Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

O forte timbre de Virgílio Maia

 

O forte timbre de Virgílio Maia

 

Timbre é um livro nobre, insígnia da poderosa força de um poeta a marcar-nos com seu ferro e sinal.

 

Afirma Virgílio Maia que latente no homem existe a velha vontade de deixar escrito. O poeta além de deixar escrito faz jorrar dentro de nossa alma a torrente da oralidade. Ecoam vindo do mundo mítico de seus poemas vozes de antanho, aboios dos encourados do sertão-velho, bralhar de animais de montada, alaridos de invasores tiranos, balbucios de umas primeiras gestas barbatãs, o estilhaçar das fagulhas das labaredas e sóis, balidos tristonhos, o caminhar sereno e fragoroso de todas as águas, os chocalhos de Alcáçovas, os gemidos dos carros-de-bois, embalo de redes e ninhos, assobios agudos, epigramas, endechas e elegias... cantadas pela voz dos sinos, flauta dos ventos domingueiros nas palhas dos canaviais.

 

Embalamo-nos pois, nesses poemas do acalanto de vozes e sons vindos do tempo velho em que o sertão foi mar.

 

Timbre traz-nos um mundo já impreciso, esbatido, silencioso, quase fábula. Ele nos chega clássico pela nobreza de suas palavras, imagens de seus pastoreios, tropéis, suas casas protegidas por paliçadas-muralhas e baldrames de madeira-de-lei, seus bichos de pena e casco, seus oleiros e seus cantadores e taumaturgos a palmilharem ínvias veredas, carrascal e caminhos em cruz.

 

Sua sonoridade traz-nos um zumbido que o tempo faz soar.

 

Livro que nos ilumina os sentidos pela força do poeta-trovador Virgílio Maia, a nos fazer percorrer os antigos caminhos dos sertões-de-dentro que a tantos avassala a alma.

 

 

 

Sesmeiro

 

Sesmeiro fui das largas, longas léguas
medidas pelos passos dos meus bois.



Mal começado o século XVIII,
cheguei
à fina areia do Retiro Grande
e fui
seguindo pelo Jaguaribe acima,
pela ribeira,
do Aracati a Passagem de Pedras,
depois de Russas,
até o povo de São João de Varges,
e com mulher e filhos me instalei.



Em dias de agosto de mil e setecentos e quê
por despacho do Capitão-Mor
me foram dadas,
com os olhos d’água todos, por acréscimo,
as terras do Riacho dos Porcos,
dito Amoré na língua do gentio,



pa. suas criaçõins e pa. Sy
e seus herdeiros accendentes e desendentes,
as quais terras lhe dou e concedo,
com todas as agoas
campos testadas
e Logradouro
e mais úteis q nela houveram...,



qual essas terras donos não houvessem.



Então
– e disso alguém já se queixara a El-Rey –,
era o palmo de gato desbravar
o que em infinitas braças foi pensado.



Mas nas terras do Amoré
meus gados acomodei,
os vacuns e os cavalares,
bem logo fazendo erguer
casa-grande com curral,
plantando naquelas glebas,
vendo que frutificava,
toda a minha geração
que pela vida afora há de levar
olhares e feições dos meus Açores.



Tive notícia quando,
à barra do Sitiá, adusta e bela,
se elevaram os baldrames poderosos
de uma altiva capela dedicada
à Senhora da Conceição,
padroeira também de Portugal.
E o bronze do seu sino propagava
intermináveis ecos da fé,
no verão da paisagem desolada.



Em vão testemunhei e bradei contra
as matanças inúteis perpetradas
pelo Regimento do Jaguaribe
– pobre espada cevada em carne de índio.



Ouvi dizer que o Latinista Maia,
clerigo in menoribus,
declamava A Eneida
no mormaço da tardes ocres
de um então nascente Tabuleiro d'Areia,
quando
ensinava latim aos seus alunos,
enquanto,
médico e boticário,
fazia erguer igrejas e fazendas,
pagando piedosas promessas
a uma quase olvidada
Nossa Senhora das Brotas,
mandando vir imagem
da cidade da Bahia,
posto fosse Capitão de Cavalaria.



Tanger, tangi boiadas incontáveis
pelos caminhos que não existiam,
através de caatingas que estremavam
ao Ocidente com sete-estrelo
ou nessas terras chãs dos tabuleiros,
e épsilon de Escorpião traçava o rumo.



As mercadorias vindas por mar
se transportavam em carros-de-bois,
que gemiam e chiavam tristemente,
do Aracati ao Icó.
Depois, em lombo de animal,
por ínvias veredas,
às barrancas do São Francisco,
inçadas de oxítonos topônimos tapuios,
donde iam dar
às catas de ouro das Minas Gerais.



Ao Piauí se iam buscar bois
correndo a Estrada Nova das Boiadas,
atravessando os campos de Uriá,
os formosos partidos de mimoso
de Santo Antônio do Quixeramobim
e o boqueirão do Poti,
topando-se, aqui, acolá,
com coloridas tropas de ciganos,
de destino e furor nunca sabidos.



Nas janelas do oitão,
nos parapeitos dos alpendres,
se riscavam,
a tosco lápis de carpinteiro,
marcas de gado
e se escreviam,
em tímidas quadras,
os balbucios
de umas primeiras gestas barbatãs,
inspiradas por espirituosas
talagadas de porto e de aguardente.



Foi quando um dia por aqui chegaram
esmaecidos rumores
de fato acontecido
numa das Capitanias de Baixo,
onde um moço foi
despedaçado a pata de cavalo
para gáudio da Corte
e caluda geral dos pensamentos.



Mais, havia os chocalhos de Alcáçovas,
de imbatível sonoridade,
as bonitas moedas bem cunhadas
em prata na distante Cuiabá,
que só por segura encomenda
tiniam por estas bandas.



Vi quando chegaram
as galinhas d’angola,
os porquinhos-da-índia,
rebatizados de preás-do-reino,
avivando
o sonho fazendeiro dos meninos
e alucinando
o faro astuto das cadelas prenhas.



Soube, por ouvir dizer,
dos pavorosos crimes praticados
nas disputas de estremas ou de alcovas,
dentre as famílias ditas poderosas, ricas de gerações,
mas espiritualmente tão estéreis.



Sesmeiro fui e mais relembraria,
dessas eras,
que no final, de data, me tocaram
tão só as versejadas verdes léguas,
medidas pelo metro do depois.

 

Retirado do http://www.continentemulticultural.com.b

E http://www.revista.agulha.nom.br

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 20:12
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog