Sábado, 30 de Agosto de 2008

Ilustres Personalidades do Concelho - António Francisco Cardim

António Francisco Cardim, vianense nascido em 1596, estudou na Universidade de Évora e desenvolveu posteriormente uma forte actividade apostólica na Índia, Japão e China. Este "português do oriente", redigiu várias obras e documentos valiosos que retratam os acontecimentos, os costumes e as paisagens dos locais por onde passou. Escreveu por exemplo, um catecismo em siamês. Foi autor das obras:

Batalhas da Companhia de Jesus;

Fasciculus è Japonicis floribus suo adhuc madentibus sanguine (Roma, em 1646);

Relação da gloriosa morte de quatro embaixadores portugueses da cidade de Macau com cinquenta e sete companheiros degolados pela fé em Nagazaqui a 3 de Agosto de 1640;

António Francisco Cardim teve ainda uma significativa e relevante projecção administrativa no Oriente, tendo sido Procurador-Geral da província do Japão, tentando nessa condição normalizar as relações com os japoneses após o citado massacre. Acaba por falecer por essas terras, mais propriamente em Macau, a 30 de Abril de 1659.

 

Bibl. : GUERRA, Maria Luísa, A Universidade de Évora - Mestres e Discípulos Notáveis (sécs. XVI - XVIII), Universidade de Évora - Reitoria, Évora, 2005, p. 165;

 

Frederico Nunes de Carvalho

publicado por alcacovas às 02:46
| comentar
6 comentários:
De alcacovas a 30 de Agosto de 2008 às 12:21
Há que continuar com esta "série", figuras ilustres das Alcáçovas e do Concelho.
Tão pouco se sabe, o que só pode ser culpa nossa.
Esquecer é, de certo modo, apagar a nossa História, grande ou pequena toda ela é parte dum todo.
Venham mais histórias das gentes desta terra.
Bom trabalho.
AC
De comoasmares a 30 de Agosto de 2008 às 14:23
Frederico,
Este é um excelente contributo para a divulgação da História loca.
No concelho nasceram ilustres figuras que com o tempo ficaram esquecidas, é tempo de as trazer à luz.
Cumprimentos,
Roberto Vinagre
De joaquim Maia a 31 de Agosto de 2008 às 00:11
Boa iniciativa a do Frederico(dr.). Fazia muita falta este gesto. É através destes nomes que se recorda a história de Alcáçovas ou do concelho. Há muitos alcaçovenses para lembrar. Levaram bem longe o nome da sua terra natal. Honrá-los com este tipo de iniciativa é dignificar filhos da terra. Alcáçovas foi mãe de gente que se distinguiu na cultura do país em diversos campos e em diversas épocas da nossa história.
Venham mais para os mais novos continuarem a ter orgulho de serem alcaçovenses
De alcacovas a 31 de Agosto de 2008 às 03:11
Obrigado pelas vossas palavras. Estas servirão naturalmente, mais que tudo, como grande estímulo para continuar a retratar aqui um pouco mais da história do nosso concelho. Naquilo que estiver ao meu alcance, seremos sempre mais a saber e preservar o nosso património, as nossas tradições e memórias.
Para isso, somos sempre poucos, pelo que peço humildemente a Vossa ajuda para que essa missão tenha o fim desejado.
Um abraço,

Frederico
De Com um canudo a 7 de Setembro de 2008 às 22:10
Lamento discordar das vossas opiniões, para mim este trabalho é escusado até porque poucos são os que considero ilustres dos mencionados até agora, apenas pessoas ligadas à igreja ( Admito que quem não o fosse não teria hipótese de estudar) mas são apenas pessoas com um bom circuito académico. Apreciei a necessidade do Sr. Joaquim Maia ter sentido a necessidade de referir o titulo académico do Frederico à boa maneira Portuguesa Dr. para cá Eng. para lá.
Temos aqui o tipico Português em todas as vertentes, tanto no tipo de post como nos associados comentários, por isso este Pais não evolui.
Espero que este passe na censura.
De alcacovas a 17 de Setembro de 2008 às 01:14
Exmo senhor anónimo,

começando pelo fim, não podia mais concordar consigo e com a banalidade e trivialidade dos títulos académicos. Ainda para mais quando doutores são os médicos e, isso eu não sou certamente. Sou o Frederico e é assim que gostaria de ser tratado. Partilho da sua crítica em relação à vaidade dos portugueses e sua surpeficialidade, muitas vezes escondendo muita mediocridade. Naturalmente que não poderia é pensar que actuo dessa forma e que, não obstante não entender ( o senhor) interessantes os textos que aqui coloco, julgo que há pessoas a quem estes poderão interessar, outras que têm o direito de ter acesso a essa mesma informação que, interessante ou importante, ou nenhuma das duas, não deixa de reportar à nossa terra. De qual quer forma, como saberá, as pessoas ligadas À Igreja não eram todas elas provenientes de famílias ilustres, antes pelo contrário, essa era uma forma que tinham os lares mais desfavorecidos de dar sustento a alguns dos seus filhos, encaminhando-os para a vocação teológico-religiosa. Isso, naturalmente aliado à forte devoção religiosa das classes mais pobres. Portanto, alguns dos nomes que já aqui enunciei, não obstante estarem todos ligados à Igreja em Portugal e, sobretudo à Companhia de Jesus, foram pessoas que subiram a pulso dentro dessa hierarquia e, sem qualquer apadrinhamento ou conhecimentos que os fizessem saltar algumas escadas deste enorme lanço. A sua expressão "apenas pessoas com um bom circuito académico", quando falamos em 1700 e 1800, é um pouco injusta, pois se hoje se vulgariza(e bem) um licenciado, isso não fazia sentido algum para pessoas dessa época, autênticos oásis da cultura e do saber.
Deixo-o com um conforto e uma sugestão; não tem nada que temer quanto a pretensas censuras, nem tampouco disse algo que envergonhe ou ofenda. A sugestão vai, no seguimento do que atrás referi, para que se identifique e participe de forma mais séria e objectiva nas discussões que aqui vamos todos tendo. Afinal, quem não deve, não teme!!
Cumprimentos,

Frederico Carvalho

Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog