Sábado, 26 de Março de 2011

Uma Semana Turbulenta

No espaço curto de oito dias ocorreram uma série de factos com fortes implicações no nosso futuro imediato. Uma coisa é certa, a velocidade dos novos tempos é alucinante e ninguém a consegue controlar.

 

Em apenas uma semana tivemos os seguintes desenvolvimentos políticos: 1) Discurso arrasador do Presidente da República para com a governação; 2) Apresentação antecipada do PEC 4 por parte do Governo, sem quaisquer negociações com os partidos da oposição e parceiros sociais; 3) Recusa do principal partido da oposição em aceitar as medidas injustas apresentadas pelo Governo; 4) Manifestação espontânea com cerca de 300.000 pessoas contra a incapacidade política de se resolverem os principais problemas do País; 5) Ameaça de demissão do Primeiro-Ministro português, caso se vote contra as medidas austeras do PEC 4 no Parlamento.

 

Perante estes 5 factos políticos dá para perceber com facilidade que estamos perante uma conjuntura política muito complexa. Mas existe um mínimo denominador comum para todos estes acontecimentos: A incapacidade política do governo português em resolver os graves problemas que criou aos portugueses.

 

É verdade que a conjuntura internacional em nada tem ajudado a resolver os principais problemas nacionais, mas também é verdade que, depois de inúmeras medidas de austeridade implementadas e que afectam grande parte dos portugueses, não se sentem quaisquer efeitos positivos na economia e sociedade portuguesa. Antes pelo contrário, apesar do optimismo irrealista do Governo, sabemos que a situação económica e social vai agravar-se ainda muito mais. É reconhecido pelo Banco de Portugal que o nosso País vai ter uma recessão de -2%, enquanto que o Governo diz que vamos crescer cerca de 0,2%. Existem perspectivas que o desemprego vai atingir os 800.000 desempregados, enquanto que o Governo diz que a situação está plenamente controlada. Na prática, o Governo continua teimosamente com uma perspectiva contrária àqueles lhes tentam ajudar a encontrar soluções para o País.

 

Os avisos à navegação têm sido muitos. No entanto, o Governo não abre mão de uma visão que não parece ser a mais adequada para resolver os problemas do País.

 

A mensagem do Presidente da República foi dura, mas realista. O Governo e o partido que o sustenta, como é hábito, fizeram “ouvidos de mercador” e correram a protestar contra a opinião do mais alto magistrado da nação. Nem um pouco de humildade se ouviu sobre o assunto.

 

A antecipação das novas medidas de austeridade que irão sustentar o PEC 4, foi o descalabro completo. Sem respeito pelos intervenientes directos no processo: Presidente da República, Parlamento Português e Parceiros Sociais, o Governo decidiu sozinho o que considera melhor para Portugal. Na realidade, este anúncio provocatório só poderia ter um objectivo central: Promover uma crise política em Portugal.

 

Como é hábito, o Governo vai sustentar esta posição numa linha de ameaça e de vitimização. Aliás, já o está a fazer. Quando ameaça demitir-se caso seja votado contra, no Parlamento, as propostas para o futuro PEC 4 (grande parte delas desconhecidas), está a assumir claramente essa posição. Também sabemos que vai vitimizar-se, dizendo que são os únicos que “remam contra a maré”. Sabemos irão fazer assim.

 

Na prática, suscitam-me algumas questões sobre estas matérias:

1)      Tendo em conta a “importância” das medidas apresentadas, faz algum sentido o Governo não ter dado a conhecer e auscultado os principais responsáveis políticos e parceiros sociais do País?

2)      Se são da competência e responsabilidade do Governo porque é que estas medidas têm que ser revertidas no PEC 4?

3)      Afinal são intenções ou compromissos? Onde ficamos?

4)      Medidas que implicam o congelamento das reformas mais baixas dos pensionistas portugueses fazem algum sentido?

5)      Onde está a justiça e politica social tão apregoada e propagandeada por este Governo?

 

Por estas razões e muitas outras, não me parece razoável continuar a passar “cheques em branco” ao Governo português. Falta de oportunidades para aplicar medidas correctivas não têm faltado. Basta lembrar da viabilização do PEC 3 e do Orçamento de Estado para 2011.

 

Este clima de desconfiança e descrença no futuro existente, sobretudo nas camadas mais jovens, são reflexo das políticas económicas e sociais vigentes. Temos vivido um contexto de aplicação, por parte de muitos dos nossos políticos, de políticas económicas e financeiras altamente conservadoras, que jamais poderão ajudar a inverter a situação com que nos confrontamos. O modelo está errado e tem que ser alterado.

 

Sobre essa matéria falaremos brevemente.

 

António Costa da Silva

 

Publicado no do dia 24/03/2011

 

publicado por alcacovas às 13:45
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog