Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2006

Orgulhosamente alcaçovense!

Num dos livros mais recentes que li, o “Codex 632” do José Rodrigues dos Santos encontrei 8 referências ao tratado de Alcáçovas, uma das mais espantosas descrevendo-o como primeiro acto de globalização.
Naquele momento senti mais profundamente o que sempre tenho sentido ao longo da minha vida, orgulho de ser alcaçovense, orgulho de dizer a todas as pessoas que cresci, vivi e vivo numa terra que se chama Alcáçovas, orgulho porque senti que as minhas raízes os meus antepassados estão intimamente ligados, nem que seja por o carácter geográfico a um dos momentos mais importantes da História de Portugal e arrisco mesmo a dizer a um dos marcos da História mundial.
Mas será que todos os alcaçovenses tem todos os mesmo orgulho que eu da terra onde nasceram?
Permitam-me dizer-vos que não!
Não entendam os caros leitores esta afirmação como um acto arrogante da minha parte, eu apenas constato a realidade, e avanço os motivos que me levam a tal pensamento:
1. para quê a existência de uma associação que se autodenomina Amigos de Alcáçovas? Qual o seu verdadeiro contributo para a elevação da nossa vila e da nossa história? Quais os seus contactos, quais as diligência realizadas por esta dita associação para a recuperação do nosso património? E o que é que os nossos intelectuais alcaçovenses tem feito em relação à capela das conchinhas? Que eu saiba todos os dias caem conchas e ainda não vi lá nenhum amigo alcaçovense a apanhar as ditas. ( e não me venham dizer que todos os meses fazem um jantar pois que eu saiba isso não resolve o problema da degradação do nosso paço! Não me digam que até já falaram com alguém influente no IPPAR, pois que eu saiba isso não preserva a nossa calçada romana!);


2. qual a acção da câmara municipal junto do poder central para a recuperação do paço dos Henriques? Qual a acção da câmara municipal no que diz respeito a nossa bela calçada romana? (por favor tenham todos os argumentos menos dizer que o telhado do paço foi arranjado, pois isso era o mínimo que poderia ser feito);


3. mas o mais ridículo e triste espectáculo é ver a nossa junta de freguesia cuja a sua única preocupação é arranjar azinhagas. (mais uma vez não aceito desculpas, tais como “coitadinhos de nós que temos um orçamento tão pequeno e temos de poupar para uma ambulância no final de cada mandato”;


4. mas infelizmente não se fica só por aqui, então e qual é o papel da oposição alcaçovense? O que fazem, vão às reuniões e dizem que sim a tudo só porque não tem maioria? Ou então a discussão é tão elevada que não tem espaço para um assunto que em minha opinião deve ser uma das prioridades políticas da nossa terra.

Mas quero crer e acredito que existem muitos alcaçovenses que tem orgulho de dizer que vivem numa terra que se chama Alcáçovas e que todos juntos irmos conseguir que a nossa terra recupere os esplendor de antigamente, quando dentro das paredes que hoje caem de esquecimento e de desleixo se assinou um tratado que mudou a configuração política do mundo e onde hoje se diz que foi dado o primeiro passo para a globalização.

rmgv
publicado por alcacovas às 18:03
| comentar
5 comentários:
De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2006 às 17:21
Eu quando li o "codex 632" e vi a primerira referencia ao tratado de Alcáçovas,senti o mesmo orgulho de ser Alcaçovense que o Ricardo descreve no artigo.E partilho da sua opinião acerca dessa associação "amigos de Alcáçovas",para que é que ela existe se nao faz nada para recuperar o patrimonio Alcaçovense e divulgar a historia desta vila de que se dizem amigos?...e acho que todos os Alcaçovenses deviam ter orgulho na sua vila e divulgar a sua história, principalmente os seus monumentos e o tratado que lá foi assinado,pois este foi "tapado" em parte pelo Tratado de Tordesilhas.Parabes Ricardo pelo artigo!A.Santos
</a>
(mailto:alexandre.nuno.santos@gmail.com)
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2006 às 21:12
Alcáçovas tem uma grande História, só é pena essa mesma História não estar devidamente estudada e preservada. Não me conformo com a ideia de que uma vila como Alcáçovas, não tenha uma monografia. Tenho muita pena que Alcáçovas seja refida noutros livros e não em livros próprios.
Quanto a essa «Associação», penso que foi mais uma tentativa de algumas pessoas no sentido de se aproveitarem de determinados fundos ou privilégios. Ficou claro que não era seu objectivo ajudar Alcáçovas, dado que não conheço nada que essa «associação» tenha feito nesse sentido.
Todos devemos ter muito orgulho na nossa vila, dado que esta já foi grande e importante, D. Dinis chamava-lhe a «Sintab do Alentejo», dado que segundo o monarca, este reunia excelentes condições climatéricas.
Por aqui passaram pessoas importante,mas acima de tudo, por aqui sempre residiram pessoas importantes, que tal como nós, também amaram a sua terra.Roberto Vinagre
</a>
(mailto:roberto_vinagre@hotmail.com)
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2006 às 19:07
MUITO BEM!!!!SIM SINHOR!!!...ñ sou alcaçovense, mas tnho orgulho nos amigos k fiz dessa grande terra!!!;)...pode ser um pequeno grande desterro, mas tm uma grande historia, e devem-se orgulhar disso!!!******ta mt lindo!!bjufax**Miká
(http://...)
(mailto:mika10_portugal@hotmail.com)
De Anónimo a 24 de Fevereiro de 2006 às 00:52
apoiado... parabéns pelo artigo e Ricardo faz-nos um favor a nós alcaçovenses nunca deixes de ser tu próprio e continua a dar a tua opinião de um forma livre e independente sem medos de qualquer represalias ou criticas. um abraçoalcaçovense
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 23 de Fevereiro de 2006 às 19:19
Foi com grande prazer que descobri um blog feito nas "minhas" Alcáçovas.
Gostei do que vi, vou voltar muitas vezes para mesmo ao longe ir sabendo noticias da terra.
Grande abraçoZelupi
(http://zelupi.blogspot.com)
(mailto:)

Comentar post

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

De onde nos visitam?

outils webmaster
contador

Pesquisar neste blog