Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Notas Sobre o Orçamento de Estado de 2008

"Mas pior estão os contribuintes deficientes de mais baixos rendimentos: passam a pagar o dobro dos impostos, de acordo com um estudo efectuado pela consultora BDO, com base no Orçamento de Estado para 2008."

Retirado do Diário de Notícias

Uma vergonha sem limites

 

Editado por António Costa da Silva

 

publicado por alcacovas às 21:52
| comentar

ERRO DE CASTING PUBLICITÁRIO

 

Retirado do http://jumento.blogspot.com/

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 21:40
| comentar

UM FIM-DE-SEMANA COM BONS RESULTADOS

SÉNIORES:

 

S. C. ALCAÇOVENSE – TORRE COELHEIROS (0-0) – Jogo Treino

 

INFANTIS:

 

L.C.D ARRAIOLOS - S. C. ALCAÇOVENSE (0-3)

 

ESCOLAS:

 

GIESTEIRA - S. C. ALCAÇOVENSE (0-8)

 

 

Pela Direcção do SCA

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:42
| comentar | ver comentários (1)
Domingo, 14 de Outubro de 2007

Noites calmas em Alcáçovas

 

 

Fotos de B. Borges

 

Uma paz invejável pode ser vivida no campo, junto a uma albufeira perto de Alcáçovas, com a luz de Alcácer do Sal ao longe a dar cor ao pano de fundo estrelado.

Recomendo vivamente!

 

B. Borges

publicado por alcacovas às 01:30
| comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

A Fábula do Executivo

Esta é a fábula de um alto executivo que, "stressado", foi um dia ao psiquiatra. Relatou ao médico o seu caso. O psiquiatra, experiente, diagnosticou:
- O Sr. precisa de se afastar, por duas semanas, da sua actividade profissional. O conveniente é que vá para o interior, isole-se do dia-a-dia e procure fazer algumas actividades que o relaxem.

Então, o nosso executivo procurou seguir as orientações recebidas. Munido de vários livros, CDs e "laptop", mas sem o telemóvel, partiu para a quinta de um amigo. Passados os dois primeiros dias, o nosso executivo já havia lido dois livros e ouvido quase todos os CDs. Porém, continuava inquieto. Pensou, então, que alguma actividade física seria um bom antídoto para a ansiedade que ainda o dominava. Procurou o capataz da quinta e pediu-lhe trabalho para fazer. O capataz ficou pensativo e, vendo um monte de esterco que havia acabado de chegar, disse ao nosso executivo:

- O Senhor Doutor pode ir espalhando aquele esterco em toda aquela área que será preparada para o cultivo.

Pensou o capataz para consigo próprio:
"Ele deverá demorar uma semana com esta tarefa".

Puro engano! No dia seguinte já o nosso executivo tinha distribuído todo o esterco por toda a área. O capataz deu-lhe então a seguinte tarefa : abater 500 galinhas com uma faca. Tarefa que se revelou muito fácil para o executivo ansioso: em menos de 3 horas já estavam todos os galináceos prontos para serem depenados! Pediu logo nova tarefa.

O capataz disse-lhe então:
- Estamos a iniciar a colheita de laranjas. O Senhor Doutor vá, por favor, ao laranjal e leve consigo três cestos para distribuir as laranjas por tamanhos: pequenas, médias e grandes.

Passou o dia e o executivo não regressou com a tarefa cumprida. Preocupado, o capataz dirigiu-se ao laranjal. Viu o nosso executivo, com uma laranja na mão, os cestos totalmente vazios, e a falar sozinho:

- Esta é grande. Não, é média. Ou será pequena???
- Esta é pequena. Não, é grande. Ou será média???
- Esta é média. Não, é pequena. Ou será grande???

Moral da história:
Espalhar merda e cortar cabeças é fácil. O difícil é tomar decisões.

Enviada para o meu mail

BOM FIM-DE-SEMANA

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 19:20
| comentar

Curiosidades da nossa língua

Numa acção de formação em Pias alguém recolheu algumas palavras de uso corrente, na zona de Pias (e não só?), que aui transcrevo:

 

Esberregada - chorar muito

Estrafeláira - estragar rapidamente

Burcalho - croissant

Algramojo - Salada com sardinhas dentro

Panta - põe aqui ou ali

Ladera - rua com inclinação

Cabeço - terreno um pouco elevado

Caquero - prato velho com falhas

Aquátelati - tem cuidado

Aventar - deitar fora

Sigurança - alfinete

Soto da cama - quarto

Soto do lumi - cozinha

Bradara - chamar

Banquinha - mesa de cabeceira

Tem ávondo - chega, basta

Espravecida - parva

Lendoca - não tem higiene

Agasturas - indisposta

Acobrantado - mole, indisposto

Beços - lábios

Esturrera - muito calor

Brogeço - antipático

Tasquinhar - petiscar

Desnóca - travessura

Saramuga - não vê bem

Conho - que chatice

Casmurro - muito sério

Cudava - pensava

Emplóti - nú

Encher o bandulho - encher a barriga

Badagaio - desmaio

Babuzera - asneira

Esbraziáda - pessoa com muito calor

Charôco - vento frio

Almástiga - plantas muito juntas

Marmasso - nublado

Sétia - muito vento

Mulisnar - chuva miudinha

Bezuntar - lambuzar

Ensaiado - mascarado

Assumar - espreitar

Furruadas - picadas

Refelão - partir o pão com a mão

Briol - frio

Bandadenhuma - a lado nehum

Bisorga - bebida

Lenbefi - estalo na cara

Tassalho - peça de roupa

Frangalho - bocado de pão

Guelas - garganta

Grisa - fome

Talocada - pancada na cabeça

Caxera - cabeça

Trôpega - dificuldade de andar

Banzéi - barulho

Enchapóta - lenha delgada

Escalfada - cansada

Estiraçada - deitada

Lelões - casa desarrumada

Burruxiar - beber qualquer coisa

Bátiga de água - chover com força

 

Como se pode ver, algumas destas expressões estão correctas, encontram-se em qualquer dicionário. Algumas estão apenas incorrectas ortograficamente.Outras poderão estar apenas um pouco "desviadas" do seu significado.

Mas pareceu-me muito interessante transcrever aqui no nosso blog, talvez conheçam algumas desta palavras.

 

Nota - a lista acima foi transcrita tal como a recebi.

 

AC

 

 

 

publicado por alcacovas às 12:26
| comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Meio dia em Alcaçovas

Meio dia em Alcaçovas

 

Autoria: Maria Negreiros no Olhares.Com

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 09:08
| comentar
Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007

ACABAR COM A PENA DE MORTE

Yue Minjun (1962)

 

Uma grande iniciativa da União Europeia. Muito bem.

 

Editado por António Costa da Silva

 

publicado por alcacovas às 22:11
| comentar | ver comentários (1)

Alcaçovense - Brotense; Um Comentário Vivido

SCA soma 1º vitória

 

O Alcaçovense recebeu e venceu, nesta 2º Jornada, o Brotense por 2-1.

 

Com um início muito forte, assente numa boa circulação de bola, (com Zé Eduardo e Hugo Painho como protagonistas), o SCA dominou o adversário e pacientemente foi abrindo espaços na defesa adversária.

 

As acelerações de Samora começaram a dar frutos aos 10 minutos. Após excelente troca de bolas, o novo reforço ganha espaço na meia esquerda da área adversária e assina o primeiro golo com um remate forte e sem hipóteses para o guarda-redes contrário.

 

Antes já João Pedro tinha, em lance individual, havia criado muito perigo. Jorginho (jogo muito bom em termos tácticos) falhou por pouco o desvio.

 

Defensivamente, o SCA estava muito sólido, com Batalha muito atento às sempre perigosas movimentações do veterano Foito. Galvão travava já nesta altura um interessante duelo com um dos melhores jogadores do Brotense que, no apoio a Foito caía preferencialmente para o seu flanco. Nelson pelo lado direito começava a explorar o espaço criado pelos movimentos interiores de Canhão e pelo facto do modelo de jogo Brotense não lhe colocar pela frente um adversário directo. Este acerto defensivo permitia a Chico Valente libertar-se, sendo muitas vezes o 1º homem a lançar o ataque, aproveitando a sua capacidade ao nível do passe longo.

 

O SCA começou a explorar mais o flanco direito e 2º golo não demorou a aparecer. Após lançamento lateral inteligentemente executado por Nelson, Samora recebe e dispara fortíssimo e cruzado, bisando na partida.

 

Nesta altura chegou a adivinhar-se a goleada, mas um golo estranhamente anulado a Jorginho (grande cabeceamento) e outras oportunidades desperdiçadas (destaque para o chapéu de Painho salvo sobre a linha) mantiveram o adversário no jogo. Já perto do fim da 1ª parte, uma perda de bola a meio campo, permite um contra-ataque rápido a Foito que, com grande classe finaliza de fora da área, no único lance em que Batalha (entretanto a acusar problemas físicos) lhe deu algum espaço.

 

 

Na 2ª parte a história seria diferente. Eira (muito esforçado) substitui Painho (obrigado a ausentar se por motivos profissionais), ocupando o lugar de Canhão na meia direita do meio campo. Com a passar do tempo a equipa foi perdendo capacidade para circular a bola e foi obrigada a adaptar-se à agressividade do Brotense, com um futebol muito musculado e de lançamentos longos. Pedro Santos (ex-SCA) assume protagonismo nesta fase, conquistando algumas 2ºas bolas que permitiam ao Brotense pressionar a nossa defesa. Galvão é obrigado a assumir-se como central quando o número 9 (excelente jogador) se colocou lado a lado com Foito.

 

Ofensivamente o SCA já não conseguia desequilibrar. João Pedro muito desinspirado e Samora e Jorginho (muito bem marcado por Bifana) já não recebiam bolas jogáveis de um meio campo que agora estava já (e bem) de fato-macaco.

 

Um grande remate de Canhão sobre a barra e um excelente cruzamento de Mochila (substituiu João Pedro) que quase chegava a Jorginho, foram, talvez, as melhores jogadas da 2º parte.

 

A entrada de Chinês (para o lugar de Samora) colocando-se a fechar o lado esquerdo, entretanto mais vulnerável pelo deslocamento de Galvão (grande jogo em termos defensivos) para o centro e até para o outro flanco, foi cartada decisiva e equilibrou definitivamente a equipa que, apesar de recuada, nunca permitiu que o adversário criasse perigo para Pernas (muito seguro nas bolas aéreas).

 

Em suma, uma primeira muito bem jogada e 2º parte muito suada, garantiram ao SCA uma vitória inteiramente justa.

 

Destaques para Samora (3 golos em 2 jogos) e para Zé Eduardo (melhor jogador em campo).

António Padeirinha

Este é o comentário do jogo, enviado pelo nosso jogador (lesionado) António Padeirinha.

Editado por António Costa da Silva

 

Boa arbitragem, apesar das dúvidas no lance invalidado a Jorginho
publicado por alcacovas às 14:22
| comentar | ver comentários (3)
Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

S. C. ALCAÇOVENSE - BROTENSE (2-1)

 

Vitória justa.

 

Iniciámos o jogo com a seguinte equipa: Guarda-Redes: Pernas; Defesas: Nelson Caeiro: Chico Valente, Batalha e Galvão; Meio-Campo: Canhão; Zé Eduardo, e Hugo Painho Atacantes: Jorge Tavares, José Samora e João Pedro.

 

Iniciámos o jogo em grande. Um bom golo pelo Zé Samora aos 2 minutos e um espectacular, também marcado por ele.

 

A partir daqui surgiram várias oportunidades para as duas equipas, Sendo o SCA mostrando-se sempre mais forte.

 

Aos 43 minutos o Brotense conseguiu reduzir através do veterano Foito.

 

Na segunda parte saiu o Hugo Painho e entrou Mochila. Posteriormente, entraram o Luís da Eira e o Nuno Maurício.

 

A segunda parte foi bem disputada, mantendo-se o domínio do Alcaçovense. Neta fase, a nossa equipa não queria arriscar muito para não haver falhas e assim conseguir a primeira vitória.

 

O jogo acabou com o Brotense a tentar empatar a partida.

 

Notas principais:

1)      O SCA fez um bom positivo, merecendo a vitória;

2)      O Brotense mostrou-se uma equipa bastante forte, também bastante reforçada;

3)      Uma arbitragem positiva;

4)      Melhores Jogadores em Campo – Batalha pela consistência na defesa e Zé Samora pelos golos marcado (SCA).

 

Pela Direcção do SCA

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 17:32
| comentar | ver comentários (1)

ÉVORA - UMA CIDADE VOLTADA PARA SI MESMA

Durante este fim-de-semana prolongado tive a oportunidade de visitar, com a minha família e amigos, duas cidades património mundial da humanidade na nossa vizinha Espanha: Cuenca e Toledo.

 

Qualquer uma destas cidades é espectacular. Desde o património arquitectónico existente, à sua envolvente histórica, ao ambiente, às pessoas, à gastronomia e aos produtos locais, tudo tem uma qualidade exemplar.

 

Naturalmente, quando visitamos estes locais é impossível desligar da imagem que temos da nossa Évora. Posso afirmar com alguma facilidade que Évora tem todas as características e potencialidades para não ser inferior a quaisquer uma destas cidades.

 

Pena é e custa a dizê-lo que Évora (sendo uma cidade muito especial) tem vindo a perder persistentemente as suas principais qualidades. O seu “Casco Antiquo” tem vindo a degradar-se cada vez mais, quer no que respeita às habitações de particulares, quer ao nível da degenerescência evidente dos seus principais imóveis históricos. Em Évora, para além da triste degradação, vamos encontrando cada vez mais, as paredes riscadas pelos carros e as tintas dos sprays, escondendo-se o brilho da cal branca das suas casas.

 

Outra coisa assustadora tem a ver com a “moderna” construção que se vai fazendo intramuros. Exemplos disso, temos o novo condomínio que esconde o Teatro Garcia de Resende e outro junto ao antigo Magistério Primário (agora provavelmente denominado quinta da tia qualquer coisa). Em nada dignificam um cidade que é, e muito justamente, cidade Património Mundial da UNESCO.

 

Évora, ainda não há muitos anos, não era assim.

 

Pode ser conservadorismo da minha parte, mas como será possível preservar sem conservar?

 

Outro aspecto presente nestas cidades espanholas é precisamente a vitalidade do seu comércio, Por um lado, temos um comércio tradicional activo (fazendo parte integrante no desenvolvimento das suas cidades). Por outro, temos um comércio do artesanato e dos produtos locais (endógenos da região) com muita expressividade e impacto na economia local. Temos também, um novo comércio, dedicado às artes e outras formas de expressão e cultura.

 

Bons exemplos a seguir. Estas duas cidades têm as suas Portas Abertas e são mesmo aqui ao lado.

 

Um terceiro aspecto que me parece bastante importante tem a ver com a falta de propostas de percursos de visitas de Évora para com o interior do concelho e para com os concelhos limítrofes. Évora não pode estar voltada para si mesma. Em Cuenca podemos visitar a sua “serrania”, os seus “preciosos pueblos” e a “cidade encantada”, entre muitas outras alternativas. Em Toledo podemos usufruir das “rutas de D, Quixote”, entre muitas outras maravilhas.

 

Como exemplo, o Paço das Alcáçovas ou dos Henriques (onde foi assinado o Tratado das Alcáçovas antes do Tratado de Tordesilhas) não pode estar desligado de Évora. Este património, tal como muito outro do distrito e da região, não pode ser indiferente para Évora, mas tem-no sido. Em qualquer cidade espanhola esta situação seria impensável.

 

Évora, provavelmente para esconder muitas das insuficiências que o poder político lhe tem causado, tem-se tornado numa cidade introvertida, com vergonha de mostrar as suas melhores características.

 

 

António Costa da Silva

Fotos de Cuenca

5 e 6 de Outubro de 2007

000199zf

 

0001ays1

 

0001btfr

 

00018qb2

Fotos de Toledo

7 de Outubro de 2007

0001c27z

 

0001dd6t

 

0001e8zt

publicado por alcacovas às 16:55
| comentar | ver comentários (2)
Domingo, 7 de Outubro de 2007

Alcaçovense 2 - 1 Brotense

"O Brotense deslocou-se na segunda jornada ao terreno do Alcaçovense e perdeu por 2-1.


Neste jogo não conseguimos estar presentes, de forma a conseguir fazer o comentário do jogo, como de resto se irá verificar algumas vezes, esta época.


Do jogo apenas sabemos que o golo foi marcado por Foito.


O resultado dos restantes jogos foi:
Giesteira 3-0 Aguiar
Morense 1-0 Canaviais
Valenças 0-2 Arraiolense
Cabrela 2-1 Cortiço

A classificação na segunda jornada do Campeonato está assim distribuída :

1º Arraiolense

2º Morense 6

3º Cabrela 6

4º Giesteira 4

5º Alcaçovense 3

6º Santana 1

7º Canaviais 1

8º Cortiço 1

9º Brotense 0

10º Valenças 0

11º Aguiar 0"

 

Retirado do Blog http://www.brotense.blogspot.com/

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 22:21
| comentar | ver comentários (3)
Sábado, 6 de Outubro de 2007

...

  

 

 

Fotos de B. Borges

  

B. Borges

publicado por alcacovas às 20:38
| comentar
Sexta-feira, 5 de Outubro de 2007

Arcos

  

 

 

  

   

Fotos de B. Borges

   

B. Borges

publicado por alcacovas às 15:37
| comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 4 de Outubro de 2007

2ª Jornada - 1* Divisão Série A - Distrito de Évora

 

1ª DIVISÃO SÈRIE A

Dia 05/10 – 15 horas

Luso Morense – Canaviais

Dia 06/10 – 15 horas

Giesteira – Aguiar
Cabrela – Fazendas do Cortiço
Alcaçovense – Brotense
Valenças – Arraiolense.

 

Pela Direcção do SCA

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 20:18
| comentar | ver comentários (3)

NOITE PIANO - BAR

00017dbd

 

Pela Direcção

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 19:04
| comentar

Será verdade?

Uma citação de Henry Kissinger para pensar.

Será verdade?

Será só aplicável aos EUA?

 

" Noventa por cento dos políticos dão má reputação aos outros dez por cento."

AC

publicado por alcacovas às 17:15
| comentar

Pontualidade portuguesa

ONDE? QUANDO?

 

Onde se passa e quando se passa a história que se segue?

As aulas em determinada escola (como em muitas outras) começam às 08.30 H (ou seja a que for).

Claro e preciso, 08.30 e não 08.45 ou 08.15.

Os alunos e os professores devem chegar a horas, mas como por vezes há percalços, imprevistos, é dada uma tolerância de 10 ou15 minutos.

Como é óbvio para a maioria dos portugueses a tolerância é uma regalia, um direito, e só os ingénuos é que usam esse dito direito em casos excepcionais. Assim os professores (nem todos, acredito) e os alunos começam a chegar normalmente às 08.45 H , mais minuto, menos minuto.

Cientes deste mau aproveitamento, ou entendimento, os responsáveis (ministros, secretários, directores, assessores, etc.) devem ter estudado o assunto e depararam-se com dois grandes problemas:

1 - Acabar com a tolerância.

Mas, se o fizessem, sabiam que os sindicatos iriam reagir duramente, convocar greves, exigir reuniões. Um caso sério.

2 - Regulamentar o uso da tolerância.

Mas, para o fazerem, tinham que legislar, criar formas de controlo, criar impressos, meter os médicos de família, os condutores dos autocarros ou do metro, os meteorologistas, etc., etc. a confirmar, certificar as diversas razões de atraso apresentadas.

Os professores, alunos, funcionários teriam que comprovar e atestar as razões dos seus atrasos.

O que na realidade fazem, mas só quando o atraso ultrapassa a tal tolerância.

Um caso muito sério.

E assim decidiram nada fazer.

Agora vejamos um caso concreto:

Um pai ingénuo ou distraído, que tem levar ocasionalmente o filho à escola faz as contas. Levantar às 07.30. meia hora para se arranjarem e tomar o pequeno-almoço e meia hora para chegar à escola aí com uns 5 a 10 minutos de avanço, para evitar percalços.

Tudo bem calculado, acorda o filho e logo este lhe diz: “é muito cedo, a mãe só me acorda às 08.00 ou 08.15 e ainda chegamos antes dos outros.”

Mas o pai insiste e chegam à escola às 08.20 H e, espantado, olha e vê tudo calmo, nem carros, nem pessoas, nada.

Será feriado?  

O filho olha-o com um sorriso, quase trocista.

Esperam, os carros começam a chegar, alunos e professores vão entrando e o pai fica a ver e vai olhando para o relógio. Pelas 08.45 H o movimento é grande e alguns dos chegados até aceleram o passo.

Mas ainda estão a chegar alguns mais atrasados. Ou, melhor, apenas atrasados, porque os que entraram até às 08.45 (mais minuto, menos minuto) estavam dentro do “horário”.

O pai, desta história, mete-se no carro e segue para o seu trabalho e vai pensando, tenho que falar com o patrão e pedir-lhe uma tolerância matinal.

Afinal o que são 15 minutos a menos para centenas de milhares de alunos e professores durante uns 200 dias por ano?

Nada! E de nada em nada ficamos cada vez mais satisfeitos.

 

AC

   

publicado por alcacovas às 15:50
| comentar | ver comentários (2)

Patrimónios

Após muito tempo inactivo inicio agora um novo período de colaboração com o blog que pretendo mais activo pelo que será transformado numa série de textos versando sobre o tema dos vários patrimónios.

 

Património I

 

O que se entende por património? 

Ao longo do tempo o conceito de património foi evoluindo no sentido da abrangência e sob esse conceito é considerado o reconhecimento de elementos construídos pelo homem,  pelas suas mais diversas manifestações culturais e também pelos elementos naturais, (paisagens e ecossistemas com os diversos biótopos  que neles existentes).

Todos nós temos conhecimento ou ouvimos falar sobre  a existência da Rede Natura, de Parques e Reservas Naturais e ainda de Paisagens Protegidas. Conhecemos monumentos que pela sua grandiosidade ou significado histórico  dizemos que são património de um pais, mas por vezes não temos em conta que o actual conceito de património pelo que foi atrás descrito, será também  toda a memória das nossas gentes, os usos e costumes de um determinado local, o seu artesanato ou as suas tradições. Isto tudo são elementos do Património que deixou de ser puramente material, palpável e visível, mas que evoluiu também para um conceito de património imaterial.

 

Organismos e organizações internacionais dão o seu contributo para uma maior e mais coordenada defesa de todos estes patrimónios como a UNESCO.

 

Os nossos eleitos na Assembleia da Republica tiveram a preocupação de acompanhar a evolução dos diversos conceitos de património e com a publicação em Diário da Republica 1ª série -A, de 8 de Setembro com a Lei n.º 107/2001 surgem as bases da Política e do regime de protecção e valorização do património cultural que a seguir é transcrito no seu artigo 2º.

O texto integral está em  http :/ digesto.dre.pt Digesto2 Pages ViewText.aspx

 

ARTIGO 2º

 

Conceito e âmbito do património cultural

 

1 - Para os efeitos da presente lei integram o património cultural todos os bens

que, sendo testemunhos com valor de civilização ou de cultura portadores de

interesse cultural relevante, devam ser objecto de especial protecção e

valorização.

2 - A língua portuguesa, enquanto fundamento da soberania nacional, é um

elemento essencial do património cultural português.

3 - O interesse cultural relevante, designadamente histórico, paleontológico,

arqueológico, arquitectónico, linguístico, documental, artístico, etnográfico,

científico, social, industrial ou técnico, dos bens que integram o património

cultural reflectirá valores de memória, antiguidade, autenticidade, originalidade,

raridade, singularidade ou exemplaridade.

4 - Integram, igualmente, o património cultural aqueles bens imateriais que

constituam parcelas estruturantes da identidade e da memória colectiva

portuguesas.

5 - Constituem, ainda, património cultural quaisquer outros bens que como tal

sejam considerados por força de convenções internacionais que vinculem o

Estado Português, pelo menos para os efeitos nelas previstos.

6 - Integram o património cultural não só o conjunto de bens materiais e

imateriais de interesse cultural relevante, mas também, quando for caso disso,

os respectivos contextos que, pelo seu valor de testemunho, possuam com

aqueles uma relação interpretativa e informativa.

7 - O ensino, a valorização e a defesa da língua portuguesa e das suas

variedades regionais no território nacional, bem como a sua difusão

internacional, constituem objecto de legislação e políticas próprias.

8 - A cultura tradicional popular ocupa uma posição de relevo na política do

Estado e das Regiões Autónomas sobre a protecção e valorização do

património cultural e constitui objecto de legislação própria.

Francisco Cebola
publicado por alcacovas às 13:00
| comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

HÁ QUEM CONSIGA VER PARA ALÉM DO KETCHUP

 

Roubado ao http://jumento.blogspot.com/

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:21
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog