Sábado, 11 de Fevereiro de 2012

O jardim "estórias" dos mais velhos

Fortunato José Milhano

 

A: Então o que era aqui antes de ser jardim?

Milhano: Era onde as pessoas vinham buscar a erva para os burros, para os burros, para as bestas, para as vacas…

A: O terreno pertencia a quem?

Milhano: À junta. Mas não estava aqui nada.

A: Não havia aqui casas nem nada?

Milhano: Nada, só havia o coreto.

A: Já havia o coreto!?

Milhano: Sim, o coreto já é antigo.

A: E já havia também a taberna do…

Milhano: Não, não havia aqui taberna nenhuma.

A: Não havia ali a taberna do “maravilhas”?

 Milhano: Havia!

A: Já havia, não era maravilhas?

Milhano: E a do… chamavam-lhe… como é que era o nome dele? O Fagulha. Onde está agora o Lopes.

A: Sim, era uma taberna também?

Milhano: Também, era uma “tascazinha”.

A: Então pronto, aqui era erva para os burros e como é que fizeram depois o jardim?

 Milhano: Depois o jardim foi feito com as ajudas uns dos outros. Era a sábados, domingos e feriados é que a gente fazia isto.

A: Mas a junta pagava?

 Milhano: Não.

A: Foram vocês a trabalhar grátis?

Milhano: Sim, grátis. Para fazermos o jardim.

A: Quantas pessoas eram mais ou menos? Lembra-se de alguns nomes?

Milhano: Lembro, o Júlio Isidro, António Maria, o Ciganito…

A: Ciganito? Quem era o ciganito?

Milhano: Morreu. Morava lá ao pé da igreja.

A: Qual é o nome dele de família?

Milhano: Ele era António, a gente era “ciganito”, “ciganito”…

A: Sempre o ciganito. E mais? Havia mais alguém?

Milhano: E era um “carta branca”, ele era Custódio. E então juntávamo-nos ao sábado e ao domingo, cavávamos, tirávamos pedras… e levámos isso tudo, limpámos isso tudo.

A: Não havia árvores aqui?

Milhano: Não, não havia nada. Só havia além aquelas 4 laranjeiras.

A: Ai já estavam ali?

 Milhano: Já, aquelas antigas.

A: Então e quando é que começaram a fazer canteiros e a plantar coisas?

 Milhano: Foi logo a seguir à limpeza da terra.

A: E quem é que fez, digamos o desenho do jardim?

 Milhano: Foi um senhor que já morreu. Era o Angelino.

A: Ele é que fez o desenho do jardim?

Milhano: Sim, ele é que dava, como é que se diz?

A: O traço?

 Milhano: o “orçamento”

A: E o Angelino de que família era?

 Milhano: Mora ali ao pé do seu filho.

A: Ao pé da minha filha?

CATARINA (Filha do Milhano): Foi um senhor que se matou que era filho do tio André. Era Caldeirinha.

A: Então o jardim ficou logo como está hoje?

 Milhano: Sim, ficou como está agora.

A: Então já era mais ou menos assim?

 Milhano: Pois. Fomos a Alcácer do Sal buscar as mudas, o presidente dava-se muito bem com este presidente e fomos lá buscar plantas aos viveiros

A: Não pagaram nada…

Milhano: Não.

A: Foi só transporte?

 Milhano: Só. E então formou-se o jardim e está formado.

A: Levou quanto tempo? Levou meses, semanas? Mais ou menos.

 Milhano: Pois, levou semanas. Aquilo era só nas horas vagas.

A: Pois, era um bocadinho de cada vez.

 Milhano: Isto foi feito só com as ajudas, eram garotos, era tudo o que aparecia…

A: Para dar uma ajudinha.

Milhano: Sim, para fazermos o jardim.

A: E estas árvores grandes?

Milhano: Isto já foi plantado depois.

A: Já foi depois, não é?

 Milhano: Todas.

A: Tem piada. E depois é que fizeram aqui a escola. Já estava aqui a escola?

Milhano: Já, já.

A: Pois. Era a única escola cá da terra, não é?

 Milhano: Pois, depois é que passou para ali.

A: Isso foi mais ou menos por que anos? Mais ou menos à quantos anos?

 Milhano: Há ai uns 30 anos.

A: 30 anos? Ou mais! Portanto, o coreto fez o ano passado 80 anos.

Milhano: Já foram à 40 ou 30 anos que o jardim foi formado.

A: Mais 40 que 30, se calhar.

 Milhano: Então eu estive aqui 33, já abalei daqui há 10 anos. Pois, deve ser isso sim senhor.

A: Os 40 anos?

 Milhano: 40 anos. Isto não havia aqui nada.

A: Agora temos aqui um jardim muito agradável. Sim senhor, muito obrigado.

 

 AC

publicado por alcacovas às 18:45
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog