Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007

A Olaria Tradicional

 


Preparação da Pasta

O barro utilizado pelos oleiros de Viana do Alentejo era retirado de umas barreiras situadas na Herdade dos Baiões, a 3 km da vila. Pertencia esta propriedade à famíla Cabral, que há bastantes anos tinha doado o barro aos oleiros de Viana, mediante o pagamento por parte deste de um foro, em peças de barro. Depois esta herdade transformou-se numa U.C.P., continuando os oleiros a usufruir dos mesmos direitos sobre o barro.


A argila é cavada nas barreiras e transportada em carroças para as diversas olarias. Aqui, onde o ambiente tem um aspecto particular, dado pela humidade, pela lama e pela fraca iluminação, começa a preparação do barro.

O processo utilizado pelos oleiros (à excepção de um, que já utilizava uma máquina para o efeito) é o tradicional, bastante rudimentar, e que passamos a descrever de seguida:

O barro é exposto ao sol para que se possa partir mais facilmente em pequenos bocados («misgalhar o barro»). Sobre a argila partida é deitada água, de preferência com um regador, para que esta seja totalmente absorvida. É usual fazer-se esta operação ao fim do dia, para que durante a noite o barro vá amolecendo. Seguidamente, o barro é amassado com a mão e colocado num monte. O leiro sobe para ele e, colocando um pé ao centro, servindo de apoio, roda no sentido dos ponteiros do relógio, esmagando os bordos com o calcanhar, que progressivamente se vai enterrando.

Logo que a espessura do barro atinge 5 cm aproximadamente, o oleiro dá por terminada esta fase do trabalho. Passa de seguida À detecção de impurezas e corpos estranhos, utilizando para o efeito a sua própria mão que faz passar por pequenos blocos de barro. Todo este trabalho de preparação do barro demora cerca de hora e meia, e a partir desta última operação o barro está pronto a ser trabalhado na roda.


A Roda

A roda mais antiga, e a mais simples, é denominada roda baixa, movida com a mão. Era utilizada já pelos egípcios, como testemunham os frescos de há 2000 anos antes de Cristo, existentes nos túmulos de Tebas e reproduzidos por A. Brongniart e Joaquim de Vasconcelos, nos seus estudos sobre cerâmica.

Este tipo de roda,era utilizado em muitas regiões de Portugal, principalmente no Norte do País. Não há vestígios de rodas deste tipo primitivo no Alto Alentejo. Os oleiros alentejanos utilizam outro tipo de roda, mais alta, accionada com o pé e de origem árabe.

A roda é o principal utensílio do oleiro. Está montada numa espécie de mesa denominada «arquina», onde é colocada uma placa de madeira, uma tigela com água e as «pelas» (ou blocos) de barro.

É difícil trabalhar na roda, exige grande vocação, prática e perseverância, para se conseguir uma sincronização perfeita entre os pés e as mãos. O pé imprime o movimento e controla a velocidade, enquanto as mãos vão transformar o bloco de barro, colocado sobre a roda, subindo-o, alargando-o, até se tingir a forma final que o mestre idealizou. Cortando a peça pela base com o fio ou arame, a peça é retirada e colocada numa placa de madeira.

As peças, depois de moldadas, ficam a secar em prateleiras ou no chão, de maneira a ficarem apenas com 7 a 10% de humidade; só depois podem ir a cozer. O tempo de secagem é variável, dependendo de vários factores: espessura da peça, condições das instalações e condições atmosféricas.

Os Fornos

Os fornos de Viana do Alentejo eram geralmente construídos nos pátios dos oleiros. Eram descobertos, sem chaminés, protegidos dos ventos por paredes de alvenaria, geralmente cobertos por uma abóboda protegida com telhas.

Podemos dividi-los nas seguintes partes: caixa, boca, caldeira e arcos.

As peças ao serem colocadas no forno (operação de «enforna»), têm de obedecer a uma técnica apurada, de maneira a que o fogo seja distribuído de modo igual para todas elas. A lenha é introduzida lentamente (duas a quatro horas), (período «resquente»), evitando-se assim a mudança brusca de temperaturas, que poderia ocasionar que todas as peças se quebrassem. O tempo de cozedura é variado, dependendo da posição das peças no forno, da qualidade e da quantidade de lenha. Normalmente a cozedura é feita durante a noite, pois este tipo de fornos não tem qualquer indicador de temperatura, tendo o oleiro que espreitar a cor das peças, através de uma vigia para saber se já estão cozidas, colocando, no caso da cozedura ainda não estar acabada, mais lenha sobre as peças mais cruas.
Visto no "Viana e Tal"

Em: ESTIG - Int. Politécnico de Beja
Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:14
| comentar
1 comentário:
De Anónimo a 31 de Dezembro de 2007 às 20:01
Interessantíssima a obra de cerâmica em molde artesanal. Trouxe-me grande prazer conhecer o processo de produção do oleiro. Aguça a curiosidade poder um dia conhecer algo em presença pessoal. Por hora servem-me as informações, que sendo claras e simples permitem-me imaginar o acontecimento.
Meu interesse em particular se faz pela associação a menção bíblica da atuação do oleiro, conforme consta no livro do profeta Jeremias, capítulo 18 versos de 1 a 6 (Bíblia Sagrada).
Agradeço a oportunidade e desejo aos daí Feliz Ano Novo em 2008.
Adelino José, de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil.
www.adelinojb.blogspot.com

Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog