Terça-feira, 24 de Outubro de 2006

DO BLOG A ALDRABA - O MUSEU DO CHOCALHO EM ALCÁÇOVAS

O Museu do Chocalho em Alcáçovas No concelho de Viana do Alentejo, na lindíssima vila de Alcáçovas, um artesão chocalheiro, apaixonado pelo seu ofício, foi fazendo da oficina um museu.

“Chamo-me João Chibeles Penetra, tenho 75 anos, e nasci em Alcáçovas em…”, assim começa o mestre a sua apresentação e a do museu que criou na própria oficina, para que fique testemunho de uma “arte” que um dia poderá ser devorada pela globalização. “As pessoas vinham visitar a minha colecção de chocalhos e eu, inda bem não, ouvia dizer: há um segredo para fazer um chocalho. E eu um dia deitei-me e veio-me à ideia de mostrar, da primeira fase até à última, como se faz o chocalho, para as pessoas verem que não há segredo nenhum. É preciso aprender-se como se aprende outro ofício qualquer(...)”

 

Pela devida ordem, que por ali não se usa nem nunca se usou a produção em série, automática e anónima, cada chocalho, grande - manga, sem serra, castelhano - ou pequeno – chocalho, campanilha, picadeiro, chocalhinho – tem um percurso próprio, um som exclusivo, como que uma identidade única.

 

Riscar e talhar a folha de ferro – “Eu explico. A gente não vai fazer dois chocalhos, ou cinco chocalhos ou seis chocalhos e dizer assim vou fazer estes chocalhos e saem com aquele som, não senhor, não somos capazes, nem ninguém sabe. A gente calcula a folha que vai aplicar a determinado tamanho de chocalho e põe-lhe o metal, mais ou menos, nuns e noutros; isto não tem peso nem medida, e um calculo da gente, da grande experiência que tem, pode num pôr um bocadinho mais noutro um bocadinho menos, quando está a talhar com a tesoura, não é com aquela medida exacta, e a olho, e portanto, pode cortar mais, pode cortar menos, e quando está a fabricá-lo, a molda-lo, pode-se fechar ou abrir mais a boca, conforme o talhe que se tire e aí oscila logo o som. Para tirar um dúzia de chocalhos com o mesmo som tenho que fazer cem para tirar esses doze com o som mais ou menos igual (…).”

Enrolar, pôr o céu e a asa - "Depois começa-se a moldar - chama-lhe a gente enrolar o chocalho - com o martelo, na bigorna; faz esta composição, dobrou, chama-lhe a gente meter os cantos, que é para fazer a orelha do chocalho onde segura a asa para pendurar, p'ra meter a coleira e segurar ao pescoço do animal. A seguir abre-se um buraco que é para meter o céu, onde se pendura o badalo para fazer tocar o chocalho - a gente corta umas tiras da própria chapa ao tamanho do chocalho que está a fazer. À ponta faz-lhe as pestanas. (…)O nome céu já vem de muito atrás. Uma das vezes vou a uma feira, à feira de Garvão, e há um moiral que olha p'ra mim e diz-me assim: Ó amigo, você sabe qual é o mestre que trabalha mais alto que todos? E pá, eu nunca tinha ouvido isso e disse: não sei, não senhor. Então você não sabe ? Pois claro que não. É o chocalheiro, porque trabalha por cima do céu (do céu do chocalho), quando está a pôr a asa. Portanto o céu está aqui e agora põe-se a asa aqui por cima. (…)” Por as marcas – "A seguir é que se põem as marcas de fabricante ou de casas agrícolas. Esta marca que está aqui é minha, esta outra era do meu pai (…)”

 

 

E ainda: Embarrar. Soldar ou cobrear. Rebolar. Dar água. Temperar ou afinar. Por o badalo – embadalar.

Para terminar, um fecho, fecho de coleira, esta feita à medida aproximada do cachaço ou cabeçorra do animal. “Depois veio a cágueda que é de madeira, que é aí que eu digo que há cáguedas muito bem feitas, cáguedas arrendadas a bico de navalha, feitas pêlos moirais, que nesse tempo quando andavam nos burros e nas éguas tinham tempo para fazer isso tudo e agora é um bocado de pau e pronto! Faziam-nos com raízes de azinheira, que é uma madeira branda antes de ver o Sol, mas depois de trabalhada e de seca é ferro. Foi o próprio vaqueiro que me explicou isto tudo (…)”

 

 

O que aqui se transcreve, é em parte feito a partir do estudo e recolha etnográfica de José Monarca Pinheiro. Mas as palavras, puras e autênticas, repetidas sem enfado nem monotonia ao longo de anos de labor ou na orgulhosa mostra dos variadíssimos exemplares de chocalhos e mangas, são as mesmas que ouvimos do Sr. João Chibeles Penetra, “o Mestre que trabalha por cima do céu”. MPA

Ver  em: http://aaldraba.blogspot.com/2005_03_01_aaldraba_archive.html

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 17:20
| comentar
4 comentários:
De alcaçovense a 24 de Outubro de 2006 às 19:05
meu caro não sei se o problema é do meu computador mas eu não consigo visualizar as imagens.
um abraço
De alcacovas a 24 de Outubro de 2006 às 19:48
No meu computador vejo as imagens com facilidade.
Um Abraço
António Costa da Silva
De speedy a 27 de Outubro de 2006 às 19:35
Eu também não consigo visualizar as imagens deste post. Parabéns pelo blog. Eu não sou da terra, mas interesso-me pela sua história!
De Margarida Alves a 9 de Abril de 2012 às 23:43
Se me permitem, reivindico a autoria deste texto. Escrito e publicado na "Alma Alentejana" depois de o ter sido parcialmente no blogue da "ALDRABA - Associação do Espaço e Património Popular". Este blogue, que desapareceu por motivos desconhecidos, deu a lugar a um outro: aldrabaassociacao.blogspot.com.
Visitem-nos!


Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog