Segunda-feira, 29 de Abril de 2013

O SOL RUMOU ÀS ALCÁÇOVAS, MAS A AFICIÓN….

 

Não é a falta de uma praça de Touros que impede a realização de um espectáculo taurino, quando a vontade existe! A Associação Tauromáquica Alcaçovense deu mostras disso mesmo, promovendo um festival taurino numa desmontável e fomentando a beneficência em prol da Associação Terra Mãe, cujo âmbito passa entre outras metas pelo acolhimento de crianças e jovens.

Numa tarde soalheira de Abril assistimos a um espectáculo morno, para o qual muitos contribuíram voluntariosos.

Tomou a primazia Rui Salvador, o Cavaleiro natural de Lisboa rendido aos encantos de Tomar. Empenhado como o conhecemos, empregou toda a maestria numa lide em que recebeu um toiro mulato, bem hasteado mas a cair (o que de resto, foi transversal a praticamente todo o curro destinado a este festival!). Este exemplar da ganadaria Santiago, esteve inicialmente distraído e desde logo pouco interessado na montada, o que sujeitou o Cavaleiro a dedicados momentos de brega. Nos compridos, esteve bem a instigar à investida e a concretizar com o novilho a responder. Na série de curtos, o Cavaleiro da Quinta do Falcão mostrou que a sua natureza é tourear de frente e a pisar os terrenos deste novilho listão, cravou ferros dignos e de seriedade com especial destaque para o terceiro em que o cavalo entra num bonito quarteio, bem desenhado ao ritmo de quem dança, mesmo após ter sofrido um pequeno desiquilíbrio.

Seguiu-se Tito Semedo, um Cavaleiro pouco presente nas nossas praças, mas prestes a alcançar os 20 anos de alternativa, que deverá comemorar em Agosto do corrente.  Saiu-lhe em sorte um novilho de Jorge Mendes que haveria de ser recolhido. Acabaria por lidar em quinto lugar um exemplar ensabanado com mobilidade e com sentido, que começou por investir em tábuas, causando alguns arrepios. O Cavaleiro conimbricense, iniciou bem nos ferros compridos embora a cravar de largo, sem quarteios pronunciados. Na ferragem curta esteve mais arrojado, com sortes de aguentar e a cravar de alto a baixo. O novilho reservou-se, e ainda assim Tito viria a completar a sua lide cravando seis ferros curtos; dois sem brilho, um cravado por dentro e um último ao estribo com o novilho trazido a muito custo.  
Francisco Núncio, o neto do Mestre João Branco Núncio e fiel continuador de uma dinastia, estava em casa. Com o estilo e a postura que o caracterizam lidou o segundo novilho da tarde, um novilho que primou pela pelagem lustrosa apenas, fraco de apresentação e bisco, este Passanha não correspondeu. Francisco entrou com raça e tentou agarrar o público. Dos três compridos, salienta-se o terceiro, em que equilibrou todos os momentos da sorte e cedendo a vantagem da investida cravou com acerto. Recebe música ao segundo curto, e traz finalmente alguma alegria a esta tarde de toiros pouco exuberante. Numa briga constante para sacar um novilho a descair para tábuas, o Cavaleiro cravou ferros de boa nota rematados com entusiasmo.

Às portas de celebrar 25 anos de toureio e tendo atingido a bitola do 1000º Toiro lidado, a única Cavaleira desta vespertina Ana Batista, esteve confiante e a lide resultou positiva. Teve por diante  um novilho da ganadaria do Engº Jorge Carvalho, um negro mulato, corniabierto. A Cavaleira de Salvaterra pautou pela ponderação com que construiu as sortes, baseando a ferragem comprida na cravagem com decisão. Sem trocar de montada, Ana seguiu para os curtos em que bregou com dificuldade para fixar um novilho andarilho, citou de largo e em quarteios bem definidos cravou com boa nota, nomeadamente o segundo ferro. Curiosamente, recebe música ao terceiro ferro que terá sido o menos bem conseguido desta lide.

Esta tarde de toiros não haveria de se realizar sem um cheirinho de toureio apeado. Mário Alcalde  o jovem madrileno de 20 anos, veio até à carismática vila das Alcáçovas para mostrar o que aprendera na Escuela de Tauromaquia de Madrid e que tem vindo a pôr em prática desde 2006, ano em que iniciou as suas actuações em público. O jovem novilheiro teve por diante um novilho de Falé Filipe, um carbonero bem apresentado e a dar prenuncios de boa lide. Deu inicio à lide por curtos lances de capote; inicialmente à Verónica e depois meia Verónica.

O tércio de bandarilhas, foi executado pelo Cláudio Miguel a dois turnos e pelo Juca, embora a não surtir o efeito desejado com o toiro a esperar demasiado.

Chegada a hora da faena de muleta, Alcalde não desiludiu. Com o novilho a entrar bem na muleta e a humilhar a gosto, assistiu-se a bonitas séries iniciadas com derechazos, que foram naturalmente intervalados com bonitos naturales rematados com pases de petcho. O público reconheceu, a música suou, e Alcalde conseguiu desfrutar das boas condições de lide deste novilho, que lhe permitiu ainda terminar a faena com circulares e a ilusão da sorte de matar com a mão.

  

O pior da tarde estava destinado a Brito Paes. O Cavaleiro de bem montar, de subtileza e de compromisso a que nos vimos habituando, teve uma lide penosa perante um novilho mulato, fraco de trapio, manso e que pouco se empregou. Determinado, toureou cravando os compridos sem reprimendas. Sensível a todos os elementos da Festa, o Cavaleiro inicia a sequência de curtos brindando à banda. A brega exigente, e o cite fatigante permitiram a muito custo cravar com regularidade. Com o novilho a abandonar a luta, o Cavaleiro executa ainda uma sorte de violino, em terrenos do oponente e termina com um ferro de palmo para ânimo do publico.

A fechar as sortes a cavalo e o espectáculo, esteve o Cavaleiro praticante Manuel Vacas de Carvalho, com entrega e vontade de bem fazer. Sob o preceito do Mestre Luís Miguel da Veiga, o promissor Cavaleiro esteve ante um novilho Pégoras, mais um mulato e mais um a cair. Manuel esteve precipitado na ferragem comprida, a deixar ficar sem fixar a montada para iniciar as sortes. Mais ponderado, troca de montada e entra nos curtos mais assertivo para cravar seis ferros dos quais se destacam o terceiro e quarto, que terão merecido a música que deu brilho a esta lide sem grande emoção.

 

No que toca aos moços de Forcado, tiveram uma tarde branda.

Os de Lisboa abriram praça, e Manuel Guerreiro não poupou forças. Alegrando no momento que antecede a reunião, recebeu fechando-se à barbela, e à primeira tentativa executou com o grupo a concluir.

Também Eurico, citou e trazendo o novilho à voz concretizou sem dificuldade uma pega à barbela, com o  grupo a fechar-se bem.  

À cara do novilho Prudêncio foi João Mendes Pereira. O Forcado convencido a ficar citou, templou, carregou e  aguentou viajando sozinho até que os sete companheiros voltassem à formação para concluir.

No que respeita aos de ÉvoraJoão Direitinho pegou primeiro um novilho que quase não lhe deu tempo de citar, arrancou-se e procurou a investida com o Forcado a fechar-se bem de pernas e braços e a pará-lo à primeira.  

Francisco Oliveira, cita na ginga de cintura mantendo o novilho ligado e avisa, com resposta para reunir, pega à córnea protagonizando à segunda tentativa um dos momentos mais quente da tarde.

A fechar praça esteve Afonso Mata,  citou bem e mandou vir, o novilho raspou mas cedeu perante um Forcado que soube ler a investida e recebeu numa reunião à barbela.

Ana Paula Delgadinho

 

Visto em http://www.solesombra.net/

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:50
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog