Sábado, 28 de Abril de 2012

Dois jesuítas oliventinos do século XVII - os irmãos Couto na Revolta do "Manuelinho" de Évora (1637)

 por Carlos Luna

 

 

Entre os vultos de destaque do nosso Alentejo, alguns há que são tão raramente lembrados que dir-se-ia que algum tipo de maldição os persegue. Estão neste caso dois irmãos, de apelido Couto, de nomes Estêvão (1554-1638) e Sebastião (1567?-1639), ambos originários de Olivença, onde viveram na Rua da Pedra... hoje denominada, com pouco respeito pela História, "Calle Cervantes".

 

Estêvão do Couto formou-se na Universidade de Évora em 24 de Junho de 1539, doutorando-se em Teologia, na mesma Instituição, em 1596. Foi, aliás, Cancelário e Lente na mesma Universidade. Autor de vários textos e trabalhos, manuscritos, sobre Física e Metafísica, assim como de uma obra intitulada "Retórica", é mencionado na "Biblioteca Lusitana" de Barbosa Machado. É em geral considerado um dos grandes cérebros jesuítas do Século XVII, sendo muitas vezes citado elogiosamente.

 

Sebastião do Couto, tal como o irmão, entrou na Companhia de Jesus. Tinha então apenas 15 anos. Formou-se na Universidade de Évora em 23 de Janeiro de 1605. Foi Lente da Prima de Teologia em Évora e em Coimbra. Muito afamado, há notícias de ter pregado no Auto de Fé de 19 de Junho de 1619, em Évora... algo que hoje não se considerará muito elogioso, antes pelo contrário.

 

Parece que os dois irmãos se mantiveram sempre muito próximos, intelectual e fisicamente, excepto por pequenos períodos. Por isso, não causa espanto encontrá-los juntos em 1637, por ocasião da Revolta do "Manuelinho" em èvora. Ambos tiveram nela papel de destaque, em especial Sebastião.

 

Como é sabido, a Revolta do "Manuelinho" foi um protesto generalizado com algumas manifestações de violência à mistura (queima de Arquivos, por exemplo). Constituíu a primeira ameaça séria de revolta contra o Governo Filipino. Opressão fiscal, miséria social, falta de um governo próprio com efectiva capacidade de decisão, e outros, foram os motivos variados que levaram a tal levantamento, particularmente dinâmico no Alentejo e no Algarve, que abrangeu com poucas excepções (Elvas, Moura, e pouco mais), assolando ainda partes do Ribatejo e da Beira Baixa, e uma ou outra localidade fora dessas áreas (Guarda, Bragança). Só na Região de Évora, em sentido lato, ergueram-se Évora (centro do movimento), Montemor-o-Novo, Alandroal, Vila Viçosa, Borba, Canha, Vimieiro, Sousel, Avis, Olivença, Mourão, Viana do Alentejo, Alcáçovas, Vila Nova da Baronia, Alcácer do Sal, e outras localidades ainda.

 

As classes possidentes portuguesas, dado o carácter eminentemente popular da Revolta, hesitaram no procedimento a ter. Acabaram por ajudar a reprimir o levantamento, muitas vezes procurando ser elas próprias a fazê-lo com um mínimo de interferência de Madrid.

 

Curiosamente, os Jesuítas apoiaram maioritariamente os rebeldes, apesar do reconhecido pendor ultracatólico do Rei de Espanha. Foram mesmo acusados de estarem entre os principais instigadores.

 

Seria interessante tentar compreender todas estas tomadas de posição, mas tal foge ao âmbito do presente trabalho. Para este interessa, isso sim, que os dois irmãos Couto estiveram envolvidos na rebelião. Pela palavra e pela escrita, ambos, principalmente Sebastião, incitaram ao levantamento, percorrendo várias localidades.

 

O próprio Duque de Bragança (futuro rei D. João IV) assinalou a presença do mais novo e activo dos irmãos, relatando estar "escondido na Igreja de Jesus". Nada há a estranhar na posição do duque, que se colocou contra os revoltosos, mesmo porque algumas das zonas rebeladas eram domínios seus.

 

A repressão obrigou Estêvão e Sebastião do Couto a esconderem-se, julga-se que principalmente em Conventos, vários porque não podiam estar muito tempo no mesmo sítio. Estêvão faleceu logo em 1638, sem nunca ter sido apanhado.

 

O Conde - Duque de Olivares, espécie de Primeiro Ministro espanhol, imaginou entretanto uma artimanha. Convocou a Madrid algumas individualidades portuguesas, para que lhe explicassem em detalhe o que ocorrera durante a Revolta. A artimanha estava em querer proceder à prisão dos suspeitos de instigação em Espanha, já que entre os Portugueses convocados estavam conhecidos opositores a Madrid, com especial realce para... Sebastião do Couto!

 

Parece que este saíu de Portugal com aparente normalidade, mas não chegou ao seu destino. Porque tinha uma idéia do que o esperava, desapereceu. As buscas em Portugal não resultaram. Faleceu em 21 de Novembro de 1639, ao que parece de morte natural. Estava sob disfarce num Convento... mas em Espanha, onde Olivares nunca sonharia procurá-lo... e muito menos encontrá-lo!

 

Aqui, surge uma grande confusão, pois em Borba diz-se que Sebastião Couto morreu na vila alentejana. Eis algo que merece ser averiguado!!!

 

Afinal, nenhum dos dois irmãos vivia já no Primeiro de Dezembro de 1640, o que foi de facto lamentável, pois teriam decerto sentido uma imensa alegria. A História tem destas ironias. E foi o próprio Duque de Bragança que, com outros elementos das elites portuguesas, se pôs à frente duma nova e maior revolta, desta vez vitoriosa. A História ainda hoje se interroga se terão compreendido os sentimentos populares, se terão agido por interesse próprio, ou se terão tentado antecipar-se a uma nova revolta plebeia tomando a direcção do movimento em vez de serem ultrapassados. Talvez tudo um pouco. Mas esta discussão não cabe aqui.

 

Visto no http://aviagemdosargonautas.blogs.sapo.pt

 

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 18:07
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog