Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

O nosso modelo de educação contém dois erros graves

O nosso modelo de educação contém dois erros graves: 1) A manutenção de um modelo oriundo do período da revolução industrial, orientado exclusivamente para o trabalho, ignorando totalmente a criatividade do individuo; 2) Uma gestão de todo o sistema educativo e sobretudo da escola, demasiado centralizada. Enquanto não forem solucionados estes dois problemas é impossível construirmos uma sociedade moderna e mais capaz.

 

A grande preocupação da Era industrial era ensinar pessoas que fossem capazes de desenvolver o trabalho de uma forma quase automatizada. O indivíduo não tinha que pensar muito, na prática tinha que imitar. Quase todo o sistema educativo, essencialmente na sociedade ocidental, foi-se desenvolvendo até aos dias de hoje com base neste conceito. Este modelo, ao treinar e incentivar as actividades com pensamento convergente (reprodução de factos conhecidos), foi abolindo a importância da criatividade e a diferenciação individual no processo educativo, nomeadamente no que respeita ao pensamento divergente (novas soluções e ideias originais).

 

Infelizmente, o nosso modelo educacional não estimula e até exclui fortemente tudo o que sejam traços de personalidade criativa, normalmente evidenciados através do humor, capacidade e habilidade de sentir problemas e reestruturar ideias, curiosidade intelectual, abertura à percepção e capacidade crítica, autoconfiança e capacidade de assumir riscos, inconformismo e flexibilidade, etc, etc.

 

Na minha opinião, tudo o que tem ver com o desenvolvimento das características relacionadas com a personalidade criativa deve ser claramente estimulado. Principalmente através do nosso sistema de ensino. A educação “formal” deve ser e estar aberta ao saber pensar (saber criar) e não apenas ao saber fazer (imitar). Esta é uma das alterações profundas que deve ser promovida.

 

Outro aspecto que me parece lesivo ao nosso modelo educacional é o exagerado centralismo das políticas educativas. Em Portugal o Estado Central controla praticamente todo o sistema educativo, nomeadamente todos os processos de decisão política e de administração. O discurso da transferência de poderes e funções do nível nacional para o local (a escola) não passa de mera retórica política, quase sempre adaptada às conveniências do momento.

 

A reforma e reestruturação do sistema educativo deve passar por um processo de descentralização de poderes do Estado central para as escolas, dando-lhes o máximo de autonomias e competências, da livre escolhas da escola pelos pais, da diversificação da oferta escolar e pela melhoria e reforço dos procedimentos relacionados com a avaliação e a prestação de contas, mas também, permitir a todos o acesso às melhores escolas.

 

Tenho plena convicção que a descentralização do modelo educativo permite favorecer a responsabilidade e a iniciativa dos actores a todos os níveis. Os agentes escolares terão maior influência na pedagogia e no tipo de conteúdos a utilizar. A responsabilização das escolhas parece-me ser um passo decisivo para alterar este modelo claramente obsoleto.

 

Assim, neste novo modelo, o Estado Central teria a preocupação do “desenho geral” de todo este processo, funcionando como orientador, regulador e fiscalizador. A escola definiria os processos e as formas de actuar consoante os contextos (sociais, económicos, culturais, etc) onde esteja inserida.

 

Todos teríamos a ganhar com estas alterações.

 

António Costa da Silva no Jornal Registo

 

publicado por alcacovas às 20:46
| comentar
1 comentário:
De peixebanana a 16 de Novembro de 2010 às 02:59

Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog