Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012

Livro sobre o Paço dos Henriques - Apresentação pública

 

 

 

 

Frederico Nunes de Carvalho

publicado por alcacovas às 01:37
| comentar
Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012

Workshop Auto-Maquilhagem com Margarida Bagão

maquilh nova data

publicado por alcacovas às 13:14
| comentar
Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

XVIII Corso Carnavalesco - Alcáçovas

cartazCORSOCARNAVALESCO20122

publicado por alcacovas às 11:04
| comentar

Petição em defesa da Língua Portuguesa

Caros leitores e amigos!

Desde já faço um prévio pedido de desculpas por trazer aqui um tema que foge aos meus conteúdos neste blogue: concelho de Viana do Alentejo e sua história e personalidades. Faço-o por necessitar incessantemente de obter mais e mais subscrições para uma petição que lancei recentemente e que visa defender o nosso património cultural imaterial: a Língua Portuguesa. Poderá parece um excesso dizer isto nestes moldes, no entanto assistimos diariamente, quotidianamente, nós portugueses, serena e impavidamente a um acossar de terminologias e estrangeirismos (sobretudo anglófilos) que têm empobrecido de sobremaneira o nosso léxico, já de si vastissímo e riquissímo. Assistimos à aplicação de regras de trânsito em inglês, com vista a facilitar a circulação europeia, assistimos à uniformização do inglês como língua internacional nas mais diversas organizações internacionais (OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte e não NATO - North Atlantic Treaty Organization; FIFA, UEFA, ONU, FMI, UE,...), à introdução crescente de línguas estrangeiras (sobretudo inglês) desde as mais precoces idades escolares e, sobretudo por via da rede(ou internet como a esmagadora maioria dos portugueses gosta de chamar) e da comunicação social e ainda de um certo laxismo do poder central e local ao proliferar de expressões anglófilas que têm vindo a fidelizar-se junto dos portugueses. E daí vai o meu desagrado por verificar que a minha cidade de Évora, também pretende sucumbir a esta tentação de ir adoptando este tipo de terminologias e, desta forma, parece que a original designação escolhida para o centro comercial a inaugurar em 2013, já não será Fórum Évora mas sim Évora Shopping, muito mais fashion, chic e desta forma ao agrado de todo o ppl(abreviatura em linguagem de sms para people e não pessoal).

Curiosamente ou não, no Brasil utiliza-se o termo OTAN e no sinal de STOP está lá escrito PARE( afinal com as mesmas letrinhas do seu homónimo inglês, portanto sem essa desculpa do espaço). Ao invés dessa protecção, em Portugal já não bastavam os inúmeros vocábulos anglófilos associados à Informática e novas Tecnologias, como depois veio a Economia e Gestão com os chairmans e ceo´s, culminando com o tema da Justiça, caindo no ridículo de chamar a um assalto a um automóvel de carjaking e a um simples assalto a uma habitação homejaking, como depois temos o bulliyng para tratar da violência escolar! Bem sei que somos ad eternum um povo subserviente e influenciável, mas gostava de dar um murro na mesa e, nesta dialéctica dizer que basta de termos atitudes obediantes, amorfas e penalizadoras do nosso bem-estar e da nossa própria identidade e idiossincrassias. A quem possa parecer esta uma questão menor, eu pergunto se nós nem nestas questões conseguimos estar unidos e resolvê-las a nossa favor, como podemos esperar que um país inteiro se possa unir para refundar o nosso sistema político-partidário e renovar a Democracia, ficando de braços cruzados à espera de tão sinuoso desfecho? O nosso país será o que dele quisermos fazer e mal vai Portugal se não tiver cá dentro quem o queira defender! Certamente que não é a UE, Espanha, a China que vão defender os nossos interesses ou a nossa Cultura. Não reconheço mérito e coerência a um Governo que defenda o aprofundar das relações lusófonas, do enriquecimento da língua portuguesa e do seu avanço no mundo da globalização, mas depois dentro de portas pratica o inverso, abrindo, aliás, escacarando portas para línguas que não teriam alguma necessidade de serem apoiadas e/ou apaparicadas pela sua já voraz capacidade de penetração na Economia Global.

É um simples gesto sim senhor, é uma mera petição que visa chamar a atenção para o promotor do projecto citado, a EVRET e para a autarquia eborense. Ao final de contas, sensibilizar estas duas entidades para que não pratiquem o mesmo erro de algumas autarquias de cairem no engodo de encetar um processo de anglofilização no comércio local. Isto já é bem patente nalgumas autarquias nacionais, apesar de ainda haver honrosas excepções. Pretende-se com esta petição salvar uma língua, inverter uma tendência, dar um exemplo de estóica defesa pela nossa Cultura, pela nossa Identidade e pela nossa Memória Histórica. Julgo não fazer sentido algum, uma cidade classificada de Património da Humanidade há 25 anos, também devido ao muito do seu Património Cultural Imaterial, como a Língua, usada etnograficamente, toponimicamente, no meio de outras tantas formas, abrir um grave precedente neste âmbito.

Não estou a tecer uma avaliação crítica sobre o desempenho camarário, apenas a exercer um acto de cidadania que gostaria de ver acarinhado pelos portugueses, eborenses ou não.

Quero também aqui ter a ousadia de abrir um bom precedente e, através de uma massiva sensibilização e adesão dos cidadãos à petição em causa, fazer ver à edilidade eborense que o exercício democrático da cidadania deverá ter efeitos práticos junto dos órgãos de poder por si representados. Seria talvez inédito em função de um movimento popular espontâneo, que uma autarquia local alterasse os seus pressupostos inicias, o que só a valorizaria por implicitamente se verificar que ela reconhecia a vontade popular assente na premissa da defesa intransigente da sua Cultura.

Por favor, apelo a todos vós quanto se solidarizarem com esta causa que me auxiliem a torná-la viável, através de um maior número possível de subscrições para comover quem tem a responsabilidade de poder alterar o status quo vigente. Nãso será uma vitória pessoal, será sim uma vitória colectiva de uma vontade popular, será a vitória da língua portuguesa e será inqestionalvemente uma vitória de Évora por se manter na vanguarda da defesa dos valores culturais de Portugal. Évora foi no passado precursora e mobilizadora dos esforços do país para a assunção dos seus valores civilizacionais, entre os quais a Cultura.

 

Aqui fica a ligação para a supracitada petição.

 

Atenciosamente,

 

Frederico Nunes de Carvalho

publicado por alcacovas às 02:53
| comentar | ver comentários (4)
Domingo, 19 de Fevereiro de 2012

Jogo de Treino dos Iniciados do SCA com o Juventude

Alca%C3%A7ovas+0+JSC+5+015

Foto Tirada do Blog do Juventude de Évora

 

A equipa de iniciados do SCA fez um jogo de treino com o Juventude de Évora.

 

Os nossos jovens atletas deram uma boa réplica à equipa de Évora. Não esquecer que a nossa equipa, com a grande maioria dos atletas de 1º ano, jogou contra uma equipa melhor preparada.

 

Apesar das dificuldades encontradas, a nossa equipa não se deixou ficar perante um adversário bastante complicado.

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 13:05
| comentar
Sábado, 18 de Fevereiro de 2012

Pequenos Tesouros do Castelo de Viana

Exemplos de marcas de cantaria de mestres canteiros que trabalharam na edificação do castelo de Viana do Alentejo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espero que tenha sido do Vosso interesse!

 

Frederico Nunes de Carvalho

publicado por alcacovas às 03:26
| comentar | ver comentários (3)
Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2012

Ação de Voluntariado

acao_voluntariado_alc_tras

publicado por alcacovas às 10:14
| comentar
Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2012

Nota artística de Viana

 

O desafio aos ilustríssimos leitores é dizerem onde se encontram estes belos exemplares de pintura mural?

 

Frederico Nunes de Carvalho

publicado por alcacovas às 01:33
| comentar | ver comentários (2)
Domingo, 12 de Fevereiro de 2012

Alcáçovas é a terra dos CHOCALHOS

chocalhos

 

Museu+do+chocalho+de+Alc%C3%A1%C3%A7ovas

 

museu_do_chocalho

 

Alcáçovas é a terra dos CHOCALHOS, por isso estas são algumas fotos do MUSEU DOS CHOCALHOS

 

Visto em http://usenioresag.blogspot.com

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 11:40
| comentar
Sábado, 11 de Fevereiro de 2012

O jardim "estórias" dos mais velhos

Fortunato José Milhano

 

A: Então o que era aqui antes de ser jardim?

Milhano: Era onde as pessoas vinham buscar a erva para os burros, para os burros, para as bestas, para as vacas…

A: O terreno pertencia a quem?

Milhano: À junta. Mas não estava aqui nada.

A: Não havia aqui casas nem nada?

Milhano: Nada, só havia o coreto.

A: Já havia o coreto!?

Milhano: Sim, o coreto já é antigo.

A: E já havia também a taberna do…

Milhano: Não, não havia aqui taberna nenhuma.

A: Não havia ali a taberna do “maravilhas”?

 Milhano: Havia!

A: Já havia, não era maravilhas?

Milhano: E a do… chamavam-lhe… como é que era o nome dele? O Fagulha. Onde está agora o Lopes.

A: Sim, era uma taberna também?

Milhano: Também, era uma “tascazinha”.

A: Então pronto, aqui era erva para os burros e como é que fizeram depois o jardim?

 Milhano: Depois o jardim foi feito com as ajudas uns dos outros. Era a sábados, domingos e feriados é que a gente fazia isto.

A: Mas a junta pagava?

 Milhano: Não.

A: Foram vocês a trabalhar grátis?

Milhano: Sim, grátis. Para fazermos o jardim.

A: Quantas pessoas eram mais ou menos? Lembra-se de alguns nomes?

Milhano: Lembro, o Júlio Isidro, António Maria, o Ciganito…

A: Ciganito? Quem era o ciganito?

Milhano: Morreu. Morava lá ao pé da igreja.

A: Qual é o nome dele de família?

Milhano: Ele era António, a gente era “ciganito”, “ciganito”…

A: Sempre o ciganito. E mais? Havia mais alguém?

Milhano: E era um “carta branca”, ele era Custódio. E então juntávamo-nos ao sábado e ao domingo, cavávamos, tirávamos pedras… e levámos isso tudo, limpámos isso tudo.

A: Não havia árvores aqui?

Milhano: Não, não havia nada. Só havia além aquelas 4 laranjeiras.

A: Ai já estavam ali?

 Milhano: Já, aquelas antigas.

A: Então e quando é que começaram a fazer canteiros e a plantar coisas?

 Milhano: Foi logo a seguir à limpeza da terra.

A: E quem é que fez, digamos o desenho do jardim?

 Milhano: Foi um senhor que já morreu. Era o Angelino.

A: Ele é que fez o desenho do jardim?

Milhano: Sim, ele é que dava, como é que se diz?

A: O traço?

 Milhano: o “orçamento”

A: E o Angelino de que família era?

 Milhano: Mora ali ao pé do seu filho.

A: Ao pé da minha filha?

CATARINA (Filha do Milhano): Foi um senhor que se matou que era filho do tio André. Era Caldeirinha.

A: Então o jardim ficou logo como está hoje?

 Milhano: Sim, ficou como está agora.

A: Então já era mais ou menos assim?

 Milhano: Pois. Fomos a Alcácer do Sal buscar as mudas, o presidente dava-se muito bem com este presidente e fomos lá buscar plantas aos viveiros

A: Não pagaram nada…

Milhano: Não.

A: Foi só transporte?

 Milhano: Só. E então formou-se o jardim e está formado.

A: Levou quanto tempo? Levou meses, semanas? Mais ou menos.

 Milhano: Pois, levou semanas. Aquilo era só nas horas vagas.

A: Pois, era um bocadinho de cada vez.

 Milhano: Isto foi feito só com as ajudas, eram garotos, era tudo o que aparecia…

A: Para dar uma ajudinha.

Milhano: Sim, para fazermos o jardim.

A: E estas árvores grandes?

Milhano: Isto já foi plantado depois.

A: Já foi depois, não é?

 Milhano: Todas.

A: Tem piada. E depois é que fizeram aqui a escola. Já estava aqui a escola?

Milhano: Já, já.

A: Pois. Era a única escola cá da terra, não é?

 Milhano: Pois, depois é que passou para ali.

A: Isso foi mais ou menos por que anos? Mais ou menos à quantos anos?

 Milhano: Há ai uns 30 anos.

A: 30 anos? Ou mais! Portanto, o coreto fez o ano passado 80 anos.

Milhano: Já foram à 40 ou 30 anos que o jardim foi formado.

A: Mais 40 que 30, se calhar.

 Milhano: Então eu estive aqui 33, já abalei daqui há 10 anos. Pois, deve ser isso sim senhor.

A: Os 40 anos?

 Milhano: 40 anos. Isto não havia aqui nada.

A: Agora temos aqui um jardim muito agradável. Sim senhor, muito obrigado.

 

 AC

publicado por alcacovas às 18:45
| comentar
Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2012

Terras Dentro - Workshop Auto-maquilhagem com Margarida Bagão

automaquilhagem

 

Enviado para Publicação

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 18:34
| comentar
Sábado, 4 de Fevereiro de 2012

Namoros "estórias dos mais velhos"

José Augusto Henriques

 

A: Então o que é que fazia com as namoradas?

José: Fazia muita coisa…

A: Conte lá uma história de uma namorada. Uma que lhe tenha dado uma tampa. Nunca levou uma tampa?

J: Não, eu é que a tampei a ela. Então namorava, a gente ia namorar ai às portas com elas, né? Elas punham-se na obreira, a gente punha-se encostados lá ao capote e toma, às tantas embrulhávamo-la no capote .

A: Para aquecer.

J: Pois para aquecer. E pronto ali estávamos na boa, estava frio mas estava lá aquilo metido.

A: E no verão? No verão não havia capote.

J: Não, no verão íamos assim livres, pronto. Íamos livres, pronto levávamos a roupa normal e era mais às escondidas, íamos por aqui ou por além, e tal não podíamos estar em qualquer lado. No inverno tínhamos os capotes é que era à vontade . Estávamos descansados, podia passar quem quisesse porque os que passavam no viam quem é que estava aqui no meio do capote. Fazíamos a vida assim. E pronto foi a vida assim, e depois nos bailes, o homem ia bailar com elas.

A: E houve uma que o apanhou a si.

J: Não, não.

A: Nunca casou?

J: Casei.

A: Então foi apanhado.

J: Pois eu casei. Por acaso tive quase, sei lá, 20, 25/30 anos casado. Agora há 14 que sou viúvo, mas ainda dou por ai umas voltinhas e tal. Ainda vêm ter comigo.

A: Ainda usa o capote?

J: Ainda, ainda. Olha logo à noite se me vir, eu saio sempre com o capote.

A: E não põe nada dentro do capote?

J: Não. Agora não ponho nada. Agora não arranjo mais nada.

 

AC

 

publicado por alcacovas às 11:23
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

De onde nos visitam?

outils webmaster
contador

Pesquisar neste blog