Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Paço onde 'nasceram' as ilhas é ruína à mercê da natureza

 

Paço dos Henriques, onde foi assinado o Tratado de Alcáçovas, precursor do de Tordesilhas, está ao abandono. Ministério admite obras em 2011, mas ainda não sabe os custos

Os azulejos e as conchas que deram nome ao jardim há muito que foram arrancados deixando despida uma boa parte das paredes. Agora é o torreão que ameaça desmoronar, com a natureza a tomar conta do espaço. "Uma tristeza", diz Anunciação Baioneta, da Associação dos Amigos de Alcáçovas, lembrando que todo o conjunto foi "deixado ao abandono", numa espiral de degradação e ruína.

O conjunto é o Paço dos Henriques, também conhecido por Paço Real, fundado no século XIII e que conheceu o seu momento de maior esplendor em 1479 quando D. Afonso V ali recebeu uma embaixada dos Reis Católicos (Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão) para assinar um tratado precursor do de Tordesilhas. Através do Tratado das Alcáçovas, Portugal viu reconhecido o seu domínio sobre os arquipélagos da Madeira, Açores e Cabo Verde, ficando Castela com as Canárias e renunciando a navegar para sul do cabo Bojador.

Local de residência dos Henriques de Trastâmara, "senhores" das Alcáçovas, o edifício foi objecto de uma profunda remodelação em meados do século XVI. Cinco séculos depois encontra-se totalmente abandonado.

"A última família ali residente saiu por altura do 25 de Abril, depois das ocupações de terras pela Reforma Agrária", refere Anunciação Baioneta, acrescentando que desde essa altura as obras realizadas não permitiram evitar as consequências da desocupação.

Antes de ser integrado no Património do Estado em Setembro de 1994, altura em que passou para a alçada do Ministério das Finanças, o Paço ainda acolheu uma escola e uma cooperativa. O estado de ruína é visível logo desde o portão de entrada. "Valorizar todo este património material e imaterial, o Paço e os acontecimentos que ali ocorreram, é importante para a promoção da vila e do Alentejo", defende a responsável.

Vereador com os pelouros do Património e da Cultura na Câmara Municipal de Viana do Alentejo, João Pereira concorda com a necessidade de uma intervenção "urgente" que permita "evitar a continuação da ruína" de um imóvel com um "enorme valor histórico". Segundo o autarca, tanto a Câmara como o Ministério da Cultura estão empenhados na elaboração de um projecto que permita sustentar a apresentação de uma candidatura a fundos comunitários para recuperar o Paço e dar-lhe novos usos, tais como um pequeno auditório, biblioteca, posto de turismo e um núcleo de documentação sobre as relações diplomáticas entre Portugal e Espanha no período quinhentista.

"Quem é da terra sente--se inconformado com o desprezo e abandono do monumento mais emblemático da vila. Mesmo as pessoas menos informadas sobre o valor patrimonial e simbólico do Paço, sem uma noção real da dimensão do que se está a perder, reconhecem que poderia tratar-se de uma mais-valia em termos de desenvolvimento económico".

João Pereira assegura que o município está disponível para "percorrer todo o caminho necessário" à concretização do projecto: "Estamos abertos a participar na recuperação, manutenção e gestão do imóvel."

Por Luís Maneta no

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:20
| comentar
1 comentário:
De Javier a 8 de Julho de 2010 às 14:28
Hace unos días visité Alcaçovas, me causó mucha tristeza el mal estado de conservación, y el abandono del Pazo d Enriquez, y la casa de las conchas. Muy bonitas, pero en estado deterioro, abandonadas a su suerte.

Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

Pesquisar neste blog