Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2007

Videos da Tourada na Feira das Alcáçovas, em 22 de Julho de 2006

Para os aficionados basta carregar aqui  http://toreio.no.sapo.pt/alcacovas.htm para verem vídeos da tourada da última feira das Alcáçovas.

Contém imagens de:

1) Francisco Núncio;

2) Joaquim Bastinhas;

3) Marco José;

4) Forcados Amadores de Cascais.

 

Editado por António Costa da Silva

 

publicado por alcacovas às 19:55
| comentar | ver comentários (1)

Um elogio aos "porcos"

Um fazendeiro coleccionava cavalos e só lhe faltava uma determinada raça.

Um dia ele descobriu que o seu vizinho tinha este determinado cavalo e atazanou-o até conseguir comprá-lo.

Um mês depois o cavalo adoeceu, e ele chamou o veterinário:
- Bem, o seu cavalo está com uma virose, é preciso tomar este medicamento durante 3 dias, no terceiro dia eu retornarei e, caso ele não esteja melhor, será necessário sacrificá-lo.

Neste momento, o porco escutava toda a conversa.
No dia seguinte deram o medicamento e foram embora.

O porco aproximou-se do cavalo e disse:
- Força amigo! Levanta daí, senão serás sacrificado!!!
No segundo dia, deram o medicamento e foram embora.

O porco aproximou-se do cavalo e disse:
- Vamos lá amigão, levanta-te senão vais morrer! Vamos lá, eu ajudo-te a levantar... Upa! Um, dois, três.
No terceiro dia deram o medicamento e o veterinário disse:
- Infelizmente, vamos ter que sacrificá-lo amanhã, pois a virose pode contaminar os outros cavalos.
Quando foram embora, o porco aproximou-se do cavalo e disse:
- É agora ou nunca, levanta-te depressa! Coragem! Upa! Upa! Isso, devagar!
Óptimo, vamos, um, dois, três, agora mais depressa, vá... Fantástico! Corre, corre mais! Upa! Upa! Upa!!! Tu venceste, Campeão!!!
Então, de repente o dono chegou, viu o cavalo a correr no campo e gritou:
- Milagre!!! O cavalo melhorou. Isso merece uma festa... "Vamos matar o porco!!!"

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 16:47
| comentar

TIREM-ME DAQUI, PORRA!!!

000209bd

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 16:06
| comentar

O referendo, ferramenta cívica

Um estudo feito pelo Instituto de Ciências Sociais, sobre o recurso ao referendo, apresenta conclusões que podem à primeira vista, parecerem surpreendentes.

Depois dos resultados obtidos nos dois primeiros referendos, regionalização e aborto, realizados há uns anos, o terceiro (aborto, também) atingiu um nível de participação superior, ainda que abaixo dos 50%.

O estudo em causa foi procurar saber o que é que os portugueses pensam sobre este instrumento numa democracia representativa.

Será que os portugueses não querem referendos, não participam, não se interessam?

Pois uma maioria significativa veio afirmar que deseja que o Estado continue a usar este instrumento de consulta, considerando-o importante e adequado num regime democrático.

O facto de a participaçaoser maior ou menor, deriva da questão debatida, com maior ou menor envolvimento das pessoas. Foi o caso do aborto que não motiva muitas pessoas ou pela idade, ou até por razões pessoais.

E, o que não será surpresa, são os jovens que mais valorizam o referendo, diminuindo esta valorização entre os mais idosos.

Outra indicação, que também não será de espantar, é que os dirigentes, os políticos, não mostrem grande entusiasmo pelo referendo.

Porque será? Será pelo custo? Será pelo "receio" de envolverem o povo nas decisões políticas (que são só para os políticos). Será pelos riscos políticos, a meio de um mandato, de  consultar os eleitores?

Eu acredito totalmente na bondade do referendo como forma, relativamente simples e rápida, de consultar o eleitorado em matérias muito importantes e controversas.

É um instrumento a usar após consideração profunda do assunto a plebiscitar que requer, ainda e também, um grande esforço por parte dos dirigentes políticos, no sentido de informar e motivar os eleitores sobre o interesse e alcance deste instrumento democrático.

Até agora só fizemos 3 referendos, a nível nacional. Em 33 anos de democracia não é muito. 

O referendo poderá, também, ser utilizado para problemas a nível regional, local. O que poderá ser até mais interessante.

E, convém lembrar, poderemos a curto prazo usar meios informáticos para fazer estas consultas, o que baixará os custos e poderá aumentar os níveis de participação.

 

AC  

publicado por alcacovas às 15:06
| comentar

A Olaria Tradicional

 


Preparação da Pasta

O barro utilizado pelos oleiros de Viana do Alentejo era retirado de umas barreiras situadas na Herdade dos Baiões, a 3 km da vila. Pertencia esta propriedade à famíla Cabral, que há bastantes anos tinha doado o barro aos oleiros de Viana, mediante o pagamento por parte deste de um foro, em peças de barro. Depois esta herdade transformou-se numa U.C.P., continuando os oleiros a usufruir dos mesmos direitos sobre o barro.


A argila é cavada nas barreiras e transportada em carroças para as diversas olarias. Aqui, onde o ambiente tem um aspecto particular, dado pela humidade, pela lama e pela fraca iluminação, começa a preparação do barro.

O processo utilizado pelos oleiros (à excepção de um, que já utilizava uma máquina para o efeito) é o tradicional, bastante rudimentar, e que passamos a descrever de seguida:

O barro é exposto ao sol para que se possa partir mais facilmente em pequenos bocados («misgalhar o barro»). Sobre a argila partida é deitada água, de preferência com um regador, para que esta seja totalmente absorvida. É usual fazer-se esta operação ao fim do dia, para que durante a noite o barro vá amolecendo. Seguidamente, o barro é amassado com a mão e colocado num monte. O leiro sobe para ele e, colocando um pé ao centro, servindo de apoio, roda no sentido dos ponteiros do relógio, esmagando os bordos com o calcanhar, que progressivamente se vai enterrando.

Logo que a espessura do barro atinge 5 cm aproximadamente, o oleiro dá por terminada esta fase do trabalho. Passa de seguida À detecção de impurezas e corpos estranhos, utilizando para o efeito a sua própria mão que faz passar por pequenos blocos de barro. Todo este trabalho de preparação do barro demora cerca de hora e meia, e a partir desta última operação o barro está pronto a ser trabalhado na roda.


A Roda

A roda mais antiga, e a mais simples, é denominada roda baixa, movida com a mão. Era utilizada já pelos egípcios, como testemunham os frescos de há 2000 anos antes de Cristo, existentes nos túmulos de Tebas e reproduzidos por A. Brongniart e Joaquim de Vasconcelos, nos seus estudos sobre cerâmica.

Este tipo de roda,era utilizado em muitas regiões de Portugal, principalmente no Norte do País. Não há vestígios de rodas deste tipo primitivo no Alto Alentejo. Os oleiros alentejanos utilizam outro tipo de roda, mais alta, accionada com o pé e de origem árabe.

A roda é o principal utensílio do oleiro. Está montada numa espécie de mesa denominada «arquina», onde é colocada uma placa de madeira, uma tigela com água e as «pelas» (ou blocos) de barro.

É difícil trabalhar na roda, exige grande vocação, prática e perseverância, para se conseguir uma sincronização perfeita entre os pés e as mãos. O pé imprime o movimento e controla a velocidade, enquanto as mãos vão transformar o bloco de barro, colocado sobre a roda, subindo-o, alargando-o, até se tingir a forma final que o mestre idealizou. Cortando a peça pela base com o fio ou arame, a peça é retirada e colocada numa placa de madeira.

As peças, depois de moldadas, ficam a secar em prateleiras ou no chão, de maneira a ficarem apenas com 7 a 10% de humidade; só depois podem ir a cozer. O tempo de secagem é variável, dependendo de vários factores: espessura da peça, condições das instalações e condições atmosféricas.

Os Fornos

Os fornos de Viana do Alentejo eram geralmente construídos nos pátios dos oleiros. Eram descobertos, sem chaminés, protegidos dos ventos por paredes de alvenaria, geralmente cobertos por uma abóboda protegida com telhas.

Podemos dividi-los nas seguintes partes: caixa, boca, caldeira e arcos.

As peças ao serem colocadas no forno (operação de «enforna»), têm de obedecer a uma técnica apurada, de maneira a que o fogo seja distribuído de modo igual para todas elas. A lenha é introduzida lentamente (duas a quatro horas), (período «resquente»), evitando-se assim a mudança brusca de temperaturas, que poderia ocasionar que todas as peças se quebrassem. O tempo de cozedura é variado, dependendo da posição das peças no forno, da qualidade e da quantidade de lenha. Normalmente a cozedura é feita durante a noite, pois este tipo de fornos não tem qualquer indicador de temperatura, tendo o oleiro que espreitar a cor das peças, através de uma vigia para saber se já estão cozidas, colocando, no caso da cozedura ainda não estar acabada, mais lenha sobre as peças mais cruas.
Visto no "Viana e Tal"

Em: ESTIG - Int. Politécnico de Beja
Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:14
| comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2007

BELAMENTE

És tu,

A al-qaçaba imaginária

Reinscrita dum frágil palimpsesto,

Esperando que te descubram

 

És tu,

Ingénua, mas com tanta sabedoria,

Quem desafia a arrogância

Dos néscios do presente.

 

És tu,

Que respondes àqueles que te questionam

Com um miríade de perguntas,

Apenas, com um doce

Belamente

 

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 17:51
| comentar

NOVAS VIAGENS

TREVAS DE LUZ

 

 

Richard Zimler

 

Sinopse
”Após uma amarga separação de sua mulher, Bill Tícino vê-se a viver só, em S. Francisco, assediado pela solidão e pelo mesmo medo do escuro que o perseguia na infância. Começa a imaginar espíritos a surgirem das trevas, prontos a castigá-lo, e mesmo a pedir-lhe a vida.


A fim de apaziguar os seus medos, Bill aluga os quartos das traseiras da casa a um cativante mas misterioso português, chamado Peter. Originário de Angola, Peter afirma ter recebido uma formação como contador de histórias, e Bill deixa-se prender pelos seus contos exóticos e perturbantes, carregados de emoção.


À medida que a amizade entre eles cresce e Peter vai demonstrando capacidades e uma sensibilidade fora do comum, Bill pressente que o seu inquilino talvez não seja como as outras pessoas.
Mas qual será o segredo da sua natureza ímpar, das suas estranhas capacidades?
Será Peter realmente um ser cuja origem remonta a um tempo e a um lugar mitológicos - como pretende sugerir - ou terá simplesmente criado a impressão de um poder misterioso, como um mágico hábil?


Seriam as suas histórias inquietantes meras criações de uma mente perigosamente desequilibrada?
Aos poucos Bill convence-se que não foi tanto ele a escolher Peter como inquilino, mas antes este o escolhera - e o medo do escuro vai sendo substituído por terrificantes especulações sobre as razões que o terão trazido a sua casa.


Em parte uma história moderna de «suspense», e em parte uma história de mitos, e uma viagem espiritual, a escrita de Trevas de Luz processa-se a diferentes níveis, dentro do estilo do autor de O Último Cabalista de Lisboa.”

O CODEX 632

 

José Rodrigues do Santos

 

Sinopse

“Uma agradável surpresa do conhecido jornalista Português. Demonstra uma busca exaustiva para conseguir coordenar a ficção com factos históricos juntando a um tema polémico (a identidade de Cristóvão Colombo) o romance em paralelo de um professor universitário com uma aluna e os problemas que uma família tem para criar uma filha deficiente. José Rodrigues dos Santos, tem uma escrita agradável e relativamente simples de seguir mas, ao querer demonstrar o seu trabalho de investigação, tornou o CODEX 666 um pouco parado e, convenhamos, um livro com mais de quinhentas paginas tem de levar o leitor a querer virar a pagina seguinte até chegar ao fim, e não encher páginas e páginas para descrever uma única acção. Medindo os prós e os contras, se gosta de temas relacionados com a história de Portugal e descobrimentos e se procura um bom livro de um autor português, não vai ficar decepcionado.”

 

In “Livraria Leitura”

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 17:00
| comentar

Mais uma atleta a representar Alcáçovas a nível nacional

A atleta Lindaura Serafim da A.C.R.A participou no campeonato zonal de Juvenis, que se realizou na Cova da Piedade no qual se apurou directamente para o campeonato Nacional de Juvenis organizado pela Federação Portuguesa de Judo.


O campeonato irá ser realizado este sábado, dia 3 de Março de 2007, no Pavilhão n.º 1 do Estádio Universitário de Lisboa.

O programa da prova pode ser consultado em:

 

http://www.fpj.pt/Default.aspx?tabid=690

João Mestre
publicado por alcacovas às 12:39
| comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2007

"OS GRANDES PORTUGUESES" EM ALCÁÇOVAS

Será transmitido na 3.ª feira, dia 27 de Fevereiro, pelas 23h00m, o documentário sobre D. João II, para o programa que pretende eleger o Maior Português de Sempre.

Algumas partes deste documentário foram gravadas em Alcáçovas, apresentadas pelo Dr. Paulo Portas e que se passam em alguns locais que marcaram a vida do monarca nesta vila, tais como o Paço Real da Vila e a Praça da República.

Para quem não vê nenhuma ligação entre D. João II e esta vila alentejana, aqui fica uma breve nota biográfica do monarca:

Não é fácil compor o rascunho da vida de D. João II. O cognome “o Príncipe Perfeito” assenta-lhe como uma luva. Enquanto o pai guerreava contra os vizinhos castelhanos, o príncipe herdeiro preparava a expansão portuguesa. Era um homem esclarecido, com “extraordinária visão estratégica”, afirma Fernando Nobre, presidente da Fundação AMI e um apaixonado pela história de Portugal. D. João II introduziu a idade moderna no País. “Tinha um projecto extremamente avançado”, diz, por sua vez, o historiador Rui Afonso. Um projecto simultaneamente administrativo, cultural e económico.

D. João nasceu em Maio de 1455, filho do rei D. Afonso V e de D. Isabel de Urgel. O infante tinha 16 anos quando participou, ao lado do pai, na conquista de Arzila, praça-forte do Norte de África. Foi um baptismo de guerra para o príncipe herdeiro. Consta das crónicas que foi armado cavaleiro nesse mesmo dia.

Em 1474 D. Afonso V entregou a D. João a política de expansão marítima do reino. O infante enveredou por um caminho diferente do que o pai tinha seguido. Em vez de se concentrar no Norte de África, decidiu expandir para o Sul. O grande objectivo era a descoberta de uma passagem para o oceano Índico. D. João II olhava para o mundo questionando-se constantemente como ele funcionava. “Percebeu que, para Portugal ser uma grande potência, tinha de dominar o Índico”, salienta o escritor Manuel Margarido. Esta política conduz à assinatura do Tratado de Alcáçovas - Toledo, em que Portugal aceitava partilhar com Castela o oceano Atlântico pelo paralelo das Canárias. Isto proporcionou a hegemonia de Portugal em África e protegeu aquela que seria conhecida como “rota do cabo”. “D. João II soube defender o seu projecto de exploração marítima, tanto interna como externamente”, diz o tenente Gonçalves Neves, investigador do Museu de Marinha. No meio destas tarefas, casou com D. Leonor, uma das filhas do infante D. Fernando, irmão de Afonso V.

O reinado de Afonso V foi marcado por lutas constantes com Castela. A guerra obrigava o rei a ausentar-se muitas vezes. Delegou, então, o poder em D. João. Quando o conflito terminou, o governo estava, de facto, nas mãos do infante, que impediu o pai de se lançar em novas aventuras bélicas.

D. Afonso V morreu em 28 de Agosto de 1481. D. João II foi reconhecido como rei - “alevantado”, como se dizia na época - três dias depois, em Sintra, sendo o juramento do reino realizado em Évora, em Novembro seguinte, antes da reunião das Cortes, convocadas para o efeito. Não tardou a revelar uma maturidade política impressionante. Começou por promover a centralização e modernização do governo. “Criou um Estado aberto a novas ideias”, lembra o padre Vítor Melícias. Porém, o reino não estava em situação fulgurante. O estado das finanças era tal que D. João terá mesmo dito: “Herdo apenas as estradas de Portugal.” A prioridade foi fortalecer o seu poder. Como tal, lidou de forma implacável com a alta nobreza. Mandou prender ou assassinar personalidades como D. Fernando, duque de Bragança, ou D. Diogo, duque de Viseu. Tinha uma energia e uma tensão de fera pronta a atacar a presa. “Era um homem de paixões, por vezes cruel, mas que não deixava de ter um grande sentido de justiça”, conta Manuel Margarido. Equilibrou os poderes entre o clero, a nobreza e o povo. “Foi um homem que fez de plebeus cavaleiros”, acrescenta Fernando Nobre.

Para além de notável estadista, D. João II revelou-se um exímio diplomata. Na política externa, de facto, sempre preferiu usar a diplomacia - não a guerra. Esta era uma das características mais marcantes da personalidade do rei. Nas mais complexas decisões, com margem de manobra limitada pela própria natureza dos actos, conseguia criar uma onda de consensos à sua volta. “Teve uma estratégia bem delineada para a projecção de Portugal além-fronteiras”, relata Fernando Nobre. Se fossem concretizadas em ambiente de guerra, as viagens de Diogo Cão ao longo da costa africana e a expedição de Bartolomeu Dias à ponta de África teriam sido bem mais difíceis.

“A viagem de Bartolomeu foi particularmente importante. Abriu as portas ao plano que D. João II tinha na cabeça: a chegada à Índia”, lembra escritora Ana Maria Magalhães. A viagem de Cristóvão Colombo e a descoberta de novas terras vieram acelerar a necessidade de criar um novo tratado que garantisse os interesses de Portugal. Em 1494 foi assinado o Tratado de Tordesilhas, que dividiu o chamado “Novo Mundo” entre as duas potências atlânticas. Antes de chegar ao tratado, D. João usou vários recursos, entre os quais a pressão política e a espionagem. “D. João II tinha muitos espiões”, conta a directora do Palácio Nacional da Ajuda, Isabel Silveira Godinho. Nestes aspectos delicados da gestão do Estado, era um equilibrista da melhor estirpe. Descobrir o que a outra potência sabia sobre rotas e novas terras era uma questão de vida ou de morte. Durante as negociações do Tratado de Tordesilhas, D. João II lutou para que a linha divisória ficasse a 370 léguas a oeste de Cabo Verde, e não a 100, como estava previsto. Há várias teorias para explicar esta insistência. Especula-se que já se sabia da existência do Brasil. Para o historiador Jorge Couto, a única certeza é que, sem este traçado, “Portugal não teria qualquer posição no continente americano, ficando confinado a África e Ásia”.

Estes sucessos foram ensombrados pelo problema de sucessão causado pela morte do filho de D. João, o infante D. Afonso. O rei ainda pensou nomear o seu filho ilegítimo, D. Jorge, mas a solução poderia causar conflitos internos. Escolheu, por isso, nomear para seu sucessor D. Manuel, irmão da rainha, no testamento datado de 20 de Setembro de 1495, redigido em Alcáçovas. “Colocou os interesses do reino acima de tudo, incluindo do seu afecto pelo filho D. Jorge”, declara Jorge Couto. O rei morreu no Algarve em Outubro de 1495.

Aquando da morte de D. João II, Isabel de Espanha terá dito: “Morreu ‘o homem’!” A frase confirma a grandeza de um rei que foi um dos primeiros homens de sempre a ter uma visão global do mundo. “Foi ele que levou Portugal a construir o império do século XVI”, remata o comandante Rodrigues Pereira, director do Museu de Marinha.

Não percam este programa sobre um Grande Português, que viveu e dignificou a nossa Vila de Alcáçovas!

Abraços, Luís Mendes

publicado por alcacovas às 23:09
| comentar | ver comentários (3)

O FIM-DE-SEMANA DO S. C. ALCAÇOVENSE

Resultados:

Infantis:

Sport Club Alcaçovense - Juventude de Évora (6:0)

00053y0g

0005472s

00055wxx

000564w8

00057kh6

Golos de Carlos Porfírio 4; João David 1; Tiago Casimiro 1

Melhor Jogador em Campo: Carlos Porfírio

Escolas:

Sport Club Alcaçovense - Juventude de Évora (0:2)

000589br

00059yx8

0005a0b7

 

Séniores:

Giesteria - Sport Club Alcaçovense (1:0)

0005b76q

0005ce9r

RESULTADOS DA 1ª DIVISÃO DISTRITAL ÉVORA - A:


Giesteira 1-Alcaçovense 0
Viana 1-Cabrela 3
Brotense 1-Arraiolense 1
Cortiço 2- StºAntónio 1
Aguiar 2-Luso 2

CLASSIFICAÇÃO
1-Santana 37
2-Cabrela 33
3-Viana 32
4-Santo António 27
5-Cortiço 25
6-Arraiolos 23
7-Giesteira 23
8-Morense 21
9-Alcaçovense 19
10-Brotense 13
11-Aguiar 2

 

Pela Direcção do SCA

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 16:01
| comentar | ver comentários (2)

"A última grande democracia!!!!"

Retirado do último avante: http://www.avante.pt/noticia.asp?id=18408&area=25

Basta ler para se perceber o que no PCP se entende por grande democracia.

Que tipo de regime é?

"(...) a cada revolução se aperfeiçoavam as formas democráticas de governo e novas classes acediam ao voto e assim à gestão da coisa pública. Os finais do século XVIII deram à luz duas grandes democracias – a Americana, baseada em grande parte no trabalho escravo; a Francesa que logo expulsou o povo do poder, dando lugar aos exclusivos interesses da burguesia, varrendo da Europa o poder feudal dos aristocratas. Finalmente a Russa, levando ao poder quem trabalha e aniquilando os privilégios das classes que antes exploravam os trabalhadores.


Derrotada pela traição interna e pelo cerco imperialista, da democracia soviética, a mais perfeita até hoje alcançada pela humanidade, restam poucos focos no mundo que resistem. Mas outros se levantam.


Hoje, porém, a democracia «novíssima» de Bush é que dá o mote das outras todas e impõe os seus «direitos humanos» – o direito de explorar e de matar quem se não vergue.


Por cá, um novo Sócrates, colaborador servil de Bush, impõe a sua democracia."

 

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 15:17
| comentar

Porque será que eles não ficam em casa?

Retirado do Pitecos

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 15:02
| comentar
Domingo, 25 de Fevereiro de 2007

A malta do andamento

Realizou-se hoje mais uma jornada do nosso grupo de adeptos da marcha e do ar puro. Mas, aqui confesso, o tempo fez-nos uma partida a que respondemos com "juros". Estava previsto um almoço surpresa no monte da nossa companheira Maria Gertrudes que com a ajuda e apoio do marido, o Sr. Simão, nos recebeu com todas as honras.

0005e352

Foi uma tarde maravilhosa, comemos bem, bebemos do bom (com moderação) e conversámos sobre mil e uma coisas, desde recordações do passado, das malandrices que se faziam, dos trabalhos e das alegrias, Falámos dos nossos passeios, cantámos, dissemos versos.

0005d81w

Divertimo-nos de forma simples, com alegria sã. Seria difícil passar uma tarde tão agradável, num dia cinzento e chuvoso. E decidimos fazer o passeio em falta no próximo Domingo se o tempo nos ajudar.

0005fse0

Dia 4 lá estaremos às 09.30 junto ao quiosque do Chencho para o passeio em dívida.

0005gde5

0005hc4z

Das muitas estórias e quadras trocadas durante a tarde deixo-vos aqui uma pequena amostra. 

 Quadras:

Bebo este copo de vinho
E fica-nos de lembrança
Viva a nós e tambem
A quem está lá em França     Aida

Eu tive aqui um almoço
E foi que nem um pitéu
Pois foi feito com gosto
Pela mãe da menina Céu       Aida

Vim aqui almoçar
E não fiz nenhum rego
Pensava que era galinha
Mas no fim saiu borrego      Bela

Eu bebo este copo de vinho
E tenho o copo na mão
Vivam todos quantos estão
E viva o senhor Simão        Aida

Estou aqui muito contente
E não digo nenhuma asneira
Vivam todos quantos estão
E viva a boa cozinheira      Bela

Os olhos do meu amor
São grandes como rodas de carro
Atravessam-se na estrada
E não deixam passar ninguém  Bela

Estamos aqui na da Gestrudes
Depois de grande almoçarada
Com pitéus de boas virtudes
Foi uma tarde abençoada      André

AC

publicado por alcacovas às 20:40
| comentar | ver comentários (1)

Prémio Vergílio Ferreira atribuído a Vasco Graça Moura

Vasco Graça Moura

 

O Prémio Vergílio Ferreira, criado pela Universidade de Évora em 1997, para galardoar ensaístas e/ou romancistas de língua portuguesa, foi atribuído este ano a Vasco Graça Moura.
Como é da tradição, o Prémio será entregue em cerimónia pública a realizar no dia 1 de Março, aniversário da morte de Vergílio Ferreira.
Ricardo Vinagre
publicado por alcacovas às 20:35
| comentar
Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007

Sem dúvida que Aqui há Talento!!!

 

Ricardo Vinagre

publicado por alcacovas às 15:11
| comentar | ver comentários (1)

Zeca Afonso

Como é óbvio não tive a oportunidade conhecer Zeca Afonso em vida. No entanto isso não me
impedio de crescer a ouvir musicas e canções dele.
Lembro-me dos, 25 de Abril de quando eu era criança em que participavam muitas pessoas e iam sempre muitos tractores com as roulotes muito enfeitadas e com muita gente em cima a dar vivas à liberdade. Talvez tenha sido ai que eu ouvi Zeca Afonso pelas primeiras vezes cantado por grupos corais.
Hoje em jantaradas à volta da mesa é quase certo que surja uma canção do Zeca, que termina a ser cantada a uma só voz.
Zeca Afonso é para a minha geração o Homem que cantou a Grândola na noite de 24 para 25 de Abril de 1974. É sem duvida nenhuma, o Homem que cantou para a Liberdade.
Faz hoje 20 anos que Zeca Afonso nos deixou.
Ricardo Vinagre
publicado por alcacovas às 14:50
| comentar

POBRETUS MAS ALEGRETUS...

"Portugueses entre os mais pobres da União Europeia

[pobretes.jpg]

Portugal é um dos países da União Europeia onde o risco de pobreza é mais elevado, sobretudo entre as pessoas que trabalham, apesar de vários Estados-membros terem níveis de riqueza muito inferiores.

De acordo com dados ontem publicados pela Comissão Europeia, 20 % dos portugueses viviam em 2004 abaixo do limiar de pobreza – fixado em 60 % do rendimento médio nacional depois de incluídas as ajudas sociais – contra uma média comunitária de 16 %.

Em Portugal, afirma Bruxelas, "o risco de pobreza após transferências sociais, e as desigualdades na distribuição dos rendimentos (rácio de 8,2 em 2004) são das mais elevadas na UE". As crianças – 24 % - e os idosos com mais de 65 anos - 28 % - "constituem as categorias mais expostas ao risco de pobreza"."

 

"612.300 portugueses no desemprego no final de 2006

Um dos argumentos que este governo mais tem utilizado na sua campanha de propaganda para convencer os portugueses de que se estaria a verificar a retoma económica é precisamente que o desemprego estaria a diminuir de forma continuada.

Mas o INE acabou de publicar os dados do desemprego referentes ao 4º Trimestre de 2006. Eles mostram que aquela afirmação do governo não tem qualquer sustentação real. A política económica centrada na obsessão do défice está a determinar não só o aumento do desemprego como também a destruição líquida de emprego.

Assim, de acordo com o INE, no final de 2006 o número oficial de desempregados atingiu 458.600 portugueses. Isto corresponde a uma taxa oficial de desemprego de 8,2% (quando o governo Sócrates tomou posse o número oficial de desempregados era de 389.700 e a taxa oficial era de 7,1%). No entanto, se somarmos ao número oficial de desempregados todos aqueles que estão no desemprego mas que não são incluídos no mesmo, que constam também das estatísticas divulgadas pelo INE (os chamados "Inactivos Disponíveis" e o "Subemprego Visível), ou seja, aquilo a que chamamos desemprego corrigido, o número total já atingia 612.300 portugueses, o que correspondia a uma taxa de desemprego corrigida de 10,9%.

Por outro lado, verificou-se no 4º Trimestre de 2006 uma destruição líquida de emprego, pois o número de empregos (postos de trabalho) no nosso País diminuiu, entre o 3º Trimestre/ 2006 e o 4º Trimestre de 2006, de 5.187.300 para 5.142.800, ou seja, menos 44.500 postos de trabalho. (...)"


Eugénio Rosa
16/Fevereiro/200

Artigos retirados do Mais Évora

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:52
| comentar

CAMINHADA – DOMINGO ÀS 9:30H NO JARDIM PÚBLICO DAS ALCÁÇOVAS

No próximo domingo, dia 25, pelas 9h30, o grupo A Malta do Andamento vai efectuar uma nova caminhada.

 

Mais uma vez será escolhido um novo percurso, onde se poderá informar que será a Norte de Alcáçovas.

 

A manhã será encerrada com uma bela surpresa.

 

Não falte.

 

António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:37
| comentar

POEMAS DE VIRGINIA MARECO

Apresento o poema com que a jovem Virginia Mareco ganhou o 2º prémio, na modalidade poesia, da V Edição dos Jogos Florais do Concelho de Alvito, no dia 24 de Setembro de 2006.

Alvito, Ilustre Concelho

 

Alvito, rosto de cal,

ruas alvas, limpas, calmas,

Alentejo ao natural,

reconforto para as almas.

 

Pórticos manuelinos

nas ruas bem alinhadas.

Um povo que inspira hinos,

letras em grave cantadas.

 

O solar acastelado

(hoje em dia é pousada):

por Dom João ideado,

de Dom Manuel morada.

 

Mãos de canteiros maurescos

deram edificação

de retoques pitorescos

ao Santo Sebastião.

 

Estrutura quinhentista

na Greja de Santo António;

o estilo renascentista

na matriz do património.

 

O solar de Água de Peixes,

eco das “cortes de aldeia”.

Relógio de sol não deixes

de ver, quedo, a ganhar teia.

 

Oliveiras centenárias

são esculturas caprichadas

e as hortas refractárias

têm terras amanhadas.

 

A barragem tem no meio

ilhotas a flutuar;

para muitos é recreio

onde se aprende a pescar.

 

De “alvitre” o nome provém

quando um touro que escapou

preso por dois homens vem:

“Alvitre!” o povo gritou.

 

De São Roque, bela herdade,

Alvito tem descendência.

De Estêvão Anes saudade

por anexar com prudência.

 

Da primeira baronia

foi sede em Portugal.

Vila Nova é freguesia

com um nome original.

 

Em Vila Nova, a capela

de azulejos coloridos

e também passam por ela

comboios esbaforidos.

 

À vista, os pelourinhos,

um em cada freguesia,

onde pousam passarinhos,

castigos em demasia.

 

Raul de Carvalho é

o poeta natural

deste concelho de fé

com ermidas sem igual.

 

Coisas em pele e bordados

o artesanato são.

Migas, gaspacho, ensopados,

presunto, enchidos e pão.

 

Festas da Vila em Agosto,

Feira dos Santos, Novembro,

graças p’ra todos os gostos

desde Janeiro a Dezembro.

 

Alvito é de visitar

já que mui há para ver.

Um concelho a explorar,

património a não perder.

 

Virgínia Mareco

 

Parece-me interessante poder mostrar estes trabalhos de promissores talentos. Naturalmente, o prazer aumenta quando estamos a falar de pessoas das Alcáçovas ou do concelho.

Parabéns Virginia

Editado por António Costa da Silva

publicado por alcacovas às 12:02
| comentar | ver comentários (2)

Cerrado...

Agradeço a todos aqueles que tiveram, muitas vezes, infinita paciência para me ouvir e retorquir afirmações que aqui, durante algum tempo foi manifestando. Bem ou mal, chegou o final!! Estou neste momento, numa nova etapa da minha vida que me acresce de responsabilidades: trabalho, estudo num novo país e a paternidade que aí se aproxima. Tudo isto e, um respeito que me merece o extraordinário grupo do blogue Alcáçovas, apelaram a um período de reflexão e de silêncio, conquanto em momento que sinta oportuno pense voltar!!

Não é um abandono definitivo, mas sim uma pausa para poder "digerir" estes últimos tempos de avassaladoras novidades e trabalhos e de tentar dignificar a camisola que aqui, à minha modesta maneira, tentei fazer. Não julgo justo escrever aqui de forma ocasional, para não dizer mesmo, esporadicamente!

Continuem a fazer um trabalho de apresentação, dignificação, não apenas da vila das Alcáçovas, como de todo o concelho de Viana do Alentejo, pois estas terras e suas gentes merecem-no. Foi um prazer estar aqui num espaço de pessoas que falam de sítios que me dizem tanto, onde apresentam  ambições, projectos, intenções, sonhos...qualquer coisa que nos faz voar bem alto!!

Um abraço a todos vós que aqui ficam de alguém que parte, mas não vos esquece, certamente!!

Frederico

publicado por alcacovas às 00:20
| comentar | ver comentários (2)

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

De onde nos visitam?

outils webmaster
contador

Pesquisar neste blog