Segunda-feira, 8 de Março de 2010

Madeira – Uma Região a necessitar de ajuda

 

Esta semana teve como principal acontecimento a tragédia que ocorreu na ilha da Madeira. Infelizmente este triste acontecimento leva-nos a tirar uma série de conclusões. Se calhar a maioria delas poderão ser precipitadas.
O que mais me impressiona quando ocorrem estas catástrofes são as muitas vidas que se perdem. Pensar naquelas famílias que perderam os seus entes queridos, sobretudo de uma forma tão brusca e trágica, é algo altamente comovente. Quando olho para os danos materiais causados é triste, mas sei que tudo será recuperado e voltará certamente à normalidade.
Na fase posterior à tragédia, torna-se fundamental a solidariedade das populações e das instituições. Aqui, podemos afirmar com toda a segurança que os madeirenses, as suas instituições e as do continente, têm sido incansáveis e vão continuar a sê-lo, de certeza absoluta. Este aspecto deve ser claramente realçado. É muito triste ver estas tragédias acontecerem em países terceiros, mas é mais marcante ainda quando acontecem aos nossos.
Uma coisa é certa, a solidariedade que tem vindo a ser dada à Madeira é genuína, não é retórica pura. Isso é muito bom sinal. Os portugueses gostam de causas e a Ilha da Madeira passou a ser uma causa nacional. Ainda bem que é assim.
A questão que me parece mais importante a partir de agora é recuperar tudo o que foi danificado e pôr tudo a funcionar o mais rapidamente possível. Repor a normalidade é a melhor forma de ultrapassar as dificuldades e prosseguir em frente. No entanto, parece-me óbvio que devemos aprender com os erros e procurar soluções mais adequadas. Como dizia Orson Welles, a experiência é um acumular de erros cometidos ao longo dos anos.
Quando acontecem este tipo de tragédias, é clássico começar-se a procurar imediatamente culpados para os sentar no banco dos réus. No caso da Madeira, a vontade de culpar o Governo Regional é muito mais entusiasmante. Fazer do Dr. Alberto João Jardim um “bode expiatório” é um disparate enorme. As tentativas são e serão inúmeras, mas não acredito que sejam positivas e que obtenham quaisquer resultados.
Nestas tristes situações aparecem sempre os profetas da desgraça a apontar para os erros cometidos ao longo dos anos. Uns dizem que tudo se deve à construção desenfreada e desordenada, outros ao mau uso do solo ou outras causas, tais como: o afunilamento do leito das ribeiras, a desflorestação, a volumetria desproporcionada dos edifícios, etc, etc.
Ninguém tem dúvidas que existem erros cometidos ao longo de muitos anos. Visto nesta perspectiva, o nosso País tinha que ser parcialmente derrubado. Basta olhar para o Algarve para contemplarmos o triste ordenamento do território. Basta ver a forma como cresceram as nossas cidades e zonas suburbanas. Basta ver o tipo de construção que temos em todo o território nacional. Basta chover um pouco a mais para muitas das nossas cidades e vilas ribeirinhas ficarem inundadas. Basta vir um temporal com alguma dimensão, como aconteceu na região do Oeste, para percebermos que a maioria daquelas estufas que foram destruídas, nem sequer estava legalizada. Infelizmente, o nosso País é mesmo assim.
Esta situação faz-me lembrar a história de uma juíza italiana que veio visitar Portugal. A senhora andava acompanhada com alguns colegas portugueses. Num desses dias da visita questionou as características dalgumas casas portuguesas (azulejos no exterior, alumínios, telhados de betão, pinturas muito estranhas, etc) e do desordenamento do território. Alguém se prontificou a justificar aquela situação, dizendo que em Portugal há um problema de corrupção e que tudo se deve a isso. A senhora juíza italiana disse que não acreditava que houvesse mais corrupção em Portugal do que em Itália, mas que temos sim, um problema claro de mau gosto.
Na verdade, estas situações proliferam por toda a parte. É também verdade que devemos combater este problema que tem e vai continuar a funcionar como uma desvantagem competitiva de Portugal. Este é um daqueles problemas que só se resolve apostando na educação. Aquele problema de mau gosto (apresentado pela senhora juíza) tem a ver com isso mesmo, só melhorando o nível cultural, de educação, participação e cidadania da nossa população é que é possível começar a minorar este problema.
Também é verdade que temos situações onde tem havido progressos significativos ao nível do ordenamento do território e dos modelos de construção adoptados. Felizmente que a região Alentejo é um bom exemplo nestes domínios. Apesar de ter muito para melhorar, comparativamente, é um bom exemplo.
Para concluir, parece-me mais importante apontar para os problemas de uma forma construtiva, apresentando propostas e soluções. Não me parece oportuno aproveitar uma catástrofe para se fazer política, mas sim ajudar quem mais precisa. É aí que nos devemos concentrar.
Estou convencido que a Madeira vai recuperar mais rapidamente toda aquela zona que foi altamente devastada do que acabar com a desobstrução da CREL na zona de Lisboa, que há muitos dias começou.
 
António Costa da Silva

 

Publicado dia 28/02/2010 no 

publicado por alcacovas às 19:08
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

_

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Arquivos

Fevereiro 2019

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Pesquisar neste blog