Sábado, 1 de Abril de 2006

A liberdade..

À medida que o sol nos vem aquecendo com maior convicção e que a energia e adrenalina aumentam em todos os seres vivos, marcamos a entrada de uma nova estação do ano, a Primavera, na qual há um espírito de renovação, de juventude e até de revolução, que nos atinge e nos “agita”. Parece que ninguém sabe ao certo do que se trata, mas a verdade é que acontece e é este espírito considerado uma das características mais marcantes desta época e o elemento que a torna tão especial.

A energia acumulada nos seres vivos durante a época de “dormência”, Outono – Inverno, tende a transformar-se em matéria e a “dar frutos” na Primavera. Todos sentimos que começamos a respirar novos ares e temos a sensação de que tudo se está a renovar e a animar na natureza.

Este efeito de “desabrochar” da natureza parece ser semelhante nos seres humanos. O aparente acumular de energia tende a transformar-se em novos pensamentos, em novas ideias, em alegria e em vontade de se lutar por aquilo que defendemos e sobretudo numa enorme necessidade de o exteriorizarmos. Assim como as plantas, que tendem a deitar cá para fora boa parte da sua beleza, as suas folhas e flores, nós humanos sentimos a forte necessidade de mostrarmos o que pensamos e as razões pelas quais lutamos.

Esta é, de facto, uma época marcada pela animação/agitação social, pela revolução/rebelião, pelo lançamento e construção de novas ideias/ideais e pela vontade comum de mudança. Naturalmente, cada um expressa-se à sua maneira, mas a verdade é que o objectivo de todos é comum e há uma tendência forte para a união. Não será por acaso que uma boa parte das revoluções ou o seu planear tiveram lugar nesta época (falemos de Abril-Maio-Junho). Muitas lutas por ideais tiveram lugar nesta altura e na sua maioria, e pela aderência e impacto que tiveram, forma bem sucedidas. Desde o planeamento do final da II Guerra Mundial em 1944, ao nosso 25 de Abril de 1974, passando pelo Maio de 68 (e outras mais), todas elas foram marcos históricos desta altura primaveril, e tiveram em comum a vontade de se lutar por ideais, contra as injustiças, ou pelos direitos fundamentais do Homem ou pelos direitos civis, políticos e de liberdade de expressão. Enfim, todas tiveram em comum o soltar dum “grito de revolta” e a luta por uma vontade comum..a Liberdade, independentemente do seu tipo ou forma.

Reconheço sempre esta estação do ano como a época em que, para além do nosso preenchimento por animação/agitação e alegria, se lutou pelo mais básico de todos os direitos: o direito à Liberdade, nas suas mais variadas formas. Para nós portugueses foi precisamente o mês de Abril que nos abriu as portas para a liberdade de expressão, de participação na vida cívica e política. Foi, de facto, uma das maiores conquistas do nosso povo e devemos ser eternamente gratos aos que deram voz a esta luta, esta revolução, aos que deram o “grito de revolta”, aos que exteriorizaram a sua energia, a sua luta. A eles devemos a nossa liberdade de discussão, a liberdade de participarmos activamente nas questões políticas e sociais sem medo e sem censura. A eles devemos até o simples facto de estarmos a debater ideias num “blog” sem que tenhamos de pensar se o podemos fazer ou não.

A eles devemos muito respeito; respeito esse que se deverá traduzir essencialmente na forma como usufruímos da nossa liberdade de expressão. Não há de certo um código que nos diga qual a forma correcta de “utilizarmos” a nossa liberdade, pois ela é isso mesmo; mas uma coisa é certa, não será a “deitar abaixo” a iniciativa dos outros, em denegrir a obra e as intenções dos que lutam por contribuir positivamente que a estaremos a utilizar de forma correcta. Penso que ninguém se opõem quando se diz que a liberdade deve servir acima de tudo para contribuir positivamente e para nos ajudarmos mutuamente (sociedade) a moldarmos as nossas oportunidades.

O mau uso da liberdade de expressão normalmente tem consequências negativas e, como se pôde constatar nos últimos dias no blog, há todo um mau ambiente que se gera nos debates. Existiu uma falta de respeito pela liberdade de expressão e o caminho a seguir a partir daí foi o da degradação do diálogo, do “deitar abaixo”, do desrespeito pelas liberdades individuais.

Seria bom que todos, conscientes da gratidão e respeito que devemos pela nossa liberdade de expressão, a utilizássemos de forma construtiva, produtiva.

Deveremos aproveitar toda a energia que anda no ar para exteriorizar as nossas ideias, pensamentos, tendo ao mesmo tempo a preocupação ou o objectivo de participar de forma construtiva, de atingirmos o bem comum, assim como fizeram os lutadores pela liberdade de Abril.

 

Sejam livres, participantes, críticos construtivos, lutadores pelo bem comum. Dêem a cara pelos vossos ideais e ideias, pela vossa liberdade de expressão, por aquilo que são – livres pensadores, livres participantes, membros da sociedade, parte essencial para o seu crescimento e evolução! Bem hajam!

B. Borges

publicado por alcacovas às 17:17
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog