Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

"OS GRANDES PORTUGUESES" EM ALCÁÇOVAS

Será transmitido na 3.ª feira, dia 27 de Fevereiro, pelas 23h00m, o documentário sobre D. João II, para o programa que pretende eleger o Maior Português de Sempre.

Algumas partes deste documentário foram gravadas em Alcáçovas, apresentadas pelo Dr. Paulo Portas e que se passam em alguns locais que marcaram a vida do monarca nesta vila, tais como o Paço Real da Vila e a Praça da República.

Para quem não vê nenhuma ligação entre D. João II e esta vila alentejana, aqui fica uma breve nota biográfica do monarca:

Não é fácil compor o rascunho da vida de D. João II. O cognome “o Príncipe Perfeito” assenta-lhe como uma luva. Enquanto o pai guerreava contra os vizinhos castelhanos, o príncipe herdeiro preparava a expansão portuguesa. Era um homem esclarecido, com “extraordinária visão estratégica”, afirma Fernando Nobre, presidente da Fundação AMI e um apaixonado pela história de Portugal. D. João II introduziu a idade moderna no País. “Tinha um projecto extremamente avançado”, diz, por sua vez, o historiador Rui Afonso. Um projecto simultaneamente administrativo, cultural e económico.

D. João nasceu em Maio de 1455, filho do rei D. Afonso V e de D. Isabel de Urgel. O infante tinha 16 anos quando participou, ao lado do pai, na conquista de Arzila, praça-forte do Norte de África. Foi um baptismo de guerra para o príncipe herdeiro. Consta das crónicas que foi armado cavaleiro nesse mesmo dia.

Em 1474 D. Afonso V entregou a D. João a política de expansão marítima do reino. O infante enveredou por um caminho diferente do que o pai tinha seguido. Em vez de se concentrar no Norte de África, decidiu expandir para o Sul. O grande objectivo era a descoberta de uma passagem para o oceano Índico. D. João II olhava para o mundo questionando-se constantemente como ele funcionava. “Percebeu que, para Portugal ser uma grande potência, tinha de dominar o Índico”, salienta o escritor Manuel Margarido. Esta política conduz à assinatura do Tratado de Alcáçovas - Toledo, em que Portugal aceitava partilhar com Castela o oceano Atlântico pelo paralelo das Canárias. Isto proporcionou a hegemonia de Portugal em África e protegeu aquela que seria conhecida como “rota do cabo”. “D. João II soube defender o seu projecto de exploração marítima, tanto interna como externamente”, diz o tenente Gonçalves Neves, investigador do Museu de Marinha. No meio destas tarefas, casou com D. Leonor, uma das filhas do infante D. Fernando, irmão de Afonso V.

O reinado de Afonso V foi marcado por lutas constantes com Castela. A guerra obrigava o rei a ausentar-se muitas vezes. Delegou, então, o poder em D. João. Quando o conflito terminou, o governo estava, de facto, nas mãos do infante, que impediu o pai de se lançar em novas aventuras bélicas.

D. Afonso V morreu em 28 de Agosto de 1481. D. João II foi reconhecido como rei - “alevantado”, como se dizia na época - três dias depois, em Sintra, sendo o juramento do reino realizado em Évora, em Novembro seguinte, antes da reunião das Cortes, convocadas para o efeito. Não tardou a revelar uma maturidade política impressionante. Começou por promover a centralização e modernização do governo. “Criou um Estado aberto a novas ideias”, lembra o padre Vítor Melícias. Porém, o reino não estava em situação fulgurante. O estado das finanças era tal que D. João terá mesmo dito: “Herdo apenas as estradas de Portugal.” A prioridade foi fortalecer o seu poder. Como tal, lidou de forma implacável com a alta nobreza. Mandou prender ou assassinar personalidades como D. Fernando, duque de Bragança, ou D. Diogo, duque de Viseu. Tinha uma energia e uma tensão de fera pronta a atacar a presa. “Era um homem de paixões, por vezes cruel, mas que não deixava de ter um grande sentido de justiça”, conta Manuel Margarido. Equilibrou os poderes entre o clero, a nobreza e o povo. “Foi um homem que fez de plebeus cavaleiros”, acrescenta Fernando Nobre.

Para além de notável estadista, D. João II revelou-se um exímio diplomata. Na política externa, de facto, sempre preferiu usar a diplomacia - não a guerra. Esta era uma das características mais marcantes da personalidade do rei. Nas mais complexas decisões, com margem de manobra limitada pela própria natureza dos actos, conseguia criar uma onda de consensos à sua volta. “Teve uma estratégia bem delineada para a projecção de Portugal além-fronteiras”, relata Fernando Nobre. Se fossem concretizadas em ambiente de guerra, as viagens de Diogo Cão ao longo da costa africana e a expedição de Bartolomeu Dias à ponta de África teriam sido bem mais difíceis.

“A viagem de Bartolomeu foi particularmente importante. Abriu as portas ao plano que D. João II tinha na cabeça: a chegada à Índia”, lembra escritora Ana Maria Magalhães. A viagem de Cristóvão Colombo e a descoberta de novas terras vieram acelerar a necessidade de criar um novo tratado que garantisse os interesses de Portugal. Em 1494 foi assinado o Tratado de Tordesilhas, que dividiu o chamado “Novo Mundo” entre as duas potências atlânticas. Antes de chegar ao tratado, D. João usou vários recursos, entre os quais a pressão política e a espionagem. “D. João II tinha muitos espiões”, conta a directora do Palácio Nacional da Ajuda, Isabel Silveira Godinho. Nestes aspectos delicados da gestão do Estado, era um equilibrista da melhor estirpe. Descobrir o que a outra potência sabia sobre rotas e novas terras era uma questão de vida ou de morte. Durante as negociações do Tratado de Tordesilhas, D. João II lutou para que a linha divisória ficasse a 370 léguas a oeste de Cabo Verde, e não a 100, como estava previsto. Há várias teorias para explicar esta insistência. Especula-se que já se sabia da existência do Brasil. Para o historiador Jorge Couto, a única certeza é que, sem este traçado, “Portugal não teria qualquer posição no continente americano, ficando confinado a África e Ásia”.

Estes sucessos foram ensombrados pelo problema de sucessão causado pela morte do filho de D. João, o infante D. Afonso. O rei ainda pensou nomear o seu filho ilegítimo, D. Jorge, mas a solução poderia causar conflitos internos. Escolheu, por isso, nomear para seu sucessor D. Manuel, irmão da rainha, no testamento datado de 20 de Setembro de 1495, redigido em Alcáçovas. “Colocou os interesses do reino acima de tudo, incluindo do seu afecto pelo filho D. Jorge”, declara Jorge Couto. O rei morreu no Algarve em Outubro de 1495.

Aquando da morte de D. João II, Isabel de Espanha terá dito: “Morreu ‘o homem’!” A frase confirma a grandeza de um rei que foi um dos primeiros homens de sempre a ter uma visão global do mundo. “Foi ele que levou Portugal a construir o império do século XVI”, remata o comandante Rodrigues Pereira, director do Museu de Marinha.

Não percam este programa sobre um Grande Português, que viveu e dignificou a nossa Vila de Alcáçovas!

Abraços, Luís Mendes

publicado por alcacovas às 23:09
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog