Quarta-feira, 31 de Maio de 2006

***

Nem mais, nem menos. Completamente de acordo!

rmgv
publicado por alcacovas às 23:50
| comentar

Correio dos Leitores

No passado dia 26 de Maio realizou-se em Antuerpen ( Bélgica ) uma manifestação contra o racismo,
isto devido aos acontecimentos das ultimas semanas.
A 3 semanas desapareceu um jovem marroquino de 23 anos. Uma semana mais tarde apareceu morto
no rio em Antuerpen , crime racista.
O dia 11 de Maio " quinta-feira" amanheceu com um sol lindo prometia ser um agradável dia de primavera
que rapidamente se transformou em pesadelo.
Ao meio-dia um monstro de 18 anos atravessou a cidade de arma na mão " como rambo " parou pela primeira
vez numa praça aonde sentada num banco de jardim encontrava-se uma jovem turca que procurou simplesmente
um pouco de tranquilidade para ler um livro. Ele disparou ferindo-a gravemente, ela está hospitalizada .
Ele continuo o seu trajecto. Umas ruas um pouco mais longe estavam no seu caminho uma criança de 2 anos
e uma jovem de cor. Mais uma vez ele disparou assassinando as duas. Para estas três pessoas o lindo dia de 
primavera terminou tragicamente.
O problema do racismo tem crescido a passos largos nestes últimos anos principalmente na Flandria ,
isto devido ao partido da estrema direita, também ele tem adquirido muito poder. Este fenómeno
verifica-se principalmente em Antuerpen e vilas ao redor.
Apolitica do partido " vlams belang" incentivaa uma agracividade sem limites contra os estrangeiros.
No dia 26 de Maio eram-mos 20 mil apesar da chuva e do frio, eu tenho a certeza que seriam-mos
muitos mais se estive-se " um lindo dia de sol ".
Foi uma manifestação em silencio só o nosso pensamento estava uma pequena voz que dizia
" isto nunca, nunca mais".
 
Uma Alcaçovence que vive em Antuerpen
 
M.J.Amado
publicado por alcacovas às 23:17
| comentar | ver comentários (8)
Terça-feira, 30 de Maio de 2006

Notícias, positivas, nossas

Há notícias, não muitas, que nos trazem algo de positivo que, de alguma forma, ajudam a recuperar um pouco da nossa auto-estima , tão abalada que ela anda.

 Dia após dia chegam-nos estudos, estatísticas, pareceres que nos arrasam. Pois hoje vou partilhar convosco algumas notícias, algumas nem "notícias" são.

Uma judoca portuguesa conquistou o título de campeã da Europa, na sua classe. Seu nome: Telma Monteiro. Os seus colegas fizeram também boa figura, mas sem chegarem às medalhas.

Realizou-se, em Lisboa, no Pavilhão Atlântico, neste fim de semana o campeonato do mundo de boxers. o ATIBOX . É uma competição anual que atrai muita gente, criadores de boxers, de muitos países. A organização desta exposição é algo complexa e requer meios humanos e financeiros consideráveis. Pois a organização portuguesa conseguiu trazer a Lisboa, tão longe do centro da Europa, um número de cães que só uma vez foi ultrapassado (por um grande país muito mais fácil de aceder para a maioria dos europeus. Tudo correu bem e a organização foi elogiada por toda a gente, ao ponto de reconhecerem que até à data não se fez melhor. Um dos juízes foi uma portuguesa residente em Alcáçovas, a Margarida das fotos dos passarinhos.

 As energias alternativas, renováveis, estão a ser levadas mais a sério por alguns empresários portugueses. A energia eólica, a energia solar, centrais térmicas e foto voltaicas , os biocombustíveis , a energia das ondas. A notícia mais recente diz-nos que, uma parceria portuguesa/australiana vai construir em Tavira uma central térmica de energia solar. Até agora, tanto quanto sei, a energia térmica solar só tem sido usada para aquecimento de águas, mas este novo projecto visa a produção de electricidade numa central térmica. Uma técnica com algum contributo português que permite obter electricidade a metade do preço da foto voltaica .

 AC

publicado por alcacovas às 23:13
| comentar

O PR no Alentejo

No início da sua visita a alguns concelhos alentejanos, dos mais pobres do País, o PR fez, entre outras, uma declaração que deve ser analisada com muita atenção pelos nossos autarcas.

Palavras ou recomendações que, para mim, sintetizam aquilo que penso possa ser considerado uma simbiose de preceitos, digamos, de esquerda e de direita.

A defesa do social com apoio paralelo ao desenvolvimento económico. O que, até surgir alguma ideia inovadora mais promissora, é  a melhor receita para um progresso social sustentado.

E, disse mais: é tempo de alterar as prioridades. Até agora temos vivido, digamos, a  fase das infra-estruturas., muitas vezes necessárias, mas tambem quantas vezes excessivas.

O "betão" tem sido, desde há muitos anos, a muleta de muitas autarquias, governos e partidos. Deu muito dinheiro, lucros e receitas, legalmente, por vezes, e não tanto, em muitas outras situações, mas chegou o tempo de alterar as prioridades.

Como já disse aqui no nosso blog, temos que pedir, exigir (no voto), que se dê prioridade à economia, à criação de emprego, ao estímulo para a criação de novas empresas.

E, então, será possível um maior desenvolvimento social, desde que se distribua e aplique a riqueza criada de forma justa e equitativa.    

AC

publicado por alcacovas às 22:42
| comentar

A Educação e outras corporações

A discussão à volta do estado da Educação em Portugal, e das medidas propostas para a resolução da miríade de problemas que a assolam, deixa-me tonto, ou melhor, eu devo ser tonto pois não consigo ver a luz, não consigo separar o trigo do joio, já não distingo uma ideia brilhante de outra totalmente disparatada.

Ajudem-me, por favor, a perceber o que se está a passar:

- Os professores não estão preparados para ensinar devidamente?

- Os professores não se preocupam com o futuro dos seus alunos?

- Os professores limitam-se a cumprir as regras administrativas, a seguir à risca os regulamentos?

- Os professores dos professores, na Universidade, são todos muito competentes e formam professores qualificados, técnica e pedagogicamente?

- Será que os professores são todos igualmente competentes, igualmente dotados para o ensino? Não há bons, nem maus, nem assim-assim?

- Os alunos mal comportados, violentos, são de imediato castigados severamente, colocados em centros especializados na recuperação de delinquentes ?

- Os Sindicatos só procuram defender os empregos e regalias dos professores já instalados?

- Os Sindicatos não se preocupam com a qualidade do ensino, pois não é da sua responsabilidade?

- Os alunos que concluem hoje os seus cursos mal preparados, com fracos conhecimentos das matérias nucleares (e não só) serão, quando começarem a ensinar, bons professores?

- Terão os professores responsabilidade pela formação que lhes foi dada, quando jovens alunos, no básico, no secundário e no superior?

- Quem é que tem a responsabilidade de tudo isto?

- Claro que há muitas excepções, mas será que os resultados globais nos últimos anos reflectem o trabalho das excepções ou o das maiorias?

- Será que as excepções conseguem lutar contra a maré? Ou será que, gradualmente, se vão deixando arrastar pela corrente dominante?

- Será que este País vai a algum lado por este caminho? 

AC

 

publicado por alcacovas às 19:49
| comentar
Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território

 

 

fonte: http://www.territorioportugal.pt/

 

A proposta técnica do Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (mais conhecido por PNPOT) está concluída e entrou na fase de discussão pública.

Para quem não conhece, trata-se de um documento da maior relevância que contém as grandes linhas de acção estratégica para os diferentes sectores implicados no futuro desenvolvimento do país, proposto pelo Governo e que a Assembleia da República há-de aprovar como lei. 
É o documento de ordenamento do território de abrangência nacional que, concretizando as opções de desenvolvimento económico e social, definirá um modelo de organização espacial e social visando estabelecer, entre outros, os objectivos e princípios assumidos pelo Estado numa perspectiva de médio e longo prazos quanto à localização de actividades, dos serviços e dos grandes investimentos públicos (artº 28º do DL nº 380/99, de 22 de Setembro).

Oito anos depois da entrada em vigor da Lei de Bases da Política do Ordenamento do Território e do Urbanismo (Lei nº 48/98, de 11 de Agosto), que atribui ao Governo o dever de preparar este documento e ao Estado a obrigação do o aprovar, eis que a proposta técnica do PNPOT está concluída, pronta para consulta e discussão pública e futura aprovação. A Resolução do Conselho de Ministros que determinou a sua elaboração data de 2001 e foi em 2002 que se constituiu a equipa multidisciplinar encarregada da elaboração da proposta técnica (que posso afirmar ser uma equipa de excelência, coordenada pelo grande geógrafo Professor Doutor Jorge Gaspar). Demorou algum tempo, todo o processo de elaboração do documento, mas atendendo à sua complexidade e “originalidade” podemos dar graças por o termos agora preparado para ser discutido e aprovado.
O documento está disponível on-line, numa página criada para o efeito pela Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano (DGOTDU):

http://www.territorioportugal.pt/

 

aqui se encontram informações relativas à fase de Discussão Pública: agenda, conteúdo da proposta, ficha de participação, sumário da proposta técnica, os antecedentes - cronologia e pareceres, etc. Vale a pena explorar! A DGOTDU desenvolveu um excelente trabalho e por isso está de parabéns. Com a criação desta página facilitam bastante o acesso a toda a informação de um documento que é em si denso e complexo e promovem a participação pública.
Este documento diz respeito a todos nós e nele está discutido o futuro do país. Para a sua apreciação pública, foi estipulado o período mínimo legal para discussão deste tipo de documentos (o que é de lamentar), e este é o momento de nos informarmos e discutirmos o que nele é proposto.
É muito importante que todos os cidadãos tomem conhecimento do que se pretende que o nosso país seja no futuro bem como a sua participação nesta discussão. Como a iniciar o PNPOT se escreve e muito bem: "um país bem ordenado pressupõe a interiorização de uma cultura de ordenamento por parte do conjunto da população. O ordenamento do território português depende, assim, da vontade de técnicos e de políticos, mas também do contributo de todos os cidadãos".
Poderemos também aproveitar este espaço, o Alcacovas, para discutirmos futuramente algumas questões relativas a esta proposta ou até se quiserem para esclarecermos possíveis dúvidas.
B. Borges

publicado por alcacovas às 17:04
| comentar | ver comentários (2)

***


Mais uma noite passada no labiríntico e difícil, mas maravilhoso mundo da Economia.

Mas se a economia é isto que eu estudo porque é que tudo o que é gente sem qualquer formação económica insiste em falar de Economia?

Numa conversa banal ninguém discute engenharia, medicina ou arquitectura. Mas economia é certinho dois dedos de conversa e já está, ora é impostos para aqui, investimento para ali, consumo para não sei a onde.

Triste ciência, que tão nobre e importante é para os destinos de países e de pessoas mas ninguém a respeita.

Imaginem o que era, à semelhança de muitos médicos, professores de português vertente qualquer coisa, etc., se os economistas de um dia para o outro comecem a escrever sobre transplantes do miocárdio, e coisas que o valha. Não ia ser muito agradável pois não? Corriam o risco de dizer muitas asneiras! Assim faz quem escreve sobre economia quando do seu funcionamento não entende nada.

rmgv

publicado por alcacovas às 05:16
| comentar | ver comentários (2)

***

Também em destaque o texto do Frederico no Frescos Campos, sobre o Cantinho dos Animais de Évora.

rmgv

publicado por alcacovas às 02:49
| comentar

***

A ler no Blasfémias sobre Ordens, Corporações e afins…

rmgv

publicado por alcacovas às 02:46
| comentar

Menor Estado, Maior Crescimento!!

Porque defendo a redução do “peso” do estado na economia portuguesa, apresento dois fenómenos económicos que explicam que o crescimento dos gastos ou da dívida do Estado faz diminuir o crescimento económico:

  1. O crowding-out, que significa que o aumento da procura de crédito por parte do Estado aumenta as taxas de juros às quais os empresários podem obter empréstimos, reduzindo desta forma o investimento.
  2. A equivalência ricardiana que sustenta que os agentes económicos acreditam que se o Estado aumentar muito os gastos no presente, no futuro terá que aumentar impostos, o que inibe o aumento do consumo e do investimento.
rmgv
publicado por alcacovas às 02:36
| comentar
Domingo, 28 de Maio de 2006

***

À alguns dias esteve em Portugal o “Gurú” da gestão Jack Welch a convite do Fórum para a Competitividade que é presidido por Luís Mira Amaral.

Jack Welch com uma vasta obra publicada e com reconhecido mérito internacional, não podia ser mais duro (muito embora realista) com a classe empresarial portuguesa e com todo o Portugal em geral. Disse coisas tais como: «É humilhante para os portugueses a percepção que o exterior tem de Portugal, que é a de uma contínua degradação e declínio ao longo dos últimos anos».

Afirmando também que os portugueses são estáticos, falou ainda das ambições dos estudantes americanos comparadas com os europeus em que 25 % dos diplomados nos E.U.A tem como objectivo terem a sua própria empresa enquanto na Europa o objectivo é ter lugar numa empresa já estabelecida.

A minha pergunta é: será necessário vir um americano por muitos galardões que tenha, afirmar que o clima económico e empresarial esta mau em Portugal?


rmgv
publicado por alcacovas às 15:18
| comentar
Sábado, 27 de Maio de 2006

Mais um dia!

Depois de uma noite a olhar para livros, gráficos, tabelas e muitos números abri a minha janela e deparei-me com um espectáculo mágico a noite termina muito lentamente para dar lugar a um novo dia. De uma capoeira aqui perto chega-me o catar de um galo. Ao longe um oiço um carro a partir.

Alcáçovas acordou!!!

**

Bom dia!

**

rmgv

 

 

 

publicado por alcacovas às 05:49
| comentar
Quinta-feira, 25 de Maio de 2006

Alentejo e as suas gentes...













Hoje, por motivos de uma investigação para um trabalho académico que estou a realizar tive de viajar pelo Alentejo. O resultado foi maravilhoso, visitei e revisitei locais magníficos, onde os mais velhos têm sempre tempo para recordar as velhas lendas do nosso povo e onde a planície dourada toca o céu azul.


rmgv
publicado por alcacovas às 21:24
| comentar | ver comentários (2)

Gaiola de Vidro


Como paredes através das quais
o mundo vemos pelo ser dos outros
quem vamos conhecendo nos rodeia
multiplicando as faces da gaiola
de que se tece em volta a nossa vida.

No espaço dentro (mas que não depende
do número de faces ou distância entre elas)
nós somos quem somos: só distintos
de cada um dos outros, para quem
apenas somos a face em muitas,
pelo que em nós se torna, além do espaço,
uma visão de espelhos transparentes.

Mas o que nos distingue não existe

Jorge de Sena

**
Bom dia!
**
rmgv


publicado por alcacovas às 08:17
| comentar
Quarta-feira, 24 de Maio de 2006

Sessão de Autógrafos



Equipadas a rigor, as crianças estiveram perto dos jogadores da Selecção Nacional
Foto: Francisco Paraíso



Cerca de cento e quarenta jovens jogadores que disputaram o Campeonato Distrital (Évora) de Escolas visitaram o Convento do Espinheiro, onde se encontra alojada a Selecção Nacional, e tiveram direito a uma sessão de autógrafos que durou cerca de uma hora.

A iniciativa da Federação Portuguesa de Futebol destinou-se a incentivar e premiar a paixão dos mais pequenos pelo futebol, dando-lhes uma oportunidade única para estar perto dos seus ídolos.

As crianças, com idades compreendidas entre os 8 e 10 anos foram cumprimentando todos os 22 jogadores da Nossa Selecção, bem como pela equipa técnica nacional, e não perderam a ocasião para solicitar o tão desejado autógrafo em fotografias, bandeiras e camisolas.

Eis clubes que participaram nesta iniciativa:
Clube de Futebol de Estremoz
Juventude Sport Clube (Évora)
Sport Clube Alcaçovense (Alcáçovas)
Desportivo e Recreativo dos Canavais (Évora)
Lusitano Ginásio Clube (Évora)
Grupo União Sport Monetmor o Novo)
Redondense Futebol Clube (Redondo)

O Director Técnico da Associação de Futebol de Évora, Professor Rui Batista, acompanhou todo o processo, colaborando nos aspectos logísticos.

Nuno Canelas

*O meu muito obrigado ao Nuno Canelas que me enviou este texto e a fotografia.

Espero que iniciativas como esta em que os leitores colaboram enviando temas do seu interesse, mas que afinal acabam por interessar a toda a gente, se voltem a repetir o maior número de vezes possível .

publicado por alcacovas às 17:35
| comentar
Terça-feira, 23 de Maio de 2006

Raízes..

 

 

 

 

 

                

Por que abandonamos nós as nossas raízes em função do crescimento?

B.Borges 

publicado por alcacovas às 11:16
| comentar | ver comentários (9)
Domingo, 21 de Maio de 2006

***

Em relação ao anúncio feito pelo governo no que diz respeito à diminuição da taxa de desemprego pode ler-se aqui sobre o tema e desta forma ficar um pouco mais esclarecido sobre este assunto que tem dominado a agenda política dos últimos dias.


 

rmgv

publicado por alcacovas às 00:47
| comentar | ver comentários (4)
Sexta-feira, 19 de Maio de 2006

Direitos Adquiridos ou Roubo aos Contribuintes?

 

 Hoje podemos assistir a mais uma manifestação da função pública em Lisboa. Até ai tudo bem pois todos temos o direito a greve seja ela justa ao não.

Mas o que me causou alguma revolta nesta manifestação foi uma das frases de ordem utilizadas, gritavam assim os funcionários públicos, cheios de convicção: “direitos conquistados não podem ser roubados!”, pois bem mas o dinheiro dos contribuintes pode ser “roubado” ou mal aplicado se for menos ofensivo, a pagar ordenados a muito destes funcionários, quando a sua produtividade o ou é negativa ou está muito próxima de zero. A minha critica já mais se pode generalizar a toda a função pública, pois também existem pessoas que trabalham e que suam a sua camisola, mas pelo desempenho de Portugal a muitos níveis acredito que certamente estas estão em minoria.

Será que muitos desses direitos não têm que ser perdidos em função da racionalidade económica/financeira que a nossa situação exige?

Será que somos todos patriotas, mas só até ao momento em que nos cabe a nós com o nosso sacrifício ajudar a nossa nação a sair de uma situação que não é de forma alguma positiva.

Como resolver os problemas destes funcionários públicos, que pensam que o Estado é a Santa Casa da Misericórdia? Em parte este problema existe por cargas político/demagógicas que são impregnadas por muitos sindicatos que tem como única função não defender os trabalhadores, mas sim defender lobis que são estão cheios de pessoas que fazem muito pouco e pela única coisa que sempre lutaram foi ter um

“Tacho” na função pública para que assim possam ter uma vida descansada com o dinheiro na conta ao fim do mês e sem se cansarem muito.

Pois bem penso que isto poderia ser resolvido com a privatização de muitos sectores, pois se isto já está a acontecer na saúde e na educação, porque não em muitos outros.

Os privados com tem com principal objectivo a obtenção do máximo lucro económico vão exigir que os seus trabalhadores sejam o mais rentáveis possíveis e assim toda a sociedade ficariam sem duvida nenhuma a ganhar.

Gostaria de fazer uma nota final, para o papel que o estado teria num sociedade onde o sector privado fosse dominante, o estado seria regulador e não permitiria que os privados tivessem como único e exclusivo objectivo o máximo lucro económico, mas também uma preocupação com o bem estar da sociedade em geral, com aspectos sociais, ambientais, etc.

É claro que é necessária coragem política para fazer estas reformas tão importantes, mas enquanto os partidos políticos (principalmente os de poder), não as fazem para não correm o risco de derrotas devido ao descontentamento de parte da população, quem paga a factura é a sociedade em geral. Entretanto Portugal continua na cauda da Europa, o Pacto de Estabilidade e Crescimento corre o risco de não ser cumprido, o desemprego adquiriu contornos catastróficos, e estes senhores que pesam como chumbo nas despesas gerais do estado português ainda têm a coragem de vir para a rua dizer que os direitos que eles adquiriram quando políticos incompetentes ou a situação do país era outra, nomeadamente quando entrava 2 quase dois milhões de euros por dia em Portugal, não são para ser roubados. Exista paciência para esta gente que em parte não tem a culpa pois tem lideres sindicais que mais não são que simples vendedores de utopias.


 

rmgv

publicado por alcacovas às 21:01
| comentar | ver comentários (3)
Quinta-feira, 18 de Maio de 2006

Um sonho

Tive um sonho, acordado, um delírio, uma fantasia. Venho partilhar e implorar, leiam com boa vontade e desprendimento. Se conseguirem chegar ao fim será uma consolação, não estarei só, de outros  sonhadores e fantasistas estarei acompanhado.

"Levantei-me e fui ver a minha agenda para hoje. Tinha que fazer a declaração do IVA, pedir uma certidão à Segurança Social, obter uma cópia do pacto social de uma empresa, fazer um aumento de capital, e mais uma porção de tarefas, que não vale a pena enumerar.

Ao acabar de ler uma lista enorme senti, por um momento, uma ânsia, quase desespero que, felizmente, logo se dissipou. Afinal com o novo  SIMPLEX GLOBAL tudo se resolveria em poucos minutos com uma eventual deslocação aos serviços locais de apoio ao cidadão.

E comecei. Sentei-me ao meu PCADSLSG (Computador pessoal alta velocidade super grátis, existente em todas as casas, empresas,instituições, etc. ) e liguei ao serviço TPC (tudo para o cidadão), identifiquei-me com a introdução do nº do meu cartão MUE (multiusos europeu) e rapidamente fiz a declaração, pedi certidões, recebi cópias (online), paguei contas, confirmei o horário do exame do meu neto, fiz uma reclamação sobre o serviço de águas e marquei uma consulta no CS  com resposta imediata, dia  e hora.

Depois de ter resolvido um monte de assuntos, ficou-me ainda um que, pensei, requeria uma deslocação à delegação da minha autarquia. Com efeito, esclareça-se, só temos no País 18 Concelhos, e nenhuma freguesia. Mas temos em cada cidade ou vila (e até nalgumas aldeias mais isoladas) uma delegação camarária ou CAGC (centro de apoio generalizado ao cidadão),

Fui, portanto, ao CAGC da minha Vila para falar com um técnico sobre uma obra que pretendia fazer, algo que não tinha conseguido através dos serviços na NET . O técnico ouviu-me e ligou para o Concelho Distrital. Após uma rápida explicação foi posto em contacto com um especialista, sediado na capital, com o qual tive uma conferência imediata. Concluída esta foi-me dito que receberia no prazo  máximo de 24 horas uma resposta, incluindo uma autorização de obras.

No regresso, caminhando, vi com satisfação que as ruas estavam impecáveis, bem conservadas, limpas, com sinalização clara e sem falhas. Vi e admirei os jardins, os monumentos, a iluminação. As empresas privadas que asseguravam todo este trabalho estavam a cumprir os seus contratos, com trabalhadores bem preparados e justamente pagos.

Vi também passar uma viatura da GNSIF (guarda nacional de segurança, incêndios e fiscalização local), uma presença regular e apreciada pelos cidadãos. "

E acordei. Mas este sonho  fantástico deixou-me a pensar. Precisaremos de ter  308 concelhos e mais de 3000 freguesias, envolvendo centenas de milhares de pessoas para administrar os assuntos locais? 

E ainda discutimos a criação de mais entidades, caso das Regiões, com mais pessoal, mas no fundo para gerir os mesmos problemas. Andamos à volta dos assuntos e quedamo-nos mais na divisão ou partilha dos poderes, do que na transformação total do sistema que se criou. Uma simples palavra contém a chave para um novo poder (local e central): simplificar, acreditar e controlar.

 

 

 

publicado por alcacovas às 14:38
| comentar | ver comentários (2)
Terça-feira, 16 de Maio de 2006

Fechar maternidades ou fechar o interior?

Temos assistido, nos últimos dias/semanas, a uma discussão acesa sobre o encerramento de várias maternidades pelo país fora, mas sobretudo nas regiões do interior, como no Alentejo.

O Ministro justifica a medida com razões técnicas e económicas. Que as maternidades condenadas não têm condições para garantir os níveis de segurança indispensáveis às parturientes, etc. Penso que o Ministro tem razão.

Mas muita gente, desde políticos da oposição até aos habitantes das zonas onde as maternidades existentes serão eliminadas, contestam a decisão governamental. E aqui a minha reacção é mais complexa, pois é simultaneamente de desacordo e de concordância.

Só que esta se coloca, na minha opinião, num plano mais abrangente. Para mim fecharem as tais maternidades é uma medida correcta num sistema que vem, de há muitos anos, a apoiar, incentivar e até forçar a centralização dos poderes, no sentido mais amplo da palavra, no litoral e sobretudo na zona da grande Lisboa.

O fechar escolas, maternidades, postos da GNR, estações de comboios e de correios, centros de saúde e cinemas é o reflexo de uma política que, metódica e persistentemente, tem agravado e acentuado o carácter periférico das regiões interiores e a sua desertificação humana e geográfica.    

E chegamos a um ponto em que até aceitamos decisões como a do fecho de algumas maternidades. É a lógica irrefutável de uma situação insuportável gerada por anos e anos de abandono. Porque a questão que deveríamos discutir é apenas uma: como devolver a vida ao nosso interior, desde Trás-os-Montes até ao Alentejo?

Com mais população, com mais desenvolvimento, com mais poder local, com mais meios,  então em vez de se fecharem maternidades e escolas, teriam que se melhorar, ampliar, as existentes e até criar novas.

Porque é que Badajoz, por exemplo, tem serviços capazes de suprirem as necessidades dos seus habitantes e ainda de outros de cidades/vilas de um país que não é o deles? E Badajoz está muito mais lonje de Madrid do que Elvas está de Lisboa.

A luta aqui no Alentejo, como em todo o interior, tem que se centrar na mudança, radical, de um sistema que cria "monstruosidades ", esvaziando a maior parte do país. As grandes áreas urbanas de Lisboa, sobretudo, do Porto e da faixa litoral entre aqueles dois pólos  secam (ou fecham) a vida do interior.

As panaceias que os Governos, de diversas cores, aplicam num interior moribundo não resolvem o problema. É evidente, consensual, para quem vive longe de Lisboa, que o nosso poder é demasiado fraco para ser ouvido com respeito pelos Governos CENTRAIS (náo estou a falar de partidos).

O Alentejo tem menos votantes do que 2 ou 3 concelhos da área metropolitana de Lisboa (Loures, Amadora e Cascais, por exemplo).

Portanto a questão é de forças e não de equilíbrios.

 AC

publicado por alcacovas às 16:18
| comentar

Publicado por:

André Correia (AC); António Costa da Silva; Bruno Borges; Frederico Nunes de Carvalho; Luís Mendes; Ricardo Vinagre.

Posts recentes

***

“Alcáçovas Vila Global”

Inauguração da obra de Re...

Recordação do nosso Blog:...

Há 6 anos atrás começou a...

Vitória

Um brinde à Arte Chocalhe...

O Fabrico de Chocalhos já...

Mostra de Doçaria de Alcá...

Para onde vamos?

Arquivos

Outubro 2016

Agosto 2016

Fevereiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Blogs

Visitas a partir de 5/3/2006

De onde nos visitam?

outils webmaster
contador

Pesquisar neste blog