Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2006

Turismo, oportunidades para pequenos empreendimentos

O TURISMO, MOTOR DO DESENVOLVIMENTO NO ALENTEJO

Este mês de Janeiro trouxe notícias importantes para o desenvolvimento do Alentejo e, em especial para o Concelho de Grândola.
Estou a referir-me, como é óbvio, aos dois grandes projectos aprovados pelo Governo para as zonas do Pinheirinho e da Costa Terra. São dois complexos de qualidade, que irão contribuir para a criação de cerca de 1700 postos de trabalho directos e 4350 indirectos. O investimento total será da ordem dos 670 milhões de euros.
Um terceiro projecto, para a Herdade da Comporta deverá ultrapassar os 500 milhões e temos ainda o projecto para Tróia já em execução.
O efeito destes empreendimentos na economia local serão muito importantes, mas este efeito deverá que ser analisado e potenciado sob 2 aspectos:
- Impacto “expedido” ou activo.
- Impacto “recebido” ou passivo.
Antes de passar ao esclarecimento destes efeitos quero expressar uma preocupação e, de certo modo, uma expectativa, sobre o impacto ambiental destes projectos.
O Governo e os promotores garantem que os possíveis danos ambientais foram acautelados e que a presença destes empreendimentos pode mesmo proteger a zona onde se vão implantar.
Gostava de conhecer melhor os argumentos de uns e de outros, mas tenho que admitir que o desenvolvimento de uma região como a do Concelho em causa tem que apoiar-se no Turismo.
Turismo de alta qualidade, de baixa densidade e com respeito pela população local, pelo património cultural e tradicional e pela natureza.
Este pode ser um bom caminho, equilibrado e integrado, mas terá que haver da parte das autoridades mais envolvidas e responsáveis nesta matéria, um compromisso inabalável em termos de ordenamento de todo o litoral, com respeito pelas pessoas e pela natureza.
Volto agora aos tipos de impacto que empreendimentos como estes podem causar no meio social e económico em que se vão inserir.
Por impacto expedido ou activo entendo todas as actividades promovidas pelos projectos citados acima.
São os alojamentos, os restaurantes, os bares, os campos de golf ou de ténis que atraem os visitantes. Oferecem boas acomodações, boa gastronomia e entretenimentos.
Para tal vão construir, vão equipar, vão servir, vão em termos gerais fazer uma oferta que atrairá muitos turistas, nacionais e estrangeiros.
Mas o há outro tipo de impacto, que chamei de recebido ou passivo.
Este poderá explicar-se por uma frase simples: os visitantes dos empreendimentos que vão ser criados querem mais, procuram algo diferente daquilo que possa ser o “menu” destes.
Vão querer saber o que há para lá dos seus “resorts”, vão querer conhecer a região, vão procurar, em conformidade com os seus gostos e interesses, saber o que é que há em termos de monumentos, de artesanato, de gastronomia, de tradições, de paisagens, de espécies animais e vegetais, de caminhos para trilhar e mais, muito mais.
E depois vão querer saber como satisfazer os seus desejos e curiosidade, com conforto, com segurança, com orientação profissional, em suma, com qualidade.
Um turista que venha para um empreendimento de alta qualidade ou de luxo, pensa (e deseja) encontrar um menu de actividades exteriores que esteja acessível, bem preparado e atraente.
Ora este menu de actividades não existe, nem poderá ser criado só pelos promotores destes projectos, mas há todo um “mundo de actividades que só poderá ser potencializado e oferecido por uma série de pequenos/médio empreendedores que, por si ou em colaboração com os dirigentes dos futuros complexos turísticos, possam criar ou desenvolver pequenos projectos de animação turística.
Há todo um mercado a aproveitar. Sabemos que a construção dos referidos complexos levará alguns anos, que o crescimento do mercado potencial será gradual. Mas temos que compreender que estamos já perante factos concretos.
Para a zona do Alqueva. E não só, há outros projectos que só reforçam o que penso.
Uma coisa é certa, o grande Turismo no Alentejo está aí. Os investidores virão, o mercado crescerá e as oportunidades para o “pequeno” turismo serão muitas e interessantes.
Há muito a fazer para podermos aproveitar, para promovermos mais profundamente o desenvolvimento das nossas cidades, vilas e aldeias.
E procurar apoios.
André Correia
publicado por alcacovas às 19:49
| comentar
1 comentário:
De Anónimo a 26 de Janeiro de 2006 às 00:22
esta mais aqui um excelente exemplo de comperação entre o estado e os privados que parece estara a resultar na perfeição, o que o nosso país necessita é de muitos Belmiros e Patrick´s que são empresarios que não olham para a pequenes do nosso país nem se conformam com a tristeza e desalento cronico do povo portugues, estes investimentos na costa alentejana bem como todos os que visam desenvolver o nosso alentejo e o nosso país são bem vindos. Penso que o nosso governo também esta de parabéns pois nós concordemos ao não tem feito um trabalho notavel no que diz respeito ao plano tecnologico e ao desenvolvimento de iniciativas privadasrmgv
</a>
(mailto:rgvinagre@gmail.com)

Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

De onde nos visitam?

outils webmaster
contador

Pesquisar neste blog