Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2012

Também me parece!

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 00:45
| comentar
Domingo, 30 de Dezembro de 2012

Votos para 2013

Faço votos para que os nossos políticos, de todas as cores, se convertam em pessoas honestas sob todos os aspetos, se tornem em verdadeiros defensores do bem público, se preocupem em construir um país mais solidário, mais rico espiritual e materialmente, se preocupem em construir e não em destruir, que façam voto de empenho total na defesa e desenvolvimento do povo português.

Deve ser difícil, mas alivia. Pensar ainda é possível, colaborar nem tanto. Mas a esperança prevalece até perante os maiores infortúnios.

Espero que o novo ano nos ponha no bom caminho e não nos ponha a lutar uns contra os outros num caminho que só nos pode levar à desgraça.

E haja saúde, de corpo e de espírito.

AC

publicado por alcacovas às 11:39
| comentar | ver comentários (2)
Sábado, 29 de Dezembro de 2012

Novo ano está quase a nascer. Bom Ano de 2013

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 17:58
| comentar
Sábado, 22 de Dezembro de 2012

O mundo acabou ontem

Contrariamente ao que os meios de comunicação dizem o mundo acabou ontem.

Mas renasceu hoje, novinho em folha.

Temos um mundo novo, cheio de inovações, preparado para durar mais 1 milhão de anos. Garantido por todos os chefes de estado de todo o mundo. 

Vamos pois usufruir e dar uns retoques a este novo mundo para que tudo fique melhor do que antes. realmente o mundo que acabou ontem já estava velho e cheio de buracos. 

Esperemos agora que os políticos de todo o mundo e de todas as cores não façam asneira e não estraguem este lindo mundo novo.

Boas Festas para todos no primeiro Natal do novo mundo.

AC

publicado por alcacovas às 10:10
| comentar
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012

Haxixe, onde está a verdade?

Temos recebido, ao longo dos últimos anos, dezenas de comentários defendendo, acautelando, atacando o uso do haxixe fumado. Em Portugal como em muitos outros países continuamos a discutir os seus inconvenientes ou, até, os seus aspectos positivos. Presentemente nalguns estados dos USA se discute a liberalização da cultura, venda e consumo de haxixe. 

Não sou especialista, nem consumidor, nem sequer fumador. Por tudo o que tenho lido julgo que o haxixe como outros produtos fumados, aspirados ou bebidos pode ter graves consequèncias para a saúde.

Fumar muito ao longo de muitos anos provoca doenças várias e encurta a vida. O tabaco mata mais pessoas por ano do que os acidentes de trânsito. Mata muito mais, do que qualquer outra causa e numa proporção várias vezes superior.

Claro que os fumadores de haxixe serão menos, até muito menos. Mas julgo que muitos consumidores de haxixe o são também de tabaco.

O alcool é outro "parceiro" destes usos e abusos. O vinho até pode ser salutar quando consumido de forma muito regrada.

Assim podemos chegar a uma conclusão: não será o "vício" o grande culpado, o "veneno" que destrói indirectamente os consumidores de tabaco ou haxixe?

A capacidade destes produtos em prender o consumidor, dominando qualquer tentativa de libertação destes excessos dos consumidores de álcool, tabaco e haxixe, abre o caminho a tantos males, destruindo corpos e mentes.

Será o haxixe mais perigoso para a saúde do que o tabaco ou o alcool? Será o haxixe mais viciante?

Será o haxixe só por si tão mau como o tabaco?

Ou será que um desculpa o outro, iludindo o consumidor e por esse caminho viciando-o mais e mais, qualquer que seja o produto (s) consumido. 

Ao longo da história do homem houve sempre substâncias viciantes, muito apreciadas e valorizadas. Por prazer e depois por necessidade vamos mantendo e e promovendo o desenvolvimento de enormes negócios de muitas empresas ou poderosos traficantes.

Discutir este assunto é difícil e, provavelmente, inócuo.

Uma curiosidade; em Portugal o número de consumidores de tabaco tem diminuído. Actualmente cerca de 25% dos portugueses e portuguesas ainda fumam.

Quantos consumirão haxixe? Quantos consumirão os dois' E quantos juntarão a isso o álcool em excesso?

AC

 

publicado por alcacovas às 18:39
| comentar
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2012

O Estado Social e o Futuro

 

Queremos "estado" social que, naturalmente, se entende por um estado que nos garante os melhores serviços de saúde, a melhor educação, a justiça rápida e eficaz. O estado que nos garante a segurança, interna e externa. O estado que nos garante uma reforma tranquila e segura.

Queremos justamente o melhor ou, pelo menos, o melhor possível. E isso é missão do estado. E só o estado (de uma forma o de outra) nos pode garantir o melhor, assumindo todas as responsabilidades: garantir os recursos financeiros necessários, escolher os melhores profissionais em cada área, assegurar o bom funcionamento de todas as estruturas materiais e imateriais, gerir da melhor forma todos os recursos, assegurando eficiência, resultados e custos justos e comportáveis.

Ou poderemos desejar o melhor, mesmo que seja necessário limitar, restringir, o papel do estado?

Julgo que boa parte do discurso e discussão dos políticos comporta duas causas fundamentais, que divergem ideologicamente. E que se pode traduzir simplistamente numa questão: mais ou menos estado.

A questão não está em termos ou não os serviços sociais que, na realidade, a todos interessam. Todos queremos boa educação, mas será o estado o melhor gestor das funcionalidades pertinentes desta área?

Todos queremos serviços de saúde de qualidade, se possível gratuitos para toda a gente, mas será o estado capaz de gerir e suportar todos os encargos e responsabilidades?

Todos queremos, em termos gerais, o mesmo. Mas discutimos e discutiremos como alcançar os melhores resultados. Basicamente duas soluções:

-  Um estado pesado, enorme, presente em todas as atividades sociais (e não só). Um estado que faz a lei, que a implementa, que a poe em prática, que a executa, que a fiscaliza, que louva ou castiga os intervenientes.

- Ou um estado que define, legisla, controla e exige, mas não executa. Este estado dá a outras entidades, privadas, a gestão dos serviços e escolhe o melhor, exige, castiga e substitui se necessário.

Um estado que tudo faz, mas não se responsabiliza, que só pode aparentemente ser "castigado" pela mudança dos seus executores. Isto é pelo sufrágio popular de tantos em tantos anos.

Em termos políticos, filosóficos ou o que lhe queiram chamar a questão principal é esta. O povinho quer o mesmo, isto é os melhores serviços sociais possíveis. Os políticos dizem que também querem o mesmo, argumentando com teorias elaboradas, ideologias apuradas e debatidas, em discussões sem fim e, por vezes agressões de todo o tipo.

Terá que ser sempre assim? Será que esta luta é realmente travada pelo bem comum ou não se estará a derivar, cada vez mais, para uma luta de interesses partidários e egoístas?

Será que acreditamos que o "nosso" partido é melhor do que os outros e só porque o são têm sempre as melhores soluções?

Algo está errado. E o erro pode estar no tipo de democracia representativa em que vivemos. Mantemos a nossa liberdade, mas cada vez participamos menos.

O poder centraliza-se, concentra-se, absorve todas as funções. Tem o poder, a cenoura e o chicote.

E, assustadoramente, vemos cada vez mais pessoas e alguns políticos a "empurrar" o país para uma situação tão desesperada que possibilite a aparição de um qualquer messias que nos salvará a troco da nossa liberdade.

Quanto mais "damos" ao estado central, mais agravos se acumulam. A resposta estará em mais participação, a todos os níveis. A diminuir a acumulação de pessoas, serviços, regalias, em grandes áreas urbanas.

O crescimento constante e rápido das grandes urbes restringe as liberdades, concentra poderes, absorve recursos e esconde comportamentos.

Iremos ainda a tempo de descentralizar o poder? Cada vez será mais difícil.

Um exemplo, talvez um mau exemplo, mas veja-se o caso da reformulação do quadro administrativo do país. Uma pequena freguesia extingue-se e os "poderes" (por poucos e limitados que sejam) passam para outra entidade.

Nada a fazer. Já vamos tarde. As freguesias e os concelhos irão sendo eliminados, até à centralização total.

Claro que isto é apenas uma imagem, um exagero, mas…O que será o futuro? O deles, políticos, e o nosso, cidadãos mudos e amorfos? Ou será ainda possível mudar de rumo?

 

AC

publicado por alcacovas às 15:06
| comentar
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2012

A Mostra de Doçaria 2012

 

A Mostra de Doçaria das Alcáçovas atrai muita gente e é indubitavelmente um evento importante na vila e não só. Mas julgo que é tempo de pensar e debater o futuro deste evento.

É tempo de se debater, projetar, renovar e, sobretudo, expandir "fronteiras". Tempo de repensar o que é ou deve ser esta mostra de doçaria.

Precisamos de discutir o futuro, a relação entre espetáculo popular e uma mostra profissional de doçaria.

Doçaria das Alcáçovas? Com dois doceiros profissionais?

Com meia dúzia de receitas, maravilhosas e reconhecidas, mas sempre as mesmas. Mas como renovar, como fazer mais? Pesquisar? Fazer concursos? Criar escola?

A Mostra não pode resvalar para um tipo de evento popular, género feira popular, onde o seu motivo fulcral são os doces locais e não só.

Julgo que é tempo de dar um passo em frente e consolidar a Mostra naquilo que tem sido a base do seu sucesso. Aquilo que a torna diferente, singular, sem nunca ceder a soluções fáceis, mesmo que com algum êxito ocasional.

A Mostra é orgulho e património. Muito foi feito, e injusto seria se não reconhecesse o trabalho feito nestes já longos anos.

Parabéns, mas não cedam. 

A Mostra ou é "doçaria" ou é "feira"? 

AC

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por alcacovas às 11:28
| comentar
Domingo, 9 de Dezembro de 2012

Livros

 

 

Ricardo Miguel Vinagre

publicado por alcacovas às 23:20
| comentar
Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2012

Começa hoje a 13ª Mostra de Doçaria de Alcáçovas

   

  

 

Mais informações na página de internet do Município de Viana do Alentejo e na página do facebook do Município de Viana do Alentejo.

  

  

Entre os dias 7 e 9 de Dezembro deste ano todos os caminhos vão dar a Alcáçovas! Visite a 13ª Mostra de Doçaria de Alcáçovas!

 

Publicado por B. Borges

publicado por alcacovas às 17:52
| comentar
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012

Mudar de comercializador de eletricidade e gás natural


Sessão de esclarecimento da DECO

 

Cine-Teatro Vianense em Viana do Alentejo

Sessão promovida pela câmara.

13 de dezembro 18.00 H.

 

Informações e Inscrições: Agradecemos inscrição para a

sessão até ao dia 12 de dezembro de 2012,

através dos seguintes contactos:

Telefone: 266 930 010 / FAX: 266 930 019

(Linda Baixinho – GADE – Gabinete de Apoio ao Desenvolvimento Económico)

Email: gadecon@cm-vianadoalentejo.pt


AC

 

 

publicado por alcacovas às 17:49
| comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012

A economia vai ter melhor futuro

o DE publica hoje um artigo sobre um estudo de avaliação das escolas europeias de negócios feito pelo FT. O futuro está garantido se estes novos formandos ficarem em Portugal.

 

Ranking do Financial Times que será  publicado hoje coloca a Nova SBE , a Católica Lisbon SBE e a Porto Business School nas melhores da Europa. Nova SBE é a nº 1 portuguesa.   

Há muito boas notícias para o ensino superior português no ‘ranking’ das escolas europeias de negócios que é publicada hoje no Financial Times. A Nova School of Business & Economics (Nova SBE) consegue a proeza de entrar na lista das 30 melhores da Europa, sendo a portuguesa mais bem classificada. A Católica Lisbon School of Economics também sobe na lista, ficando no grupo das quatro escolas que conseguem ter todos os seus alunos no mercado de emprego três meses depois de terminarem os programas. Já a Porto Business School é a única escola portuguesa presente no ranking dos MBA executivos (EMBA), estando no lugar 55 da lista geral.

 

Haja esperança.

AC

publicado por alcacovas às 10:19
| comentar
Domingo, 2 de Dezembro de 2012

13ª Mostra de Doçaria de Alcáçovas - dias 7, 8 e 9 de dezembro!

  

 

  

  

Publicado por B. Borges

publicado por alcacovas às 22:35
| comentar

Piso Sintético do Campo de Jogos João Branco Nuncio

 

   

  

  

Publicado por B. Borges

publicado por alcacovas às 22:29
| comentar

1º de Dezembro de 2012 - Um dia histórico

 

 

 

Julgo não exagerar ao dizer que este foi um dia histórico para a SUA, para o concelho de Viana do Alentejo, mas sobretudo para Portugal e para os portugueses que resolveram abrir mão do seu passado comodismo de gozar os feriados e, num acto patriótico e de evocação histórica e até de empenho nacional se deslocaram até Lisboa para comemorar como nunca até hoje o tinham feito, o Feriado dos feriados,  vulgo o Iº de Dezembro. Não nos esqueçamos que sem o Iº de Dezembro não comemoríamos todos os restantes dias de evocação nacional. A demonstração de vitalidade, de insurgência do povo português perante decisões feitas à sua revelia, sem sensibilidade nem fundamentos, é um cabal aviso aos governantes de quem têm de governar para os portugueses, cumprindo as suas promessas, satisfazendo as sua necessidades mas também respeitando a sua memória histórica. O erro será inevitavelmente corrigido em governos futuros que saberão repor a dignidade que o dia nos merece. As participantes no evento em Lisboa, sobra-lhes a resiliência e a demonstração de força e vontade quem têm em se assumirem como portugueses, livres e independentes, assim como o desejaram os nossos antepassados há 372 anos atrás.

 

Cumprimentos a todos,

 

Frederico Nunes de Carvalho

publicado por alcacovas às 01:26
| comentar | ver comentários (3)

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

De onde nos visitam?

outils webmaster
contador

Pesquisar neste blog