Quinta-feira, 9 de Setembro de 2010

Os nossos quereres e os políticos

por André Correia DN 31 Agosto 2010

Todos queremos uma sociedade mais equitativa, todos queremos mais solidariedade, todos queremos uma vida melhor. Melhores serviços de saúde, melhores ordenados, melhores escolas, melhores reformas. Melhores estradas, melhores casas, melhor segurança. Melhor democracia. O que é absolutamente natural.

E, nesta base simples e fácil, os nossos políticos (dos partidos que temos), usam estes quereres com profundo entusiasmo, com prodigiosas construções mediáticas, com um instinto, adquirido ao longo de anos, cultivado pelos membros activos e dirigentes dos nossos partidos.

Esta extraordinária cultura de pseudo-causas, de defesa do óbvio, de manipulação das mais elementares aspirações de todos os seres humanos, é debitada em longos e pretensiosos discursos, que soam bem a quem ouve (até um dia), mas que na realidade nada dizem em termos de satisfação dos quereres de todos nós.

Se analisarmos, mesmo superficialmente, a grande maioria dos discursos debitados todos os dias pelos nossos políticos profissionais, chegaremos facilmente a uma mesma conclusão: o que os políticos nos dizem (salvo algumas poucas e notáveis excepções) são apenas truísmos vazios de soluções ou, até, de intenções.

Discursos muitas vezes bem elaborados, com elevada qualidade na construção, na escolha das palavras, na colocação de acentos e de parágrafos, mas sem uma única proposta concreta de solução, sem uma única indicação do caminho a seguir, sem compromissos (reais), mas cheios de um nada que nos vai distraindo e iludindo.

Os nossos políticos vão acentuando, destacando, os nossos quereres.

As respostas são as perguntas. Só que expostas de outra maneira. É a cultura dos pontos, de exclamação e de interrogação. Com os primeiros expõem a pergunta (o querer), com o segundo julgam os políticos (salvos as excepções, poucas) que nos contentam (ou será que alguns deles pensam que estão mesmo a dar respostas reais?).

Com as ideologias debitadas pelas esquerdas e direitas passa-se o mesmo.

Todos nos dão respostas que não contêm, realmente, nada de concreto. Ideologias que, aparentemente, querem o mesmo para todos nós, que aparentemente nos dão resposta a todos os nossos quereres.

Mas onde é que estão as soluções? Como é que vão satisfazer os nossos quereres?

 Onde é que estão as respostas concretas, da esquerda ou da direita, para a solução dos nossos quereres (dos nossos problemas)?

A grande maioria destes políticos que temos e que são fruto de nós próprios, falam muito, escrevem, discursam, respondem a entrevistas com duas ou três regras fundamentais e “sagradas” (para eles):

- Ganhar ou, pelo menos não perder votos (dentro do partido ou na sociedade).

- Manter viva a fidelidade dos seguidores e colaboradores por quem distribuem benesses).

- Insistir nas questões mais mediáticas, trabalhando a “roupagem”, fazendo considerações que sabem ressoarem bem nos ouvidos dos cidadãos e, com a repetição constante, as respostas serão entendidas, pelo povo, como verdadeiras soluções, boas e credíveis soluções.

Os discursos vão continuar, as entrevistas nos media não param, os colóquios não esmorecem: Os nossos políticos não querem mudar nada, não querem reformar (a sério) o sistema, não querem “revoluções”, nem grandes perturbações.

Ninguém quer arriscar, ninguém se atreve a deitar abaixo e construir de novo.

Nem nos respectivos partidos, nem muito menos no estado. Lutam para manter e manterem-se, não querem, nem podem (?), arriscar pondo em causa regalias, privilégios, honras que os sustentam e os mantêm no topo da pirâmide do poder.

Mas o que é que será deste país e dos quereres de todos nós (quase todos) daqui a 10 ou 20 anos?

Os portugueses não desaparecerão tão cedo. Mesmo com uma taxa de natalidade baixa ainda duraremos muitos anos.

Mas o que é que terá acontecido para satisfazer os nossos quereres?

Será que vamos ter um estado previdência impecável, verdadeiramente para todos, será que vamos ter e receber boas e justas respostas?

Será que vamos ter empregos para todos?

Será que vamos ter um nível de vida dentro da média europeia? Ou vamos continuar a ouvir e eleger políticos que aos nossos quereres respondem nada.

 

 

 

publicado por alcacovas às 12:47
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog