também, algum conhecimento fundamental, etc.

Esta será na realidade a única forma de mudarmos o País. Ou talvez não, se quisermos admitir que como nação não temos futuro. Neste caso, outras soluções estarão disponíveis, soluções impensáveis (?) e perturbadoras, para nós, mas talvez nem tanto para os nossos netos ou bisnetos

Afinal o que são 3 ou 4 gerações? Apenas um instante num ciclo de quase 900 anos.

E, repito, só a Educação, num sentido de formação humana, social e cientifica dos jovens e até dos mais velhos, pode ser a alavanca para mover a nossa inércia e impedir o nosso definhamento.

Os países, as nações, também envelhecem, também morrem, e tanto mais depressa quanto maior for a incapacidade dos seus membros para continuarem a aprender, para continuarem a lutar (no bom sentido) para novos ritmos, novas formas, novos processos. Ou mudamos ou somos mudados por outros.

     

.AC

 

publicado por alcacovas às 14:21
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog