Domingo, 16 de Janeiro de 2011

Estado triste a que nós chegámos.

Nos últimos dois meses do ano passado não me foi possível dar a habitual colaboração ao Registo. Na prática, tive um período muito intenso de trabalho que não me deu quaisquer hipóteses de apresentar as minhas habituais crónicas. Espero agora, voltar com regularidade a apresentar as minhas reflexões.

 

Gostaria muito de começar o ano com uma perspectiva optimista sobre a situação do País, mas tendo em conta as actuais circunstâncias, não é mesmo nada fácil fazê-lo. Quando olhamos à nossa volta, o que vemos é altamente preocupante.

 

Deixo alguns dados importantes para que todos possam reflectirem sobre eles:

1)      As Obrigações do Tesouro portuguesas chegaram a ser transaccionadas no dia 7 de Janeiro de 2011 nos mercados secundários com uma taxa de juro implícita superior a 7,1 por cento;

2)      Num artigo da revista Economist da primeira semana de Janeiro é referido que se espera que Portugal seja obrigado a aceder ao fundo de estabilização da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional para evitar o colapso do euro. Esta revista prevê também que este ano Portugal tenha a terceira pior evolução do PIB em todo o mundo, com uma recessão de mais de um por cento, juntando-se a um coro de instituições que não acreditam na previsão de crescimento marginal de 0,2 por cento da economia inscrito pelo Governo no Orçamento para 2011; 

3)      Tanto a alemã Der Spiegel e o jornal espanhol El País acertam no mesmo diapasão;

4)      Segundo o Jornal DN do dia 7 de Janeiro, informava que em Portugal existem 13.740 Organismos Públicos e só 1.724 apresentam contas. Apenas 418 são fiscalizados;

5)      Segundo os dados oficiais do INE, no 3º Trimestre de.2010 o desemprego oficial atingiu 609,4 mil pessoas;

6)      De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) as famílias portuguesas mais pobres têm maiores gastos com a saúde e arriscam, por isso, vir a ter um acesso mais limitado a cuidados. Informa, também, que "o peso dos custos directos das famílias é demasiado elevado em Portugal", em comparação com outros países.

7)      Os portugueses vão ter na generalidade rendimentos mais baixos, afectando directamente o seu poder de compra. Uma parte dos funcionários públicos vai ter reduções em média de 5% dos seus vencimentos;

 

Este cenário dramático com que nos confrontamos não nos permite ser muito optimistas. Na prática, estamos perante um paradigma que tem que ser obrigatoriamente resolvido, Há muito que vivemos e gastamos acima das nossas possibilidades. Disso já ninguém dúvida.

 

O Estado português gasta abusivamente o que não tem. Endivida-se fortemente para pagar dívidas. As empresas não conseguem pagar as suas estruturas já há muito tempo. Há muito que pedem dinheiro à banca para pagar ordenados. Pedem emprestado para pagar ao Estado (quando conseguem). Outras fecham em catadupa (5 falências por dia). As famílias já não aguentam mais. Assim é impossível.

 

Significa que estamos perante uma situação dramática, com graves consequências para as pessoas. Parece-me mesmo que corremos o risco de entrar num ciclo explosivo. Por muito que tentem disfarçar, a pobreza aumenta brutalmente. Surgem todos dias novos pobres. Surgem os pobres on line, que se escondem atrás de um monitor para pedir socorro. A situação está cada vez mais grave.

 

Uma coisa é certa, vamos ter de nos habituar a viver com menos. Será que estamos a contar com isso? Será que estamos dispostos a aceitar estas mudanças? Fomos levados para uma situação muito complexa, por isso apenas nos resta sermos mais solidários. Temos que viver com menos, partilhando muito mais. Não vejo alternativa.

 

Sabemos que nos vão retirar muitas regalias e conquistas que demoram muitos anos a adquirir. Alguém tem dúvidas disso? Não é isso que estão fazer connosco? Não é isso o que este Governo tem vindo a fazer duma forma brutal?

 

Sei que é inevitável a entrada do FMI em Portugal. Significa mais cortes, significa mais dificuldades. Mas, também sabemos que existem responsáveis por termos chegado onde chegámos. Ou não sabemos?

 

É neste difícil contexto que vamos ter que conviver.

 

António Costa da Silva

 

Publicado no de 2011-01-13

publicado por alcacovas às 14:02
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog