Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

A ANARQUIA

 

 

A ANARQUIA

 

Anarquia, sinónimo da liberdade individual total ou do caos absoluto?

O anarquismo teve no final do século XIX e princípios do XX uma certa voga. Diziam os seus defensores que o homem podia viver numa sociedade sem governantes, sem polícias nem soldados, nem uma série de outros símbolos de poder.

Hoje temos o liberalismo, uma espécie de concessão ou progresso no sentido da libertação do Homem.

Falamos de governos liberais, de economia liberal, de costumes liberais, etc. Mas também falamos de regulamentação, de nacionalizações, de cartões de identificação ADN, de câmaras de vigilância nas estradas, nas ruas, nas lojas.

Também discutimos a segregação, apoiamos as uniões de facto, os casamentos homossexuais, apoiamos as crianças que batem nos professores e pomos polícias a vigiar as escolas.

Hoje ou há 100 anos, ou há mil, andamos a discutir e a actuar no sentido de dar ou tirar, permitir ou proibir certas “liberdades”.

Mas não é isto que eu quero aqui discutir com vocês.

Eu até sou um admirador do anarquismo ideal, assim como as pessoas que acreditam no Juízo Final, ou num Paraíso cheio de lindas virgens.

Pois não seria uma maravilha uma sociedade sem chefes, sem ministros, sem polícias? Onde cada um poderia fazer o que quisesse desde que não tirasse aos outros essa liberdade.

Impossível, mas bonito.

Pensar não custa nem é, ainda, regulamentado.

Mas este prefácio, algo anárquico, visa chegar ao seguinte:

Liberalismo ou regulamentação?

Mais de um ou mais do outro? Assim se definem muitos (todos) os partidos actuais. O que os distingue é o grau, a proporção.

Hoje, devido à crise financeira internacional, todos discutem este grau. Desde os liberais americanos, mais empedernidos, até aos socialistas mais regulamentadores, a discussão é muita.

Mas a questão que aqui quero levantar é a seguinte:

Será a regulamentação melhor que o liberalismo, será melhor ter 50% para cada lado ou o quê?

Mas será que a regulamentação (ou o liberalismo) são iguais para toda a gente?

Será que um governo, por exemplo o nosso (mas podia ser o da França ou dos EUA) regulamenta com o mesmo “detalhe”, com a mesma profundidade todas as actividades sociais ou económicas?

Terá a regulamentação o mesmo efeito, a mesma força, para um cidadão vulgar, ou para uma micro ou pequena empresa, ou para uma multinacional, um grande grupo, um grande banco?

Terão, o poder executivo, o poder legislativo e a justiça os mesmos critérios na elaboração das diversas regulamentações?

Terá a regulamentação financeira o mesmo efeito da regulamentação dos produtores de queijos artesanais?

Terá um “simples” cidadão o mesmo tratamento, as mesmas possibilidades de se defender do Estado em comparação com os membros do CA de uma grande gasolineira ou de um mega grupo financeiro?

Parece (e é) mais fácil regulamentar as actividades “menores”.

Regulamentar os poderosos é mais complicado e, até certo ponto, ineficaz porque as leis foram feitas para serem interpretadas, dilatadas, suspensas, complexas, incompreensíveis para a maioria dos mortais.

Leis, que só os grandes mestres do Direito conseguem interpretarem e nelas encontrar uma saída para os seus clientes.

O povo diz que quem tem dinheiro não vai preso, mas o pobre não escapa.

Descontados o exagero e até alguma injustiça deste aforismo popular temos que ver nele uma certa verdade.

Q que eu penso é que a regulamentação é necessária, mas desconfio que muitas vezes serve mais para proteger os poderosos e usar os mais fracos como bandeira propagandística da bondade da regulamentação.

O Estado, em certos países ou culturas, desconfia do cidadão. O cidadão é, em princípio, suspeito, perigoso, um ser que só pensa em enganar o Estado.

Já o grande empresário, ou o alto dirigente, ou o grande accionista, todos e tudo que representa poder têm um tratamento especial, reforçado pelo sistema judicial.

São, salvo prova em contrário, pessoas ou entidades cumpridoras, impecáveis e impolutas.

Mas afinal não serão todos feitos da mesma massa?

Dirão que sim, mas as massas levedam de forma diferente.

Não quero ofender ninguém, nem levantar falsos testemunhos. A vida é assim.

Acabo com uma vénia aos defensores do liberalismo no sentido em que este signifique, de facto, mais liberdade para todos os homens e mulheres.

Prefiro tropeçar no caminho para a liberdade total de cada um de nós, do que regressar a uma sociedade centralizadora, onde o individuo não seja mais do que uma peça, sem grande valor, submetido aos interesses dum colectivo, quase divino, que conduz o rebanho.

Antes o caos do que a “prisão”.

AC          

 

 

 

 

publicado por alcacovas às 11:32
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog