Terça-feira, 5 de Outubro de 2010

Hilário Porfírio uma vida dedicada ao futebol

Despertou para o futebol no Sport Club Alcaçovense aos 16 anos. Ao longo da sua carreira passou ainda pelo Lusitano de Évora, CUF do Barreiro e Juventude de Évora. Hoje aos 82 anos, recorda uma vida dedicada ao futebol onde, como diz, “havia vagar para tudo”.

 

 

Unanimemente considerado o melhor jogador da história do Sport Club Alcaçovense (SCA), “passeou” a sua arte também pelo Lusitano de Évora, CUF do Barreiro e Juventude de Évora. Aos 82 anos, Hilário Porfírio, natural de Alcáçovas, recorda com emoção os anos em que jogava à bola. Começou aos 16 anos “a jogar na rua com outros rapazes” até ao dia em que o chamaram para a equipa do Sport Club Alcaçovense. Era um garoto no meio de homens. “Comecei nessa altura a jogar à bola e nunca mais deixei de jogar”, lembra, e acrescenta que “nunca fizeram uma equipa em que o Hilário não entrasse”. 

 

Daí, até jogar no Lusitano de Évora foi um passo. Aos 18 anos “estava a charruar a terra com o meu irmão, numa propriedade a uns quilómetros da vila, e à hora do almoço apareceu lá um senhor a perguntar se eu queria jogar no Lusitano”, diz. E, foi assim que foi jogar para Évora. Foi, também, nessa altura que começou a “fazer mais alguma coisa, não queria apenas jogar à bola”, e foi trabalhar para um talho.

 

No final da época, devido ao bom desempenho, foi novamente convidado a mudar de clube, desta feita, para a CUF do Barreiro, na altura na 2ª divisão nacional. “Aos domingos quando podia ainda ía lá para um talho, já com a ideia de abrir um nas Alcáçovas”, afirma. Entretanto, o pai adquire um talho na terra e Hilário Porfírio, apesar de querer continuar a jogar no Barreiro, volta para Alcáçovas. Desses tempos na CUF guarda na memória um episódio. Certa vez chegou a dizer “que estava doente e vinha para cá (Alcáçovas) jogar futebol”.

 

Hilário Porfírio jogava, habitualmente, a avançado centro e não tem conta o número de golos que marcou e os troféus que conquistou. Em casa guarda algumas taças, outras estão na sede do Sport Club Alcaçovense, assim como umas botas suas, antigas, “botas de travessas”.

 

Ainda passou pelo Juventude de Évora, mas era no Alcaçovense que gostava de jogar, apesar de recordar com sofrimento a falta de um campo para jogar durante anos. O campo que existia era ”do Sr. Branco Núncio e ele só deixava jogar de vez em quando. Quando jogávamos tínhamos que pedir o campo com antecedência para aquele dia”. Isto na fase em que representou outros clubes. Mas, era na sua terra que se sentia bem e onde jogou até aos 35, 36 anos. “Era um bocadinho superior à malta que cá havia”, diz a medo. “Ainda hoje se passar por Arraiolos e estiver à conversa com este ou aquele a respeito de futebol, perguntam logo pelo Hilário”, sublinha com orgulho.

 

Os sócios do SCA recordam Hilário Porfírio como “um avançado de finta curta e um grande rematador”. Apesar de humilde, Hilário Porfírio, reconhece que jogava bem, mas havia outros que o seguiam de perto. Era o caso de Manuel Coelho. Nesse tempo, Alcáçovas tinha bons jogadores. Dois deles jogavam na Académica de Coimbra.

 

Quanto às diferenças entre o futebol praticado nos nossos dias e noutros tempos considera que são algumas. Hoje, “as coisas estão mais apuradas”. Noutros tempos, não havia preparação suficiente para jogar. Hoje os clubes apostam na formação das camadas jovens e “os pais vêm ver os miúdos jogar para ver se sai um Ronaldo”. Antigamente jogavam às escondidas dos pais.

 

Também o dinheiro envolvido no mundo do futebol faz toda a diferença. Se hoje tudo gira à volta dos milhões, noutros tempos isso era impensável. “Nunca joguei com o interesse de ganhar dinheiro”, diz. E conta que quando representava o Juventude de Évora ganhava 250 escudos por mês, mas apenas recebeu o primeiro mês de ordenado porque não havia dinheiro para pagar. Hilário Porfírio garante ainda que a partir de certa altura começou a dar dinheiro em Alcáçovas para se jogar à bola. A vida proporcionada pelo negócio do talho, permitia-lhe ajudar o clube do coração.

 

Depois de terminar a carreira como futebolista, Hilário Porfírio continuou ligado ao Sport Club Alcaçovense até aos 65 anos (primeiro como treinador e, depois, como presidente) altura em que se aborreceu com o facto de os jogadores quererem “ordenados incomportáveis”. Na sua opinião, o futebol nas pequenas terras é para quem goste de jogar, desenvolver a sua técnica e partir à procurar de clubes que possam pagar. “Prometer às pessoas e não pagar não é do meu feitio e deixei de ser director”, lembra.

 

Hoje, “mestre” Hilário recorda com saudade esses tempos e a vida dedicada ao futebol. Uma vida onde “havia vagar para tudo”.

 

Retirado do Boletim Municipal da CMVA

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 11:56
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog